Cardiopatia coronária (DC)

Cardiopatia coronária (DC)

Noções básicas

A cardiopatia coronária é uma doença grave do coração em que ocorrem distúrbios circulatórios nas artérias coronárias. Estas artérias também são chamadas artérias coronárias ou coronárias. Eles estão dispostos em um anel ao redor do músculo cardíaco e garantem o fornecimento de oxigênio e nutrientes.

A doença coronária inclui uma sensação de aperto no peito (angina de peito), bem como um ataque cardíaco ou morte cardíaca súbita. A causa da doença coronária é a arteriosclerose dos vasos coronários (esclerose coronária), que se caracteriza por um acúmulo de gordura no sangue, coágulos sanguíneos (trombos) e tecido conjuntivo nas paredes internas dos vasos. A CHD é considerada uma doença de afluência. Fatores que aumentam o risco de doença são:

  • Excesso de peso (e aqui principalmente gordura abdominal).
  • Diabetes
  • Pressão arterial elevada
  • Altos níveis de gordura no sangue
  • Pequeno exercício
  • Fumando

A doença coronária tem sido a causa número um de mortes na Alemanha durante anos, tornando-a uma das mais importantes doenças disseminadas. Os homens são afectados mais cedo e mais frequentemente pelas CHD do que as mulheres.

Causas

As pessoas que sofrem de doença coronária sofrem de fluxo sanguíneo prejudicado para o músculo cardíaco. A razão para isto é um estreitamento dos vasos coronários como resultado de depósitos de gordura ou cálcio nas paredes dos vasos (arteriosclerose).

Nas doenças coronárias, o músculo cardíaco recebe muito pouco sangue e, portanto, muito pouco oxigénio e nutrientes. Como resultado, há um desequilíbrio entre a demanda de oxigênio e a oferta de oxigênio, que é particularmente perceptível sob grande esforço. Se o diâmetro das artérias coronárias diminui pela metade, normalmente também ocorrem problemas circulatórios.

Os seguintes fatores de risco aumentam o perigo de desenvolvimento de doença coronária:

  • Dieta pouco saudável: alimentos ricos em gordura e com alta densidade energética levam à obesidade e a níveis elevados de colesterol.
  • Obesidade: como resultado de anos de alimentação insalubre.
  • Falta de exercício: o exercício regular leva à diminuição da pressão arterial, à melhoria dos níveis de colesterol e ao aumento da sensibilidade insulínica nas células musculares.
  • Sexo masculino: Antes da menopausa, as mulheres têm um risco menor de desenvolver CHD devido à protecção proporcionada pelas hormonas sexuais femininas.
  • Predisposição genética: Como se observa um aumento da incidência de doenças cardiovasculares em algumas famílias, pode-se assumir que os genes desempenham um papel.
  • Fumar: As substâncias contidas no fumo do tabaco (cigarros, charutos, cachimbos) favorecem a formação de depósitos instáveis (placas) nos recipientes, o que pode representar um risco.
  • Aumento da pressão arterial (hipertensão arterial): A hipertensão leva directamente a danos nas paredes internas dos vasos sanguíneos.
  • Níveis elevados de colesterol: Níveis elevados de LDL e níveis baixos de HDL favorecem a formação de placas.
  • Diabetes mellitus: Se a diabetes mellitus for mal controlada, ocorrem níveis elevados de açúcar no sangue, que por sua vez danificam os vasos sanguíneos.
  • Idade: Um aumento na incidência da doença pode ser observado em homens a partir dos 45 anos de idade e em mulheres a partir dos 50 anos de idade.

Sintomas

Os sintomas de CHD dependem do grau de estreitamento das artérias coronárias e da localização do estreitamento. O estreitamento mínimo é frequentemente assintomático, mas o estreitamento grave causa frequentemente sintomas.

