Doença de Crohn (inflamação crônica do intestino)

Doença de Crohn (inflamação crônica do intestino)

Noções básicas

A doença de Crohn (M. Crohn) é uma inflamação crônica de todas as camadas do intestino, que tem um curso recidivante. Os sintomas característicos são dor abdominal no abdómen inferior direito, semelhante à apendicite, em combinação com diarreia sem sangue.

Em cerca de 30 por cento dos pacientes, apenas a última parte do intestino delgado (ilíleo) é afectada, e em cerca de 25 por cento apenas o intestino grosso (cólon). Aproximadamente 45% dos pacientes sofrem de uma infestação de ambas as partes do intestino. No entanto, outras partes de todo o tracto gastrointestinal podem ser igualmente afectadas.

A doença de Crohn tem uma certa semelhança com a colite ulcerosa (inflamação crônica do cólon). No entanto, esta doença afecta apenas o intestino grosso. Ambas as doenças pertencem ao grupo das doenças inflamatórias crónicas do intestino (DII).

Na maioria dos casos, a doença aparece pela primeira vez entre os 15 e 34 anos de idade. Homens e mulheres são afectados com igual frequência, mas as crianças são muito raramente afectadas. Na Alemanha, há cerca de cinco novos casos por 100.000 habitantes por ano. Ainda não existe uma cura completa para a doença de Crohn; existe apenas a possibilidade de aliviar os sintomas.

Causas

As causas da doença de Crohn ainda são desconhecidas. No entanto, assume-se que uma combinação de factores hereditários, infecciosos, psicológicos, mas principalmente imunológicos, desempenha um papel:

  • Alguns fatores hereditários já foram pesquisados que aumentam o risco para a doença.
  • Os factores ambientais decisivos são ainda largamente desconhecidos. No entanto, suspeita-se que o fumo tem um efeito negativo sobre o risco de desenvolvimento da doença.
  • O estresse psicossocial, combinado com a predisposição, também pode ter um papel no desenvolvimento da doença. Além disso, o stress pode fazer com que a inflamação se reacenda nos pacientes.

Sintomas

Na doença de Crohn, todas as camadas da parede intestinal são afetadas por inflamação nas seções do intestino afetadas pela doença. No entanto, pode sempre haver secções saudáveis entre as áreas inflamadas. Se as áreas inflamadas cicatrizes cicatrizarem, permanecem cicatrizes que levam a um estreitamento do intestino. Estas regiões estreitas podem resultar em obstrução intestinal.

Além disso, a doença de Crohn pode levar à formação de acumulações encapsuladas de pus (abcessos), assim como falsos condutos de conexão (fístulas) aos tecidos ou órgãos vizinhos (tais como outros cortes intestinais, bexiga, pele abdominal). As seções inflamadas não podem mais reabsorver totalmente os componentes dos alimentos.

Dependendo do grau de propagação no intestino, aparecem sintomas muito diferentes. Muitos pacientes apresentam poucos sintomas durante anos, e é por isso que a doença só é descoberta muito tarde.

Muitas vezes, o primeiro sintoma são as fístulas na zona do ânus. Diarreia, dor abdominal e perda de peso durante um período superior a seis semanas são também um sinal de alarme e uma indicação da doença. Além disso, pode haver abscessos recorrentes no abdômen e intestinos, o que indica a doença de Crohn.

Deve ser dada atenção aos seguintes sinais:

  • Diarreia que dura mais de seis semanas (três a seis vezes por dia), geralmente sem sangue envolvido.
  • Dor na parte inferior direita do abdómen, semelhante à apendicite
  • Febre moderada
  • Perda de apetite e de peso
  • Sensação geral de doença

Além disso, por vezes existem queixas que não afectam o tracto digestivo (manifestações extraintestinais). Estas incluem, por exemplo, inflamação das articulações, alterações da pele como o eritema nodoso (espessamento inflamatório nodular da pele) ou feridas na mucosa oral (afta), inflamação ocular (como uveíte, ceratite), osteoporose e inflamação do fígado.

A doença de Crohn ou tem um curso crônico, ou seja, sintomas que duram mais de seis meses, ou progride em recidivas. No decurso da recaída da doença, os sintomas por vezes desaparecem completamente, mas reaparecem após um certo tempo. A probabilidade de um novo surto da doença é de cerca de 30% ao fim de um ano e até 70% ao fim de dois anos.

