Cancro do pulmão (carcinoma brônquico)

Cancro do pulmão (carcinoma brônquico)
Classificação Internacional (CID) C34.-

Noções básicas

O cancro do pulmão refere-se a uma degeneração do tecido em diferentes partes do pulmão. É feita uma distinção entre diferentes tipos, que incluem o cancro do tecido pulmonar real, bem como cancros raros, como o mesotelião (cancro da pleura pulmonar).

É possível distinguir entre diferentes tipos de carcinoma brônquico. O câncer de pulmão de pequenas células é considerado particularmente perigoso porque tem um crescimento extremamente rápido e se espalha rapidamente pelo corpo. Os carcinomas pulmonares de crescimento lento incluem carcinoma espinocelular não pequeno, adenocarcinoma e carcinoma de células grandes. Estes carcinomas têm um melhor prognóstico em geral.

Há cerca de 52 novos casos por ano por 100.000 pessoas na Europa. Os homens são afectados três vezes mais frequentemente do que as mulheres. No entanto, as estatísticas mostram que, desde o início dos anos 90, o número de novos casos entre as mulheres triplicou, enquanto o número de homens afectados diminuiu de forma constante.

O câncer de pulmão raramente pode ser curado, razão pela qual é a causa mais comum de morte por câncer entre os homens e a terceira causa mais comum entre as mulheres. As estatísticas de mortalidade são controversas para mulheres e homens: para homens está a diminuir ligeiramente, enquanto que para mulheres está a aumentar.

O câncer é principalmente uma doença de idade avançada. A maioria dos novos casos ocorre na faixa etária dos 55 aos 60 anos. Apenas cinco por cento das pessoas com a doença têm menos de 40 anos.

O fumo é considerado a principal causa do cancro do pulmão. Estima-se que cerca de 85 por cento dos pacientes que morrem de câncer de pulmão são fumantes. De acordo com as últimas estatísticas, a tendência é que cada vez mais homens estão deixando de fumar, mas cada vez mais mulheres estão começando.

O gatilho do mesotelioma, que é muito raro, é o amianto. Segundo estimativas, cerca de 500.000 a 1.000.000 trabalhadores na Alemanha têm um local de trabalho que está em risco por causa do amianto. Este tipo de tumor leva cerca de 15 a 50 anos a desenvolver-se, razão pela qual se espera um aumento da incidência da doença por volta do ano 2020.

Causas

A razão do cancro do pulmão é fumar. Em alguns casos, porém, os poluentes no local de trabalho ou factores hereditários também podem ser responsáveis pelo seu desenvolvimento. O câncer de pulmão geralmente se desenvolve como resultado de influências externas:

  • A fumar: Cerca de 85 por cento das pessoas em que o câncer de pulmão surge como causa de morte são fumantes. O risco de desenvolver câncer de pulmão aumenta 30 vezes se o tabagismo for iniciado na adolescência.
  • Tabagismo passivo: O tabagismo passivo aumenta o risco de câncer de pulmão por um fator de 1,3 a 2,0. Se a duração da exposição aumenta, o risco de doença também aumenta.
  • Os altos níveis de poluição atmosférica também podem levar a um ligeiro aumento do risco (por um fator de cerca de 1,5). O factor decisivo, no entanto, parece ser a fuligem do gasóleo. Aumenta o risco, especialmente nos fumadores. Além disso, em edifícios com elevada exposição ao rádon, pode haver um aumento da concentração deste gás radioactivo. Consequentemente, o risco de cancro do pulmão também aumenta.
  • Exposição familiar: Se um dos pais sofre de carcinoma brônquico, a pessoa tem um risco duas a três vezes maior de desenvolver a doença.
  • Substâncias como o amianto, pó de quartzo e compostos de arsênico representam um risco de carcinoma brônquico e mesotelioma.
  • As cicatrizes pulmonares, por exemplo, como resultado de tuberculose ou cirurgia pulmonar, também aumentam o risco de cancro do pulmão.

Sintomas

No início da doença, praticamente nenhum sintoma é perceptível. O primeiro sinal pode ser uma tosse, por exemplo, mas isso também pode indicar outras doenças, como bronquite crônica.