  • Dor no peito: a doença coronária manifesta-se frequentemente por dores no peito ou uma sensação de aperto no peito (angina de peito). Isto é especialmente verdade quando há uma maior necessidade de oxigénio, ou seja, durante o stress físico ou mental. A dor de angina de peito irradia frequentemente para o braço esquerdo, mas em alguns casos também se estende ao pescoço, garganta, costas, mandíbula ou abdómen superior.
  • Ataque cardíaco agudo: Os sintomas de um ataque cardíaco agudo incluem falta de ar, transpiração, náuseas e medo da morte.
  • Arritmias cardíacas: Em muitas pessoas, as arritmias cardíacas são o primeiro sinal de CHD.
  • Diabéticos muitas vezes não têm sintomas: Algumas pessoas, principalmente diabéticos, muitas vezes não têm sintomas. Se for este o caso, chama-se isquemia silenciosa (falta de fluxo sanguíneo). Pode ser que os nervos do coração estejam tão danificados como resultado da diabetes que não possam mais transmitir sinais de dor (neuropatia diabética). Os danos no músculo cardíaco passam, portanto, despercebidos.

Diagnóstico

Para diagnosticar doenças coronárias, o médico pergunta primeiro sobre a natureza dos sintomas. De particular interesse são o tipo, duração e gravidade dos sintomas e quando eles ocorrem. A história médica (anamnese) e um exame físico indicam ainda mais a doença, pois existem muitas doenças que têm como sintomas dores no peito ou falta de ar.

Além disso, o médico pode utilizar uma amostra de sangue para determinar outros possíveis factores de risco de doença coronária, tais como níveis elevados de colesterol ou açúcar no sangue. Além disso, o médico irá medir a pressão arterial, perguntar com que frequência fuma, como é a sua dieta e com que frequência se exercita.

Estes exames técnicos também são úteis para a realização de um diagnóstico:

  • O exame básico é o ECG de repouso. Se, após o exame, houver suspeita de defeito da válvula cardíaca ou fraqueza cardíaca, é realizada uma ecografia cardíaca (eco cardíaco).
  • Se houver suspeita de estreitamento das artérias coronárias após o exame, o médico providenciará um ECG de exercício. Neste tipo de exame, o coração ou fica artificialmente estressado pela medicação ou a pessoa em questão tenta andar de bicicleta enquanto está deitada. Além da ecocardiografia de estresse, a cintilografia miocárdica e a ressonância magnética especial (RM) do coração são alternativas que também revelam o fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco.
  • Se um teste de estresse é considerado muito perigoso para o paciente, por exemplo, porque o ECG em repouso já mostrou mudanças típicas, um exame de cateter cardíaco é freqüentemente realizado diretamente. Este exame também é realizado se o teste de stress tiver mostrado indicações de CHD.
  • Se houver suspeita de síndrome coronária aguda, por exemplo, um ataque cardíaco, um ECG e exames de sangue especiais (troponina cardíaca) são realizados imediatamente. A síndrome coronariana aguda refere-se a várias fases de distúrbios circulatórios agudos dos vasos coronarianos, que podem ser fatais.
  • A fim de excluir outras doenças, em alguns casos também é realizado um exame radiográfico do tórax.
  • Outro método de exame é a angiografia coronária, que torna os vasos coronários visíveis.

Terapia

As doenças cardíacas coronárias não podem ser curadas. Portanto, a terapia visa melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas e prevenir a progressão da doença. Normalmente, os sintomas, como a angina de peito, são facilmente tratáveis e os sintomas secundários, como um ataque cardíaco, são, portanto, evitáveis. Graças ao tratamento ideal, as pessoas afetadas geralmente têm a mesma qualidade de vida e expectativa de vida que pessoas saudáveis.

Muitas vezes também pode haver efeitos secundários psicológicos, como a depressão, que têm um impacto negativo sobre a doença. Por esta razão, a terapia também tenta tratar os sintomas psicológicos que a acompanham.

