Cancro do estômago (carcinoma gástrico)

Cancro do estômago (carcinoma gástrico)
Classificação Internacional (CID) C16.-

Noções básicas

O cancro do estômago (carcinoma gástrico) é uma doença em que certas células do estômago sofrem uma divisão descontrolada, resultando na formação de um tumor maligno. Na maioria dos casos, as células glandulares produtoras de suco gástrico degeneram. Neste caso, é chamado de adenocarcinoma. Ocasionalmente, as células linfáticas (linfoma MALT) também podem ser afectadas pela degeneração, ou células do músculo ou tecido conjuntivo (sarcoma).

Apesar de uma diminuição nos últimos anos, o câncer de estômago é uma das causas mais freqüentes de morte relacionada a tumores. A razão para isto é muitas vezes o diagnóstico tardio, uma vez que o cancro do estômago normalmente só é descoberto numa fase avançada. Como em qualquer doença tumoral, quanto mais cedo o tumor for descoberto e tratado, melhor será a terapia e a cura.

O cancro do estômago é o quinto tumor mais comum nos homens e o oitavo tumor mais comum nas mulheres. Com o aumento da idade, há também uma maior incidência de câncer de estômago. Em média, os homens desenvolvem a doença por volta dos 71 anos de idade e as mulheres por volta dos 75 anos.

Em geral, há também uma diferença na incidência de câncer de estômago em todo o mundo. No Japão, por exemplo, a taxa de incidência é mais elevada do que nos EUA ou na Alemanha.

Causas

Vários fatores são suspeitos de aumentar o risco de câncer de estômago e, portanto, podem ser considerados como causas:

  • Hábitos alimentares: o consumo frequente de alimentos muito salgados e o baixo consumo de legumes e frutas frescas são considerados como factores de risco confirmados. O consumo frequente de alimentos grelhados, fumados e curados também pode ser desfavorável. Durante o processo de grelhar ou fumar, são produzidas substâncias causadoras de cancro (carcinogéneos) durante a combustão incompleta.
  • O fumo e o álcool também podem ter uma influência negativa sobre o risco de cancro do estômago.
  • Uma certa forma de inflamação da mucosa gástrica (gastrite atrófica crónica) pode ser um gatilho para o cancro do estômago. Esta doença é contada entre as doenças auto-imunes do estômago, o que provoca uma mudança a longo prazo no revestimento do estômago.
  • Uma certa bactéria, Helicobacter pylori, também pode aumentar o risco. - Alguns pólipos estomacais podem ser o precursor do cancro do estômago.
  • Se uma remoção parcial do estômago (que é menos comum hoje em dia) foi realizada, por exemplo, devido a uma úlcera, pode haver um risco aumentado de cancro do estômago.
  • A doença rara com uma causa ainda inexplicada, a doença de Ménétrier, também leva a um aumento do risco de cancro do estômago. Esta doença causa dobras aumentadas da mucosa e camadas maiores de formação de muco no estômago.

Sintomas

Analógico a outros cancros, o cancro do estômago não apresenta quaisquer sintomas característicos nos estágios iniciais. O carcinoma cresce sem ser notado durante muito tempo e sem sinais que indiquem um tumor.

No entanto, se você retraçar o histórico médico de muitas pessoas afetadas por câncer de estômago, muitas vezes você pode notar desconforto incaracterístico na área da parte superior do abdômen. Muitas vezes, há também uma ligeira pressão na parte superior do abdómen e uma aversão a certos alimentos, como a carne. O cancro do estômago não causa dor nas fases iniciais. A perda de peso e a dificuldade de engolir também ocorrem mais tarde no decurso da doença. Em alguns casos, o câncer de estômago sangra facilmente, o que pode ser reconhecido por vômitos sangrentos ou fezes negras (fezes negras).

Se o carcinoma estomacal progredir ainda mais, há frequentemente uma perda de peso significativa (caquexia tumoral), bem como uma redução do desempenho geral. As úlceras estomacais que não melhoram apesar de 12 semanas de tratamento com medicamentos devem ser investigadas, pois podem indicar cancro do estômago.

Diagnóstico

Se houver sinais claros de câncer de estômago, como vômitos de sangue ou fezes negras (fezes negras), é realizada uma gastroscopia. Durante este exame, o médico colhe amostras de tecido que são examinadas no laboratório para células degeneradas.

Um exame ultra-sonográfico de dentro através de um tubo estomacal (endossonografia) pode determinar até que ponto as células cancerosas já cresceram na parede do estômago. Uma laparoscopia, que é um procedimento cirúrgico, pode mostrar até que ponto um câncer de estômago já se espalhou pelo estômago.

As metástases mais comuns no câncer de estômago são no fígado, pulmões e ossos. Para detectar possíveis metástases, a área do tórax é examinada por raio-X e a área abdominal por ultra-som (sonografia) e tomografia computadorizada ou ressonância magnética (TC). Se as células cancerosas já se espalharam para os ossos, isto pode ser detectado por uma cintilografia esquelética.

Os carcinomas estomacais geralmente produzem marcadores tumorais que podem ser detectados no hemograma. Deve ser dada especial atenção ao CEA (antígeno carcinoembrionário), CA 72-4 e CA 19-9 (CA= antígeno cancerígeno).

Terapia

Se for possível diagnosticar o cancro do estômago numa fase precoce, este pode ser removido através da chamada cirurgia do buraco da fechadura no decurso de uma gastroscopia. Contudo, este método só pode ser utilizado se apenas o revestimento do estômago for afectado por cancro do estômago, ou seja, se o tumor ainda estiver no início.

Se o carcinoma gástrico já cresceu além da mucosa gástrica, a única terapia que promete uma chance de cura é a remoção cirúrgica parcial ou completa do estômago. Dependendo da localização e extensão do carcinoma estomacal, os linfonodos que circundam o estômago ou o baço também podem ter que ser removidos. Um estômago substituto pode então ser reconstruído a partir de um pedaço de intestino delgado ou grosso. Isto é então ligado à parte restante do estômago ou do esôfago, de modo que o refluxo de secreções biliares e pancreáticas para o esôfago seja evitado.

A vida sem estômago é possível sem qualquer problema. Neste caso, deve ter-se o cuidado de comer muitas pequenas refeições. A princípio, pode haver uma perda de peso contínua, mas isto normalmente pára por si só após algum tempo. As enzimas digestivas, bem como a suplementação vitamínica, principalmente com vitamina B12, são administradas sob a forma de medicamentos.

A quimioterapia e a radioterapia são geralmente necessárias para câncer de estômago avançado, e em alguns casos, imediatamente após a cirurgia. Em alguns casos, a quimioterapia também pode ser feita antes da cirurgia. O objectivo disto é diminuir o tamanho do tumor. Se o tumor encolheu, ainda pode ser possível removê-lo, mesmo que a quimioterapia não o tenha feito.

Se não houver esperança de curar o câncer, em muitos casos é necessário inserir um tubo de alimentação artificial (PEG, gastronomia endoscópica percutânea). Os analgésicos são eficazes contra a dor.

Previsão

O cancro do estômago que é detectado numa fase inicial tem normalmente uma boa hipótese de ser curado. No entanto, o cancro do estômago é muitas vezes diagnosticado tardiamente. O prognóstico também depende da metástase dos órgãos circundantes e do envolvimento dos gânglios linfáticos. Neste caso, as hipóteses de uma cura são mais complicadas. Geralmente, cinco anos após o diagnóstico, 31% dos pacientes do sexo feminino e 35% dos pacientes do sexo masculino ainda estão vivos.

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.