Ataque cardíaco (enfarte do miocárdio)

Ataque cardíaco (enfarte do miocárdio)

Noções básicas

Um infarto do miocárdio ocorre quando os vasos sanguíneos do coração (vasos coronários), responsáveis pelo suprimento do músculo cardíaco, ficam bloqueados. O músculo cardíaco tem a tarefa de bombear sangue ao redor do corpo. Normalmente, três destes grandes vasos sanguíneos (artérias coronárias) fornecem o coração com sangue e oxigénio.

Se estes vasos ficarem bloqueados, como é o caso de um ataque cardíaco, não chega ao coração oxigénio e nutrientes suficientes. Se o vaso bloqueado não for aberto em poucas horas, a parte do músculo cardíaco que é fornecida pelo vaso afetado pode morrer. Por esta razão, cada ataque cardíaco é considerado uma emergência.

Nos países industrializados, o número de ataques cardíacos está a aumentar de forma constante. A principal causa é a doença coronária (DC), que é promovida por vários factores como a obesidade, a falta de exercício e o tabagismo.

Causas

Recipientes doentes:

O gatilho mais comum para um enfarte do miocárdio é a cardiopatia coronária (DC). Por vezes, uma inflamação dos vasos coronários ou um coágulo (embolia) também pode causar um ataque cardíaco.

As doenças coronárias podem ser reconhecidas pelos depósitos nas artérias, que também são chamadas placas. Por vezes, mesmo em adultos jovens, é possível detectar o início de uma arteriosclerose deste tipo. As placas levam a uma redução do espaço interno dos vasos sanguíneos e, como resultado, a uma restrição do fluxo sanguíneo.

As placas podem ter pequenas lágrimas, que depois são imediatamente fechadas por plaquetas sanguíneas. Durante este processo, são libertadas substâncias mensageiras que, por sua vez, atraem mais plaquetas. Como resultado, forma-se um coágulo de sangue (trombo), que bloqueia todo o vaso e, portanto, leva a uma interrupção do fornecimento de sangue. Em suma, estes processos causam um ataque cardíaco.

No entanto, ainda é incerto porque algumas placas se rompem e assim causam um alto risco de ataque cardíaco, enquanto outras não se rompem durante anos. Já se sabe que os depósitos contendo muitas células gordurosas e pouco cálcio são instáveis. O mesmo é verdade se houver uma alta concentração de substâncias inflamatórias no sangue (como a proteína C reativa, PCR). Os níveis elevados de inflamação são mais comuns em pessoas que têm muita gordura abdominal ou síndrome metabólica. Outros factores de risco que tornam as placas instáveis são a nicotina e as partículas em suspensão.

Fatores de risco:

Alguns fatores são conhecidos por aumentar o risco de infarto do miocárdio devido à calcificação vascular. Em geral, quanto maior o número de fatores de risco, maior a probabilidade de você ter um infarto do miocárdio.

  • Dieta: Alimentos ricos em gordura e energia resultam em obesidade e altos níveis de colesterol.
  • Obesidade: é o resultado de uma dieta pouco saudável durante muitos anos.
  • Falta de exercício: O exercício regular leva à diminuição da pressão arterial, bem como a melhores níveis de colesterol e ao aumento da sensibilidade insulínica das células musculares.
  • Sexo masculino: As mulheres na pré-menopausa correm menos riscos porque as hormonas sexuais femininas (como os estrogénios) fornecem inicialmente protecção.
  • Predisposição genética: Os genes também parecem desempenhar um papel, uma vez que se tem observado uma ocorrência agrupada de doenças cardiovasculares dentro das famílias.
  • A fumar: Algumas substâncias contidas no fumo do tabaco (cigarros, charutos, cachimbos) provocam o desenvolvimento de placas instáveis.
  • Pressão arterial elevada: A hipertensão arterial causa danos nas paredes internas dos vasos sanguíneos.
  • Níveis elevados de colesterol: níveis elevados de LDL e níveis baixos de HDL são particularmente perigosos.
  • Diabetes mellitus: A diabetes mal controlada causa níveis permanentemente altos de açúcar no sangue, que levam a danos aos vasos sanguíneos.
  • Níveis elevados de inflamação: Um exemplo é um nível elevado de CRP, o que torna as placas instáveis.
  • Idade: Com o aumento da idade, a arteriosclerose também aumenta.

Ainda não foi provado se um aumento do nível do bloco proteico (aminoácido) homocisteína também é um fator de risco.

Sintomas

Se houver a menor suspeita de ataque cardíaco, os serviços de emergência devem ser chamados imediatamente.