Medicamentos:

Os medicamentos vão desde aqueles que aliviam os sintomas das CHD (como os ataques de angina) e previnem complicações e aumentam a esperança de vida.

  • Medicamentos que melhoram o prognóstico e previnem ataques cardíacos

Anticoagulantes:

Os inibidores de agregação plaquetária (anticoagulantes) param a deposição de plaquetas sanguíneas e impedem assim a formação de coágulos sanguíneos (tromboses). O ácido acetilsalicílico (ASA) é normalmente usado como ingrediente ativo.

Os efeitos secundários mais comuns incluem hipersensibilidade ao ingrediente activo, um aumento do risco de úlceras e hemorragias estomacais, e ataques de asma podem ocorrer com maior frequência nos asmáticos. Se houver uma intolerância, a substância ativa clopidogrel pode ser usada.

Beta-bloqueadores:

Os beta-bloqueadores têm o efeito de baixar a pressão arterial. Eles diminuem o ritmo cardíaco, reduzem a demanda de oxigênio do coração e, assim, levam a um alívio do coração. Após um infarto do miocárdio ou em insuficiência cardíaca, ficou demonstrado que os beta-bloqueadores reduzem o risco de morte. Os beta-bloqueadores também podem ser benéficos para pacientes hipertensos.

Os principais efeitos secundários incluem: Dor de cabeça, boca seca, tonturas, ritmo cardíaco lento, tensão arterial baixa, distúrbios do sono com pesadelos, arritmias cardíacas. As crises de asma podem ocorrer com maior frequência nos asmáticos.

Drogas para baixar o colesterol:

As estatinas causam uma diminuição dos níveis de colesterol e, portanto, levam a uma progressão mais lenta da arteriosclerose. Os pacientes que têm níveis normais de lipídios no sangue também se beneficiam da sua ingestão.

Os principais efeitos secundários são constipação, flatulência, náuseas, dores musculares, erupção cutânea combinada com prurido. É necessário um cuidado especial quando as estatinas são tomadas em conjunto com outros medicamentos para reduzir os lípidos no sangue (por exemplo, fibratos ou derivados do ácido nicotínico). Neste caso, podem ocorrer efeitos secundários graves.

  • Medicamentos que combatem os sintomas de CHD

Nitratos:

Os nitratos causam a dilatação dos vasos sanguíneos do coração, resultando em um melhor suprimento de oxigênio. Além disso, os vasos sanguíneos em todo o corpo dilatam. Por esta razão, o sangue flui de volta para o coração mais lentamente. Como resultado, o coração não tem que bombear tanto e precisa de menos oxigênio.

A eficácia dos nitratos é particularmente rápida, razão pela qual são preferidos como medicação de emergência para ataques agudos de angina de peito.

Deve ser tomado especial cuidado para garantir que os nitratos nunca sejam usados em combinação com drogas para impotência (inibidores de fosfodiesterase 5). Se isso acontecer, pode levar a uma queda na pressão sanguínea com risco de vida.

Os efeitos secundários mais conhecidos são dores de cabeça, rubor, vermelhidão da pele, náuseas e vómitos, queda severa da pressão sanguínea, erupção cutânea com prurido.

  • Outras opções de tratamento

Inibidores da ECA:

Os inibidores da ECA aliviam o coração, dilatando os vasos sanguíneos e baixando a pressão arterial. Os pacientes que têm insuficiência cardíaca ou pressão arterial elevada têm um melhor prognóstico ao tomar inibidores da ECA.

O efeito colateral mais comum é a tosse irritável.

Bloqueadores Angiotensin I:

Estes são utilizados principalmente quando há uma intolerância aos inibidores da ECA.

Os efeitos secundários que podem ocorrer incluem dor de cabeça, fadiga, dor abdominal, náuseas e diarreia, tonturas, tosse.

Bloqueadores dos canais de cálcio:

Tal como os inibidores da ECA, também provocam a dilatação dos vasos sanguíneos, baixando a pressão arterial e, consequentemente, aliviando o coração.

