Doença maníaco-depressiva (transtorno afetivo bipolar)

Doença maníaco-depressiva (transtorno afetivo bipolar)
Classificação Internacional (CID) F31.-

Noções básicas

Descrição

Aqueles que são maníaco-depressivos oscilam entre ser "tão feliz" e "tão triste". As fases de depressão e mania se alternam. A gama de emoções inclui tudo o que é humanamente possível, desde a mais profunda solidão até à euforia.

Como o humor flutua entre dois pólos, o termo desordem afetiva bipolar é usado.

Quantos episódios são vividos varia de pessoa para pessoa. Entre dois episódios, os pacientes são completamente saudáveis e livres de sintomas.

Cerca de 1% da população é afectada por esta desordem, mulheres e homens em número sensivelmente igual.

O primeiro episódio geralmente ocorre entre os 20 e 30 anos de idade.

Causas

Factores hereditários foram identificados em estudos familiares e de gémeos. Até agora, uma combinação de vários genes e influências ambientais tem sido suspeita para o desenvolvimento da desordem afetiva bipolar.

Muitas indicações sugerem que a regulação e distribuição de neurotransmissores (substâncias mensageiras) no cérebro são perturbadas. O tratamento com medicamentos, portanto, tenta alcançar uma liberação controlada de, por exemplo, serotonina, noradrenalina ou dopamina.

As drogas também podem causar estados maníaco-depressivos. Estes incluem cortisona, metilfenidato, Parkinson e drogas para epilepsia. Drogas como álcool, maconha, cocaína ou LSD também podem ser ativadores.

De acordo com relatos de casos raros, os sintomas também ocorrem após lesões cerebrais.

Sintomas

Fase depressiva

  • Desânimo, desesperança
  • Apatia
  • (Perturbações do sono, especialmente na segunda metade da noite.
  • Perda de apetite e, portanto, de peso
  • Expressões faciais rígidas e gestos
  • Pensamentos suicidas

fase eufórica

  • Humor elevado
  • Aumento do acionamento e da energia
  • Redução da necessidade de dormir
  • Agressividade, irritabilidade
  • Aumento da percepção sensorial, alucinações
  • Impulsividade
  • Desinteresse, superestimação de si mesmo
  • Aumento da autoconfiança
  • Baixo limiar de inibição

Diagnóstico

Não há testes disponíveis para confirmar esta desordem. No entanto, o diagnóstico é feito, geralmente sem problemas, com base nas alterações de humor características. Informações como o histórico familiar podem ser muito úteis.

O médico faz um histórico médico detalhado, perguntando sobre doenças anteriores, provocando eventos e conflitos na família ou no trabalho.

Especialmente depois dos 40 anos de idade, devem seguir-se outros exames a fim de excluir doenças cerebrais ou metabólicas.

  • Exame neurológico
  • Teste de sangue (níveis de tiróide, fígado, rim, mineral, vitamina B12)
  • ECG (eletrocardiograma)
  • EEG (electroencefalograma)
  • MRT (imagem por ressonância magnética)

É essencial fornecer informações sobre todos os medicamentos tomados recentemente, uma vez que estes não podem ser descartados como estímulos.

Terapia

Além do tratamento adequado, a profilaxia da recidiva também é de grande importância.

Fase depressiva aguda

No caso de depressão leve, a terapia de conversa é geralmente suficiente. Este tratamento pode ser apoiado pela administração de antidepressivos, que podem ser divididos nos seguintes grupos:

  • inibidores selectivos da recaptação de serotonina
  • Inibidores de recaptação de norepinefrina
  • Antidepressivos tricíclicos e tetracíclicos
  • Inibidores da MAO (mono-amino oxidase)
  • Neurolépticos modernos

A escolha do medicamento certo depende da idade, peso, preferências pessoais e doenças concomitantes. A escolha do medicamento certo depende da idade, peso, preferências pessoais e doenças concomitantes. Em casos graves, especialmente em conjunção com pensamentos suicidas, a hospitalização pode ser benéfica.

fase maníaca

As fases eufóricas são geralmente tratadas com neurolépticos, sais de lítio ou ácido valórmico. No entanto, como os maníacos pronunciados não têm a percepção de um tratamento necessário, o tratamento numa instituição psiquiátrica torna-se muitas vezes necessário.

Terapia de longo prazo

Episódios maníacos ou depressivos podem ser evitados com a terapia de lítio de longa duração. Uma vez que a monitorização regular é muito importante nesta estratégia de tratamento, uma relação estreita de confiança e cooperação entre médico e paciente é um pré-requisito.

As terapias preventivas com antiepilépticos como carbamazepina, topiramato ou ácido valpróico são menos bem testadas ou comprovadas.

Uma vida regular também é muito importante, pois episódios maníacos também podem ser desencadeados por um sono insuficiente.

A psicoterapia de acompanhamento é altamente recomendada, mas tem de ser decidida individualmente.

Previsão

Com um tratamento consistente e a longo prazo, as fases depressivas e maníacas podem ser terminadas.

A medicação e os tratamentos psicoterapêuticos agora muito melhorados foram comprovados por estudos, assim como a redução dos efeitos secundários. Os pacientes podem concentrar-se melhor no seu trabalho e no seu ambiente social.

No entanto, a estreita cooperação entre paciente e médico continua a ser indispensável. Isto resulta em vantagens como o reconhecimento atempado de recaídas e um tratamento preciso a longo prazo.

Se o tratamento falhar, os indivíduos maníaco-depressivos são severamente restringidos na sua vida diária e profissional. Em comparação com indivíduos saudáveis, eles têm uma taxa de suicídio significativamente maior.

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.