Os sinais característicos que indicam um ataque cardíaco são:

  • Forte dor de pressão ou queimadura na zona frontal esquerda do peito que ocorre repentinamente. A dor também pode ser sentida na parte superior do abdómen, costas ou maxilar. Muitas vezes, a dor também pode irradiar para o braço esquerdo.
  • Sentimento de ansiedade, aperto ou medo
  • Falta de ar aguda e grave, bem como inconsciência ou tonturas graves.

Dependendo de qual artéria coronária é afectada, os sintomas podem manifestar-se de forma diferente. Se as artérias coronárias posteriores estiverem bloqueadas, ocorre um infarto da parede posterior, que pode ser sentido como dor no abdômen superior. Um enfarte da parede anterior ocorre quando as artérias coronárias esquerdas são afectadas pelo bloqueio. Isto é caracterizado por queixas na zona do peito.

A morte cardíaca aguda geralmente ocorre como resultado de uma oclusão dos grandes vasos coronários.

É importante distinguir entre um ataque cardíaco e um ataque de angina de peito. Ambos podem causar os mesmos sintomas, mas a angina de peito, ao contrário de um ataque cardíaco, é causada por um estreitamento dos vasos e não por um bloqueio dos vasos.

Cerca de 15% a 20% de todos os ataques cardíacos têm um curso indolor (ataques silenciosos). Isto ocorre principalmente em pacientes que sofrem de diabetes mellitus. 30 a 50% dos ataques cardíacos ocorrem repentina e inesperadamente, sem qualquer dor prévia.

As mulheres mostram uma sintomatologia diferente dos homens. As características incluem:

  • Apenas um terço das mulheres sente dores no peito.
  • A maioria das pessoas afetadas experimenta cansaço.
  • Cerca de 50 por cento queixa-se de distúrbios do sono
  • Alguns pacientes estão com falta de ar.
  • Algumas mulheres podem sofrer de dores de estômago.

Uma vez que em muitos casos os sinais não são interpretados correctamente, as mulheres são submetidas a tratamento clínico cerca de uma hora depois. Isto mostra que a proporção de mulheres que morrem de ataque cardíaco é maior do que a dos homens.

Diagnóstico

Em geral, um infarto do miocárdio pode ser diagnosticado com base nos sintomas. No entanto, para ter a certeza e excluir outras doenças que também são acompanhadas de dores no peito, podem ser realizados os seguintes exames:

  • ECG: O eletrocardiograma (ECG) é o método de exame mais importante para detectar um infarto do miocárdio. Com a ajuda deste procedimento, mudanças típicas que também permitem tirar conclusões sobre o tamanho e localização do enfarte podem ser tornadas visíveis. Além disso, o ECG também pode ser usado para diagnosticar possíveis arritmias cardíacas. Estas são as complicações mais comuns de um novo enfarte. Contudo, as alterações não podem ser detectadas imediatamente após o enfarte, mas apenas algumas horas mais tarde. Por este motivo, se houver suspeita de ataque cardíaco, recomenda-se a realização de vários exames, cada um com algumas horas de intervalo.
  • Exames de sangue: Se células musculares morrerem, como é o caso de um ataque cardíaco, certas proteínas são libertadas. Se o paciente sofrer um ataque cardíaco, a concentração destas proteínas no sangue aumenta. Estes marcadores incluem troponina T, troponina I, mioglobina e creatinina quinase (CK-MB). Mas aqui, também, um aumento só pode ser observado algumas horas após o enfarte ter ocorrido.
  • Ecografia cardíaca/ecocardiografia: Se o ECG não revela nada, mas os sintomas ainda apontam para um enfarte, uma ecografia cardíaca (ecocardiografia) pode fornecer pistas. Com a ajuda deste exame, o médico pode detectar distúrbios do movimento das paredes. Se o fluxo sanguíneo for interrompido como resultado do ataque cardíaco, há um movimento anormal da secção afectada do coração.
  • Cateterismo cardíaco: Um cateter cardíaco ajuda a detectar os vasos coronários afetados e fornece informações sobre se outros vasos também são afetados. Desta forma, o músculo cardíaco e as válvulas cardíacas também podem ser verificados para garantir o seu correcto funcionamento.

Terapia

Os pacientes com infarto do miocárdio devem ser submetidos a tratamento na unidade de terapia intensiva. O tratamento visa reabrir o vaso sanguíneo bloqueado o mais rapidamente possível (terapia de reperfusão). Se o fluxo sanguíneo normal for restaurado o mais rápido possível, as chances são boas de que pouco tecido muscular do coração tenha morrido ("tempo é músculo") e menos complicações agudas e crônicas ocorrerão.