Se o paciente não puder tolerar bloqueadores beta, os bloqueadores dos canais de cálcio devem ser dados como segunda escolha. Os efeitos secundários incluem dor de cabeça, queda severa da pressão arterial, retenção de água na zona do tornozelo (edema), arritmia cardíaca, erupção cutânea com prurido.

Catéteres e operações:

Se a medicação não tiver o efeito desejado e os sintomas persistirem, também pode ser considerada uma dilatação dos vasos coronários (PTCA) ou uma operação de bypass. Para evitar que a área dilatada volte a estreitar-se, é inserido um stent.

Estes métodos também devem ser utilizados se vários vasos coronários forem afectados ou o estreitamento for localizado no início de um grande vaso. O método utilizado depende do indivíduo. No entanto, os principais factores são os resultados, as doenças concomitantes e a idade.

O estilo de vida também desempenha um papel importante para o sucesso da terapia. Factores que contrariam um agravamento do CHD são:

  • Deixar de fumar
  • Se você está muito acima do peso, você deve tentar perder peso. Mesmo alguns quilos têm um efeito positivo.
  • Uma dieta saudável é essencial. Isto deve incluir muita fruta e legumes frescos, muito peixe, pouca carne e azeite como principal fonte de gordura (dieta mediterrânica).
  • É aconselhável a prática regular de exercícios. O ideal são pelo menos 15 minutos de exercício moderado três a sete vezes por semana. Não importa se é escolhido correr, nadar ou andar de bicicleta. Se houver falta de tempo, uma caminhada rápida também pode ser um substituto.
  • A medicação prescrita deve ser tomada regularmente, mesmo que se sinta de boa saúde.
  • Deve ser dada uma vacinação anual contra a gripe. A vacinação pneumocócica deve ser feita a cada cinco anos.

Os pacientes que sofrem de CHD devem fazer check-ups regulares com o médico (trimestrais a semestrais).

Se os níveis de colesterol no sangue forem diagnosticados como demasiado altos, estes valores também devem ser verificados regularmente.

Previsão

O prognóstico das CC depende do número de constrições nos vasos coronários e da localização dos mesmos. Depende também do estágio da doença e de quão longe ela progrediu.

Os seguintes fatores são importantes:

  • Doenças concomitantes como pressão alta, diabetes, doença hepática crônica, distúrbios circulatórios arteriais em outros órgãos (cérebro, rim, pernas), doença pulmonar obstrutiva crônica, doenças inflamatórias crônicas, fraqueza do músculo cardíaco e tumores malignos.
  • Extensão dos sintomas na presença de angina de peito
  • Ataque cardíaco ou ataques anteriores de angina de peito graves
  • Idade e sexo
  • Humor e estado de espírito: Situação de vida solitária, humor depressivo e retirada da vida normal têm um efeito negativo.

Normalmente os sintomas podem ser melhorados com medicamentos e, se necessário, pela remoção da constrição. Se a CHD for bem tratada, a maioria das pessoas com a doença pode levar uma vida livre de sintomas semelhantes aos das pessoas saudáveis.

A melhoria a longo prazo também depende de mudanças no estilo de vida. Isto inclui desistir da nicotina, fazer muito exercício, evitar o excesso de peso e comer uma dieta equilibrada. Além disso, a ingestão prescrita de medicamentos e os exames de controle nos intervalos prescritos devem ser levados em consideração.

Se a doença for diagnosticada apenas numa fase tardia ou se não for tratada suficientemente, a insuficiência cardíaca pode por vezes desenvolver-se, levando a um agravamento do prognóstico.

Prevenção

Os melhores métodos de prevenção de CHD já foram mencionados várias vezes no texto. Um estilo de vida saudável é essencial, o que inclui deixar de fumar, manter um peso saudável, exercício e rastreio.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.