Dizziness

Dizziness
Classificação Internacional (CID) R42
Sintomas Dizziness, Stargazing, Balançar
Possíveis causas mudanças psicológicas, Doenças do sistema cardiovascular, sensações estranhas, Doenças do órgão vestibular
Possíveis factores de risco Idade crescente

Noções básicas

A vertigem é uma queixa neurológica generalizada que pode surgir por uma variedade de razões. No primeiro plano das vertigens estão as queixas, tais como distúrbios de coordenação espacial e problemas de equilíbrio. Em muitos casos, outros sintomas como náuseas e vômitos, aumento da sudação, pulso acelerado e sensação de fraqueza também estão presentes. A tontura pode ser dividida em diferentes tipos. Basicamente, um ataque de vertigens agudas e de curta duração pode ser distinguido de uma vertigem constante. Cerca de 25% das pessoas sofrem de vertigens pelo menos uma vez na vida. A tontura ocorre com mais frequência em pessoas mais velhas.

Causas

O ouvido interno contém o chamado órgão vestibular (órgão de equilíbrio), que é responsável pelo sentido de equilíbrio, pela orientação do corpo no espaço e pela percepção da aceleração linear e rotacional. O órgão vestibular é composto por estruturas ósseas e mais macias. Basicamente, o órgão vestibular é composto por três ductos arqueados (arcuates), dois outpouchings (sacculus, utriculus) e um ducto (ductus endolymphaticus). Todas estas estruturas estão ligadas umas às outras e são preenchidas com o fluido do ouvido interno (endolinfa). Quando a posição da cabeça ou de todo o corpo muda, a endolinfa move-se em relação ao ouvido interno devido à sua inércia e excita as células sensoriais do órgão vestibular. Estes transmitem a excitação por meio de nervos para o cérebro, onde ocorre o processamento posterior.

Além do órgão vestibular, os olhos e receptores nas articulações e músculos também fornecem informações sobre a posição do corpo no espaço e, portanto, também são responsáveis pela orientação espacial. Se um destes órgãos sensoriais der os estímulos sensoriais errados, podem ocorrer tonturas.

Possíveis causas de tontura podem ser doenças do órgão vestibular, estímulos sensoriais desconhecidos, como em viagens em alto mar, e doenças do sistema cardiovascular. Há também uma forma de vertigem que pode ser causada por mudanças psicológicas.


Vertigem vestibular:


Darunter versteht man einen Schwindel, der durch Erkrankungen des Gleichgewichtsorgans verursacht wird. Der vestibuläre Schwindel kann in einen peripheren und zentralen Schwindel unterteilt werden. Bei Erkrankungen des Vestibularorgans oder des ableitenden Nervs bezeichnet man den Schwindel als peripher vestibulär. Sind jedoch Veränderungen des Gehirns beziehungsweise des Kleinhirns für den Schwindel verantwortlich, handelt es sich um einen zentralen vestibulären Schwindel. Meistens empfinden die Betroffenen beim vestibulären Schwindel einen Drehschwindel.

Vertigens posicionais paroxísticas benignas:


Diese Erkrankung ist für den Großteil der Schwindelbeschwerden verantwortlich. Hierbei kommt es zur Lösung von kleinsten Kristallen des Vestibularorgans, die sich in weiterer Folge in einem der Bogengänge ablagern und dort die Sinneszellen reizen. Bei Veränderung der Kopf- oder Körperhaltung werden die Kristalle bewegt und führen dadurch zu Schwindelattacken.

Neurite vestibularis:

Isto é uma inflamação do nervo que transporta a informação do ouvido interno para o cérebro. Embora esta seja a segunda causa mais comum de vertigens e, portanto, de relevância clínica, ainda não foi possível esclarecer como ocorre a inflamação. As pessoas afetadas sofrem de tonturas violentas e geralmente se sentem muito doentes. Os sintomas podem durar até quatro semanas, mas normalmente desaparecem completamente.

Vestibulopatia:

Isto refere-se a danos no órgão de equilíbrio. Além das vertigens, os doentes relatam que os objetos no ambiente se movem para cima e para baixo quando andam (oscilopsia), parecem embaçados e, portanto, não podem mais ser bem reconhecidos. A vertigem pode ser tanto uma vertigem oscilante como uma vertigem giratória, que pode durar de algumas horas a vários dias. As vestibulopatias podem desenvolver-se como resultado da toma de certos medicamentos (por exemplo, aminoglicosídeos, que pertencem ao grupo dos antibióticos), mas também como resultado da meningite. Em alguns casos, não é possível encontrar nenhuma causa para a doença.