Os seguintes métodos de tratamento podem ser usados para a terapia de reperfusão:

  • Terapia de lise (terapia trombolítica):

Nesta forma de terapia, o coágulo sanguíneo (trombo) que causou o enfarte é dissolvido pela medicação (lise). Para isso, são administrados medicamentos na veia que quebram diretamente o trombo ou ativam as próprias enzimas de ruptura do corpo (plasminogênios), que também levam à dissolução do coágulo sanguíneo. Logo após o ataque cardíaco, as chances são melhores para reabrir um vaso coronário afetado. Este tratamento já pode ser realizado pelo médico de urgência. Isto significa que o vaso bloqueado pode ser reaberto em 90 minutos em 50 por cento dos casos.

Se o ataque cardíaco ocorreu há algum tempo, a abertura do vaso sanguíneo torna-se cada vez mais difícil. A lise pode ser realizada no máximo 12 horas após um ataque cardíaco. Após essas 12 horas, o coágulo sanguíneo não pode mais ser dissolvido adequadamente, o que leva a efeitos colaterais consideráveis.

As enzimas estreptoquinase e uroquinase, assim como os ativadores geneticamente modificados alteplase, reteplase ou tenecteplase podem ser usados para lise. Os medicamentos de lise causam uma inibição da coagulação do próprio sangue do corpo, pois exercem o seu efeito sobre todo o corpo e não apenas sobre o coração. Uma hemorragia grave pode ocorrer como uma complicação. Outras complicações incluem a ativação de fontes de sangramento anteriormente não reconhecidas, como úlceras estomacais e malformações vasculares no cérebro (aneurismas). Um dos efeitos secundários mais graves é a hemorragia cerebral, que ocorre em cerca de um por cento dos casos. Após a terapia trombolítica, os pacientes frequentemente sofrem de arritmias cardíacas, e é por isso que precisam ser monitorados de perto.

  • PTCA aguda:

Neste tratamento, um cateter cardíaco é inserido imediatamente para dilatar o vaso bloqueado com a ajuda de um balão (PTCA agudo). Em muitos casos, um stent é implantado durante este tratamento para evitar que o vaso volte a bloquear.

Na maioria dos pacientes, o PTCA agudo pode reabrir o vaso. A desvantagem, porém, é que o PTCA não está imediatamente disponível para todos os pacientes, já que nem todos os hospitais possuem instalações de cateterismo cardíaco. A terapia só alcança o sucesso se começar dentro de 90 minutos. Numerosos estudos mostram que a PTCA aguda oferece certas vantagens em relação à terapia de lise.

  • Resgatar PTCA:

Se a terapia de lise não for bem sucedida e o paciente ainda estiver a sofrer de dor, bem como um agravamento da sua condição, pode ser considerado um cateter cardíaco para abrir o vaso (PTCA de salvamento).

Ocasionalmente, as artérias coronárias são tão estreitas que a cirurgia de bypass é necessária para corrigir o ataque cardíaco. Nesta operação, o estreitamento do vaso é ligado por uma veia, que é ou uma artéria da parede torácica ou retirada de outra parte do corpo.

A terapia básica para infarto agudo do miocárdio inclui:

  • Ácido acetilsalicílico: esta substância activa impede que as plaquetas se colem entre si, impedindo assim que o coágulo sanguíneo aumente. Se houver suspeita de ataque cardíaco, o médico de emergência já injecta ácido acetilsalicílico para melhorar o prognóstico.
  • Heparina: A heparina interfere com o sistema de coagulação do sangue e contraria o aumento do trombo. Também pode ser administrado pelo médico de urgência.
  • Beta-bloqueadores: Beta-bloqueadores levam a uma redução da pressão arterial, bem como a um abrandamento do ritmo cardíaco e, consequentemente, a um alívio do coração. A administração precoce contraria as arritmias cardíacas (fibrilação ventricular) que ameaçam a vida e reduz o tamanho do enfarte.
  • Nitratos: Dilatam os vasos sanguíneos e levam a uma redução na demanda de oxigênio do coração. Eles também reduzem a dor, mas não melhoram o prognóstico.
  • Inibidores da ECA: Estes medicamentos dilatam os vasos sanguíneos e baixam a pressão arterial. Isto alivia o coração e reduz o risco de morte em pacientes com enfarte do miocárdio. Por este motivo, a terapia deve começar dentro de 24 horas.
  • Terapia da dor: Se necessário, podem ser administrados analgésicos e sedativos para que o paciente não sinta dor.
  • Oxigénio: O oxigénio é administrado a todos os pacientes afectados através de um tubo nasal, uma vez que isto ajuda a garantir o fornecimento de oxigénio ao coração.