Em alguns casos, o câncer de pulmão só pode ser suspeito se a tosse não melhorar apesar do tratamento com antibióticos, ou se for encontrado sangue no escarro. No entanto, este já é um sintoma da doença numa fase avançada. Apenas uma proporção negligenciável de casos de câncer de pulmão é diagnosticada por um exame pulmonar de rotina.

Outras queixas típicas que se manifestam no cancro do pulmão são:

  • Perda de apetite, fadiga, perda de peso, falta de ar, ou temperatura corporal constantemente ligeiramente elevada.
  • Pneumonia que não melhora após o tratamento (também chamada de pneumonia refratária). Em pessoas com mais de 40 anos, eles podem ser um sinal de cancro do pulmão.
  • Paralisia, assim como dores fortes e uma perda geral de força.
  • Episódios prolongados de tosse que duram mais de três semanas. Este sintoma ocorre normalmente em fumadores, para quem os medicamentos para os pulmões têm frequentemente um efeito pior.
  • Em alguns casos, podem também aparecer sintomas atípicos de cancro do pulmão. Estes incluem lesões cerebrais ou da medula espinal, e desequilíbrios hormonais (como a síndrome de Cushing). Estas características são devidas à actividade hormonal do tumor (síndromes paraneoplásicas).

Diagnóstico

Se houver suspeita de que o paciente tem câncer de pulmão, o primeiro passo é um exame radiográfico dos pulmões. Em seguida, geralmente é feita uma tomografia computadorizada (TC) e a expectoração da tosse (expectoração) é examinada à procura de células cancerígenas.

Um exame ao sangue pode detectar os chamados marcadores tumorais. Se determinados marcadores estiverem elevados, isso pode indicar carcinoma brônquico.

Se o resultado destes exames for positivo, também é realizada uma broncoscopia (exame endoscópico das trompas brônquicas). No decorrer deste exame, por vezes são retiradas amostras de tecido (biópsias) e material celular para análise. Isto torna possível fazer um diagnóstico definitivo. Uma desvantagem é que apenas tumores localizados perto do sistema brônquico podem ser detectados com a ajuda de uma broncoscopia.

Se um diagnóstico definitivo não puder ser feito, é necessário em casos raros realizar uma operação (toracotomia diagnóstica). Com a ajuda deste método, podem ser recolhidas amostras de tecido, que podem ser examinadas histopatologicamente para células cancerígenas.

Se o diagnóstico de câncer de pulmão estiver claro a partir destes exames, devem ser realizados outros exames para encontrar quaisquer metástases. Estes exames incluem:

  • Tomografia computorizada (TC)
  • Ressonância magnética (MRI)
  • Exame ultra-sonográfico (sonografia)
  • Cintilografia esquelética (cintilografia óssea)
  • Tomografia por emissão de pósitrons (PET)
  • Mediastinoscopia (exame do tórax)

Terapia

O tratamento do câncer de pulmão depende do tipo de câncer (carcinoma brônquico de células não pequenas ou pequenas células) e da fase em que o tumor já se encontra. O câncer de pulmão de células não pequenas é geralmente tratado com cirurgia seguida de radioterapia e quimioterapia. O câncer de pulmão de pequenas células está crescendo muito rapidamente e forma metástases em uma fase inicial. Por este motivo, a cirurgia não pode ser realizada em todos os casos. Portanto, uma combinação de quimioterapia e radioterapia é frequentemente utilizada neste caso.

Cirurgia:

Caso ainda não tenha ocorrido metástase, ou se apenas um gânglio linfático próximo ao tumor for afectado, o carcinoma é operado. O tumor cancerígeno é removido juntamente com parte do pulmão saudável. A remoção do tecido saudável garante que não permaneçam células cancerígenas no tecido. Em alguns casos, a cirurgia é seguida de quimioterapia.