Diagnóstico

O diagnóstico começa com uma história médica detalhada, um histórico familiar e um exame físico. Durante o exame físico, o médico verifica, entre outras coisas, se existe uma dor na pressão no abdómen. Ele também examina a cavidade oral e o ânus do paciente para ver se há algum sinal característico da doença.

Um método bem adequado para o diagnóstico é a colonoscopia (ileocolonoscopia). No decorrer deste exame, o médico retira simultaneamente uma amostra de tecido (biópsia) do segmento intestinal suspeito. Esta amostra é examinada em laboratório para possíveis inflamações, sua natureza e distribuição. Além disso, podem ser detectadas fístulas ou estenoses intestinais. O estômago (gastroscopia) e o duodeno também devem ser examinados.

Um exame ultra-sonográfico da parede intestinal (sonografia) também é muito importante, tanto como um exame de rastreio como como um seguimento. Além disso, os exames de raio-X podem ser realizados com a ajuda de um meio de contraste.

As alterações no intestino delgado podem ser melhor detectadas com ressonância magnética (RM) e tomografia computadorizada (TC). Uma análise ao sangue pode ser usada para determinar o nível de CRP, que pode dar informações sobre uma inflamação. Também será feito um hemograma completo.

Terapia

A maioria dos pacientes que sofrem de doença de Crohn leve ou moderada pode ser tratada como pacientes ambulatoriais. Em alguns casos, no entanto, a hospitalização é inevitável.

Alguns valores laboratoriais podem ajudar na escolha da terapia. Por exemplo, o valor do CRP fornece informações sobre o curso da doença. Este valor também pode ser usado para avaliar o risco de recidiva. Se houver um processo inflamatório no corpo, a quantidade de proteína C reativa (PCR) no sangue aumenta. Além disso, o número e o estado dos glóbulos vermelhos (eritrócitos) são determinados a fim de detectar uma possível anemia.

A terapia de um surto de doença aguda é dividida em três fases, dependendo da gravidade do surto:

Baixa actividade:

A primeira opção é a terapia local com o corticosteróide (cortisona) budesonida (por dia como dose única ou três doses únicas distribuídas ao longo do dia).

Se a pessoa afectada não tiver quaisquer sintomas fora do tubo digestivo (manifestação extraintestinal), a terapia nutricional ou sintomática (por exemplo, com medicamentos para a dor, cólicas e diarreia) pode, por vezes, ser suficiente.

Atividade moderada:

Neste caso, são normalmente utilizadas preparações de budesonida ou de cortisona sistémica (eficaz em todo o corpo). Às vezes, a terapia nutricional também pode ajudar. Os antibióticos também são administrados se puder ser uma infecção bacteriana.

Alta actividade: Neste caso, normalmente são administrados preparados de cortisona e possivelmente outros medicamentos que ajudam a suprimir o sistema imunitário (como a azatioprina). Se estes medicamentos não tiverem o efeito desejado e a cirurgia não for possível, existe também a possibilidade de administrar anticorpos contra factores inflamatórios (anticorpos TNF).

Terapia na fase de repouso (manutenção de remissão):

A maioria dos pacientes experimenta uma alternância entre os episódios da doença e um período livre de sintomas (fase de remissão). O tratamento durante este período livre de sintomas não é absolutamente necessário. Fatores individuais, tais como o curso da doença, decidem se, quanto tempo e quais medicamentos são usados em tal terapia de manutenção da remissão.

Medicamentos:

Como as causas da doença são muitas vezes desconhecidas, apenas a inflamação pode ser combatida e os sintomas aliviados. A medicação também pode ser usada para prevenir uma possível recaída durante um certo período de tempo.

Os seguintes medicamentos são usados para a doença de Crohn:

  • 5-ASA: Mesalazina ou sulfassalazina desenvolvem o seu efeito especificamente no intestino delgado ou apenas no intestino grosso. Estes medicamentos são menos eficazes na doença de Crohn do que na colite ulcerativa, razão pela qual são administrados apenas em casos ligeiros.
  • Preparações de cortisona: A própria hormona cortisona do organismo tem um efeito anti-inflamatório e reduz a actividade do sistema imunitário. As preparações de cortisona sintetizadas quimicamente desempenham um papel importante durante um ataque agudo da doença de Crohn. Se os sintomas forem leves ou moderados, ou se o foco de inflamação estiver na parte inferior do cólon, estas preparações actuam directamente no local (como supositórios ou preparações de enema). Isto resulta em menos efeitos colaterais. Para sintomas mais graves, são preferidos comprimidos cujo princípio activo é distribuído por todo o corpo (sistémico).
  • Antibióticos: Antibióticos, como metronidazol ou ciprofloxacina, são usados principalmente quando há uma infecção bacteriana, além da inflamação intestinal, ou quando ameaça se desenvolver. A terapia é usada principalmente para fístulas. As fístulas são conexões recém-formadas entre o intestino e o tecido ou órgãos circundantes. O perigo dessas fístulas é que elas podem causar infecções por bactérias intestinais fora do intestino.
  • Medicamentos que suprimem o sistema imunitário (imunossupressores): São utilizados em casos graves da doença de Crohn. Se as preparações de cortisona não tiverem o efeito desejado, se os efeitos secundários forem demasiado graves ou se não puderem ser tomadas por qualquer outro motivo, são utilizados imunossupressores. Muito frequentemente, isto envolve a substância activa azatioprina.
  • Anticorpos TNF: Se a doença for muito grave, são utilizados medicamentos anti-inflamatórios com os princípios activos Infliximab ou Adalimumab (anticorpos TNF). O princípio ativo destas substâncias é que elas ligam substâncias mensageiras (citocinas) entre as células inflamatórias e assim evitam que a reação inflamatória se propague.

Intervenção cirúrgica:

Cerca de 70% das pessoas afetadas não são poupadas a uma operação nos primeiros quinze anos da doença. Este também pode ser o caso, apesar da terapia medicamentosa. Muitas vezes, operações repetidas também podem ser possíveis. Durante uma operação, as seguintes intervenções têm lugar:

  • O cirurgião expande áreas estreitas no intestino com a ajuda de um balão.
  • As fístulas são fechadas e os abcessos são cortados.
  • As secções do intestino que já estão fortemente afectadas pela inflamação são removidas. Este procedimento só é feito se já existirem complicações graves, como perfuração intestinal, peritonite ou obstrução intestinal.

Nutrição adequada:

A nutrição adequada desempenha um papel importante nos pacientes com doença de Crohn, embora não existam diretrizes gerais para isso. O melhor é obter aconselhamento do seu médico sobre como evitar deficiências em vitaminas, proteínas, ferro ou nutrientes. Durante um episódio agudo, uma dieta rica em fibras (comida de astronauta) frequentemente proporciona alívio. Os pacientes que sofrem de episódios particularmente graves recebem nutrição através de um gotejamento para trazer alívio aos intestinos irritados.

O que você mesmo pode fazer:

Se você já tem a doença de Crohn, você deve ficar atento a qualquer sinal que possa indicar um agravamento. Sangue nas fezes, dor nova ou diferente, e febre inexplicável podem ser esses sinais.

Durante um surto agudo da doença de Crohn, é importante dar descanso suficiente ao corpo. Entre recaídas, o trabalho normal pode ser feito.

Não há restrições na dieta. No entanto, deve-se ter cuidado para que não ocorram sintomas de deficiência devido ao intestino atacado. Isto pode ser conseguido com uma dieta saudável.

Se houver intolerâncias a certos alimentos, estas devem ser evitadas. Cerca de 30% dos pacientes não toleram lactose (intolerância à lactose). Se for este o caso, o leite e os produtos lácteos devem ser retirados da dieta. Outros pacientes com a doença de Crohn infelizmente sofrem de intolerância à frutose e devem, portanto, evitar a frutose.

Previsão

O prognóstico depende principalmente da extensão da doença. A doença de Crohn é uma doença que não pode ser curada. No entanto, os sintomas podem ser aliviados com a terapia apropriada. Além disso, muitas vezes podem ocorrer fases em que a pessoa afetada está completamente livre de sintomas.

A auto-observação próxima por parte do paciente e os check-ups regulares são essenciais para reconhecer e tratar sinais de um novo episódio da doença, bem como de possíveis complicações. Além disso, o tracto gastrointestinal deve ser examinado regularmente para detectar crescimento maligno.

Se forem tratados correctamente, os doentes com a doença de Crohn têm frequentemente a mesma esperança de vida que as pessoas saudáveis. No entanto, é importante consultar um especialista para ajustar a terapia.

Prevenção

Como o gatilho da doença de Crohn ainda é desconhecido, não é possível dizer qual a melhor forma de prevenir a doença. O tabagismo e o stress psicossocial são considerados factores de risco fiáveis que podem ser evitados.

Um estilo de vida saudável com sono suficiente, exercício regular e uma dieta saudável também pode ter um efeito positivo sobre os intervalos sem sintomas.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.