Cuidados à popa:

Aftercare também é de grande importância para o prognóstico de ataques cardíacos. Os pacientes devem iniciar a fisioterapia e os exercícios respiratórios nos primeiros dias. A actividade física também pode contrariar uma maior oclusão vascular.

Algumas semanas depois, o treino cardiovascular pode ser iniciado. Isto não significa esportes competitivos, mas sim esportes como caminhada, jogging leve, ciclismo e natação. O médico assistente é responsável por um programa de formação individual em cooperação com o paciente.

Fatores como pressão arterial alta, colesterol alto, obesidade e diabetes aumentam o risco e, portanto, devem ser verificados a intervalos regulares. Outro fator importante é o fumo, que deve ser interrompido imediatamente. Além disso, os check-ups devem ser realizados a intervalos regulares (de seis em seis meses a anualmente).

Previsão

Nos ataques cardíacos, a morte geralmente ocorre como resultado de fibrilação ventricular.

Quanto mais rápido o vaso ocluído for aberto, melhores são as hipóteses de recuperação. Os melhores resultados são alcançados com uma terapia que começa dentro de 3 horas. Se agora houver suspeita de um ataque cardíaco, o paciente deve ser tratado imediatamente no hospital.

O tamanho do enfarte, assim como possíveis alterações em outros vasos coronarianos, também exercem influência no prognóstico.

Complicações agudas:

Muitos doentes sofrem de arritmias cardíacas no decurso do ataque cardíaco. Em muitos casos há um batimento cardíaco muito rápido (taquicardia sinusal), em 10 a 15 por cento dos casos de fibrilação atrial. Também não são excluídas situações de risco de vida, como fibrilação ventricular.

Um ataque cardíaco também pode ser acompanhado de insuficiência cardíaca aguda, na qual o coração já não é capaz de bombear sangue suficiente através do corpo. Ocasionalmente, uma parte da parede do coração pode romper-se como resultado de um ataque cardíaco.

As primeiras 48 horas após um ataque cardíaco são o tempo mais arriscado para o paciente. Cerca de 40% das pessoas afetadas não sobrevivem nos primeiros dias.

Complicações a longo prazo:

Um ataque cardíaco agudo leva a uma grande mudança na vida da pessoa afetada. Muitos sofrem de depressão mais tarde. É especialmente importante mudar para um estilo de vida saudável e activo.

Se muita massa muscular morrer como resultado do ataque cardíaco, a insuficiência cardíaca crônica se desenvolverá com o tempo, já que o tecido muscular do coração morto forma cicatrizes. A capacidade de bombeamento depende então do tamanho da área afetada.

A insuficiência cardíaca também pode resultar de muitos pequenos ataques cardíacos ("doença dos pequenos vasos"). Em alguns casos, parte da parede do coração se projeta para fora (aneurisma), criando melhores condições para a formação de um coágulo sanguíneo. Se estes entrarem no corpo com a corrente sanguínea, podem ficar presos num só lugar e bloquear o vaso. Se isto acontece no cérebro, chama-se AVC.

A morte súbita cardíaca por fibrilação ventricular é uma causa comum de morte após ataque cardíaco. No entanto, também podem ocorrer arritmias cardíacas menos ameaçadoras, como a fibrilação atrial.

Prevenção

Os ataques cardíacos podem ser prevenidos até certo ponto mantendo os factores de risco para a arteriosclerose tão baixos quanto possível. A arteriosclerose cria condições ideais para a doença coronária (DC), que é a causa mais comum de infarto do miocárdio. Por esta razão, deve ser dada muita ênfase a um estilo de vida saudável:

  • Deve-se deixar de fumar. O ideal é não começar a fumar em primeiro lugar.
  • Uma dieta saudável deve ser uma prioridade. Isto inclui muita fruta e legumes, assim como pouca gordura.
  • Se você está acima do peso, você deve tentar perder peso. Mesmo alguns quilos a menos têm um efeito positivo na saúde.
  • O exercício regular deve fazer parte da sua rotina diária. Mesmo uma caminhada de meia hora tem um efeito positivo.
  • Fatores como diabetes mellitus, hipertensão arterial ou níveis elevados de colesterol devem ser tratados.
  • Os medicamentos prescritos pelo seu médico ou médica devem ser tomados a intervalos regulares. Isto também se aplica se você não estiver sofrendo de nenhum sintoma no momento.
  • A longo prazo, o factor de stress deve ser mantido tão baixo quanto possível.

Se houver suspeita de um ataque cardíaco, o médico de emergência deve ser chamado imediatamente. Em nenhuma circunstância você deve dirigir até o hospital, pois seu estado pode piorar de um segundo para o outro.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.