Quimioterapia/radioterapia:

Se o carcinoma brônquico já estiver avançado, é utilizada radioterapia ou quimioterapia. Em muitos casos, uma combinação dos dois métodos também é utilizada (terapia multimodal). Ocasionalmente, a terapia também pode começar antes da operação. A quimioterapia pode ser administrada sob a forma de cápsulas ou comprimidos, mas também por infusão ou injecção.

Terapia com anticorpos (terapia de alvo):

Os anticorpos podem bloquear a transmissão de impulsos de crescimento para o interior da célula cancerígena. Alguns anticorpos ainda estão em fase de teste, enquanto outros já estão sendo usados no câncer de pulmão. Para o tratamento do carcinoma brônquico de células não pequenas, por exemplo, o anticorpo erlotinib tem sido utilizado na Alemanha desde o final de 2005, o que causa uma inibição do crescimento de células tumorais.

Outro grupo de anticorpos inibe o crescimento dos vasos sanguíneos responsáveis pelo fornecimento do tumor (inibidores da angiogénese). Um inibidor da angiogénese, por exemplo, é o bevacizumab, que tem sido utilizado em toda a UE para o tratamento do cancro do pulmão desde 2007.

Em geral, os mesoteliomas são operáveis, mas na maioria dos casos o tumor já se espalhou demais, de modo que uma operação é impossível.

Se não há esperança de curar o câncer, o foco principal está em aliviar os sintomas. Estas incluem, sobretudo, a falta de ar, causada pelo tumor que cresce na traqueia.

A falta de ar pode ser evitada através da inserção de um tubo metálico (stent) na traqueia para mantê-la aberta. Outra opção é reduzir a massa tumoral por laser ou radiação do interior (braquiterapia endoluminal).

Em muitos casos, os doentes com cancro do pulmão sofrem de metástases ósseas causadoras de dor. Estes podem ser aliviados com medicamentos especiais (bifosfatos) ou analgésicos fortes.

Previsão

As chances de cura para o câncer de pulmão geralmente não são positivas e dependem do estágio e do tipo de câncer. O prognóstico de sobrevivência de cinco anos é de apenas 15 por cento. Em geral, pode-se dizer que as chances de sobrevivência com carcinoma de pequenas células são significativamente menores do que com carcinoma de células não pequenas. Por outro lado, o prognóstico é muito melhor se o câncer for detectado em uma fase precoce.

Em muitos casos, porém, os médicos são capazes de reduzir o crescimento do câncer de pulmão graças aos métodos terapêuticos modernos (principalmente quimioterapia e radiação) e, assim, provocar um prolongamento significativo da vida.

Se o câncer de pulmão puder ser operado, há uma chance de uma recuperação completa. Às vezes o tumor pode ser removido com uma operação relativamente pequena. Este é especialmente o caso se o tumor estiver localizado longe no pulmão (na área do tórax). O lóbulo afetado do pulmão é então removido.

Prevenção

A forma mais eficaz de prevenir o cancro do pulmão é deixar de fumar.

Quanto mais cigarros consumidos, maior o risco de desenvolver câncer de pulmão: o consumo diário de um a 14 cigarros aumenta o risco por um fator de 8, enquanto que o consumo de 25 cigarros aumenta o risco por um fator de 25. Deixar de fumar leva a uma redução significativa do risco de contrair a doença. O risco diminui em poucos anos, mas ainda é maior do que para as pessoas que nunca fumaram. As pessoas que deixam de fumar aos 30 anos de idade têm apenas um risco ligeiramente maior de desenvolver cancro do pulmão a longo prazo.

Um alto consumo de frutas e vegetais pode ter um efeito positivo sobre a saúde dos fumantes e reduzir o risco de doenças, mas não na medida em que anula o risco de fumar. É importante tomar vitaminas e oligoelementos na sua forma natural e não através de suplementos. Segundo o estudo, a toma de doses elevadas de beta-caroteno sob a forma de comprimidos tende na realidade a piorar a saúde dos fumadores.

Se houver risco de substâncias causadoras de câncer de pulmão (amianto, pó de quartzo, radiação radioativa) no local de trabalho, deve ser observada a Lei de Saúde e Segurança Ocupacional (usando respiradores, luvas ou similares).

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.