Paroxismia vestibular:

Esta desordem caracteriza-se por ataques de vertigens de curta duração e recorrentes. Geralmente é uma vertigem que dura alguns minutos. Também é típico que a vertigem seja causada por certas posições da cabeça. A causa desta doença também ainda não foi esclarecida, mas assume-se que a tontura é causada por uma ligação incorrecta das vias nervosas.

A doença de Meniére:

Na doença de Meniére, por razões que não são totalmente compreendidas, há uma acumulação excessiva de endolinfa no ouvido interno, resultando nos chamados ataques de Meniére, que se caracterizam por uma súbita redução da capacidade auditiva, zumbido severo e vertigem rotativa.

Enxaqueca basilar:

Esta é uma forma especial de enxaqueca em que há ataques recorrentes de enxaqueca com tonturas, problemas visuais, dificuldade para andar e ficar de pé, e fortes dores de cabeça.

Stroke e TIA:

No contexto de um distúrbio circulatório do cerebelo, podem ocorrer sintomas como tonturas, náuseas e vómitos, bem como dificuldades de coordenação com a marcha e instabilidade de pé, distúrbios sensoriais e dificuldades de fala.

Neuroma acústico:

Trata-se de um tumor benigno do oitavo nervo craniano, que transmite informação sensorial do aparelho auditivo e vestibular para o cérebro. O tumor surge das células de Schwann alteradas, que são responsáveis pelo isolamento dos nervos.

Fractura do osso do petroso:

Acidentes ou quedas podem causar fraturas do osso petroso, um osso do crânio que envolve e protege o órgão vestibular. Como parte das fraturas, o ouvido interno pode ser ferido, o que pode levar a tonturas.

Epilepsia vestibular:

Isto se refere a uma forma especial de epilepsia na qual, além das convulsões, há também tonturas e movimentos involuntários e bruscos dos olhos. A tontura geralmente ocorre antes das crises epilépticas.

Kinetosis - enjoos de movimento:

Movimentos inabituais quando se viaja de navio, durante passeios rápidos de carro ou durante turbulências de avião podem fazer com que o órgão de equilíbrio fique excessivamente irritado. Como nenhum ponto fixo no ambiente pode ser fixado com os olhos ao ler num carro, no mar ou num avião, o cérebro não pode processar adequadamente os estímulos do órgão vestibular, o que leva às queixas de tonturas, assim como náuseas e vómitos.

Vertigem não-vestibular:

Esta forma de vertigem não é causada por doenças do órgão vestibular ou do processamento neurológico. Por exemplo, doenças do sistema cardiovascular, tais como alterações graves da pressão arterial (hipertensão, hipotensão), bem como arritmias cardíacas, podem levar a ataques de vertigens. Outras causas de tonturas podem ser a ingestão de medicamentos, abuso de drogas ou distúrbios metabólicos. Os estímulos comuns da vertigem não-vestibular são níveis baixos de açúcar no sangue (hipoglicemia) ou respiração acelerada (hiperventilação).

Somatoform vertigens:

Esta é uma forma de vertigem na qual nenhuma doença física pode ser detectada. Além da tontura, as pessoas afetadas geralmente relatam uma variedade de outras queixas, como falta de ar ou fadiga constante. Na maioria dos casos, uma mudança psicológica na pessoa afetada é a causa dos sintomas. Por exemplo, a depressão ou distúrbios de ansiedade podem causar esses sintomas sem que a pessoa afetada sequer reconheça a doença mental. É também muito típico que as pessoas afectadas visitem vários médicos sem nunca terem tido qualquer verdadeiro sucesso no tratamento.

Vertigem fóbica:

Este é o distúrbio de vertigem somatoforme mais comum. As pessoas entre 30 e 50 anos, em particular, sofrem de vertigens fóbicas. Os pacientes relatam vertigens severas, vertigens desconcertantes, instabilidade ao andar e ao ficar de pé, muitas vezes sentem-se tontos e têm um medo constante de cair. Os ataques de vertigem são despoletados principalmente por tensão psicológica e stress, pelo que mesmo caminhar em pontes ou mesmo subir escadas pode ser uma situação causal.

Diagnóstico

A fim de esclarecer as tonturas, às vezes pode ser necessário ser examinado por diferentes especialistas, pois diferentes órgãos e, portanto, áreas especializadas são responsáveis pelos sintomas. O exame é melhor realizado em centros especializados ou clínicas externas de tonturas. Se os sintomas forem muito graves, poderá ser necessária a internação no hospital.

Um papel importante no esclarecimento da vertigem é desempenhado pela entrevista com o paciente. Muitas vezes, um questionamento preciso dos sintomas e do curso da doença pode levar a um diagnóstico provisório. Isto é normalmente seguido por um exame físico e um ECG para descartar outras causas físicas.

Além disso, serão procurados sintomas neurológicos específicos:

  • Nistagmo: São movimentos involuntários, bruscos e rítmicos dos olhos que, em circunstâncias normais, servem para manter automaticamente os objectos em foco na retina mesmo quando a cabeça é movida. Nas pessoas que sofrem de vertigens, o nistagmo pode muitas vezes ser observado, mesmo em repouso, através dos chamados óculos Frenzel. Além disso, o nistagmo pode ser desencadeado por estimulação calórica ou por rotação repetida em uma cadeira giratória.
  • Teste de equilíbrio: Uma grande variedade de testes pode ser usada para verificar o sistema de equilíbrio para o funcionamento adequado.
  • Teste de coordenação: No teste do dedo do nariz, por exemplo, o paciente tem de mover o dedo indicador num arco grande com os olhos fechados para a ponta do nariz. Se forem encontradas alterações através deste exame, podem ser efectuados métodos de exame suplementares. Por exemplo, um teste de audição (audiometria), procedimentos de imagem como a TC ou a RM podem ser usados para esclarecer a vertigem. Em alguns casos, um exame usando um dispositivo de ultra-som ou um EEG (eletroencefalograma) também pode ser útil.

Terapia

A tontura pode tornar-se uma carga fatal, uma vez que são possíveis consequências como o risco de queda ou consequências psicológicas. Se os episódios de tonturas se repetirem, uma visita a um especialista é significativa para poder excluir doenças subjacentes, como um ataque de sono ou vários tumores. Uma visita ao médico é especialmente recomendada se a tontura for acompanhada de fortes dores de cabeça ou problemas de coordenação ou se durar um período de tempo mais longo.

Dependendo da causa, as tonturas podem então ser tratadas. Dependendo do tipo de ataque (agudo ou crónico) e da presença de sintomas que o acompanham, como a deficiência visual, são oferecidas diferentes terapias para tratar tonturas (medidas físicas ou psicossomáticas).

Medicamentos:

As antivertiginosa são usadas para melhorar os sintomas de vertigem (não a doença subjacente). Estes são usados especialmente para vertigens agudas e graves. Para ataques agudos e enjoos de movimento, também podem ser usados anti-histamínicos. No período sem convulsões, o beta-histino (promove o fluxo sanguíneo no ouvido interno e no cérebro) pode ser usado na doença de Meniere (ou seja, doença do ouvido interno) para influenciar positivamente a frequência e a gravidade das convulsões. Os medicamentos prescritos para ataques de vertigem variam dependendo do tipo de ataque ou sintomas acompanhantes, como náuseas e vómitos.

Exercício físico:

Uma vez que o exercício físico pode geralmente ter um efeito positivo nos ataques de vertigens, também podem ser utilizados tratamentos de fisioterapia. Isto envolve enfatizar o órgão de equilíbrio, fazendo certos movimentos que causam instabilidade de marcha na pessoa afetada, encorajando assim movimentos corretivos naturais. Exercícios físicos como o treino posicional ou a manobra de libertação de Epley ou Sémont são utilizados em terapia para acelerar o tempo de cicatrização, especialmente para vertigens permanentes e vertigens posicionais benignas. Na manobra de libertação, as vertigens posicionais que provocam a otoconia (ou seja, "pedras" no órgão vestibular que proporcionam equilíbrio) são deslocadas de volta ao seu local de origem.

Psicoterapia:

Métodos psicoterapêuticos, como a terapia comportamental, podem ser usados para vertigens psicologicamente induzidas. Os medicamentos podem ser usados como tratamento de apoio em casos graves.

Cirurgia:

Apenas em casos particularmente graves, como os pacientes de Meniere com vertigens altamente repetitivas ou vertigens que ocorrem durante um período de tempo muito longo com funções auditivas significativamente limitadas, os médicos podem considerar a cirurgia. Neste caso, o órgão de equilíbrio afectado é tornado não funcional, por exemplo, através da injecção de medicamentos (por exemplo, gentamicina). Hoje em dia, no entanto, tais tratamentos são a excepção várias vezes.

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.