Dor crônica

Dor crônica
Classificação Internacional (CID) R52.-

Noções básicas

A dor aguda (dor protetora) pode ser entendida como um sinal de alerta do corpo, que tem o propósito de relatar uma desordem física ao cérebro. A dor crônica, por outro lado, perdeu o seu verdadeiro propósito e existe independentemente. Isto acontece quando as células nervosas sinalizam dor ao cérebro que não tem causa aparente.

De acordo com a Liga Alemã da Dor, muitos milhões de pessoas são afectadas por dores agudas ou crónicas. Algumas das pessoas afetadas sofrem de dores tão complexas que apenas especialistas devem ser consultados, os chamados terapeutas médicos da dor. No entanto, os seus serviços de tratamento ainda estão em grande parte por utilizar.

Os especialistas distinguem entre três tipos básicos de sintomas de dor crônica:

  • Dor de projecção periférica (por exemplo, neuralgia do trigémeo, síndrome de Sudeck).
  • Dor central que se propaga do cérebro ou da medula espinal (por exemplo, dor contínua queimada após um AVC, "dor talâmica")
  • Dor de transferência (aquela dor que é projectada numa área específica da pele devido a danos nos órgãos, "zona da cabeça").

Causas

A dor crônica não é um dos estados naturais do corpo, mas acontece quando os impulsos nervosos se tornam independentes. Se uma célula nervosa der impulsos ao cérebro durante semanas, por exemplo após uma lesão, o seu metabolismo sofre uma alteração.

Se a dor durar pelo menos três a seis meses e levar a uma condição mental e física restrita no paciente, é chamada dor crônica.

A origem da dor crônica pode ser uma doença reumática, um disco escorregadio ou uma inflamação. Uma vez que esta dor cessa, a célula continua, no entanto, muitas vezes a enviar impulsos. Neste caso, fala-se de uma memória de dor treinada.

A transmissão do sinal alterado geralmente ocorre na medula espinhal. É aqui que a activação da memória da dor tem lugar. Uma vez que essa ativação tenha ocorrido, é difícil não experimentar estímulos agradáveis como calor, toque ou alongamento como dor. Isto pode ir tão longe que mesmo o stress mental, o medo ou a mera memória da picada e do puxão podem ter um efeito doloroso.

Para prevenir a ativação da memória dolorosa, a dor aguda deve ser levada a sério e tratada de forma oportuna. Esta é a única forma de evitar uma transição de dor aguda para crónica.

Sintomas

Se a dor persistir por um período de pelo menos três a seis meses e levar a um forte comprometimento da pessoa afetada, ela é chamada de dor crônica. Neste caso, a causa original da dor geralmente não está presente ou não pode ser eliminada. Além disso, certas influências ambientais, como o stress ou as mudanças climáticas, podem levar a um aumento da dor ou mesmo desencadeá-la.

As formas mais comuns de dor crônica incluem

  • Dor nas costas (por exemplo, depois de um disco escorregadio, síndrome de compressão da raiz nervosa)
  • Dores de cabeça (por exemplo, enxaquecas, dores de cabeça tensoras, dores de cabeça analgésicas, dores de cabeça em grupo)
  • Dor reumática (incluindo artrite, firbomialgia)
  • Neuralgia (por exemplo, neuralgia do trigémeo, herpes zóster)
  • Dor tumoral (principalmente com metástases ósseas)
  • Dor causada por processos degenerativos (dor degenerativa, por exemplo, osteoporose, artrose)
  • Dor fantasma (por exemplo, após amputações ou certos danos nos nervos (ruptura do plexo))

Diagnóstico

Cerca de 50 por cento das pessoas que sofrem de dor crónica consultam um médico. As muitas diferenças na forma da dor, assim como as diferentes origens da dor crônica, deixam claro que um diagnóstico detalhado é necessário para criar uma terapia multifacetada.

Normalmente, o médico que trata leva muito tempo para pessoas com dor crônica e leva um histórico de dor detalhado. A pessoa afetada deve manter um diário de dor. Isto ajuda o médico a encontrar a razão por detrás dos sintomas. Descobertas adicionais, como cartas de médicos mais velhos e radiografias, também podem ser úteis para o diagnóstico.

O médico também tenta descobrir possíveis fatores de estresse na situação atual da vida, pois estes têm uma grande influência na percepção atual da dor. Além disso, a intensidade da dor é avaliada pela própria pessoa afetada em uma escala (escala visual analógica).

Os seguintes exames podem ser utilizados:

  • Exame físico detalhado
  • Exame neurológico
  • Exame ortopédico
  • Possivelmente diagnósticos neurofisiológicos adicionais: electoneurografia (ENG) e electromiografia (EMG)
  • Métodos de exame de imagem, como ultra-som, tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM).

Terapia

A terapia é orientada para as muitas causas e fatores que agravam a doença. Isto é feito tanto com medicamentos como por meio de métodos complementares que incluem componentes físicos, psicológicos e sociais.

O objectivo da terapia da dor é, por um lado, interromper a condução da dor (medicinal) e, por outro lado, mudar a percepção da dor da pessoa (não medicamentosa).

Medicamentos:

A medicação constitui frequentemente a base de muitos tratamentos a longo prazo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a terapia da dor é dividida em três fases (esquema de fases da OMS):

  • Etapa I: Anti-inflamatórios não esteróides para dor leve.
  • Nível II: Opiáceos para dor moderada a severa
  • Nível III: Opiáceos para dor severa a muito severa

Muitas vezes, o tratamento começa com a retirada de tais medicamentos, conforme listados acima, que podem desempenhar um papel na cronicidade da dor crônica. Um exemplo é a dor de cabeça induzida por drogas, que se desenvolve quando os doentes usam analgésicos durante mais de dez dias por mês. Podem ser administrados medicamentos suplementares para algumas formas de dor, tais como anticonvulsivos para cólicas. Alguns antidepressivos por vezes têm um efeito aliviador da dor muito bom como efeito secundário positivo.

Além disso, os medicamentos do grupo dos anti-epilépticos também podem ser usados contra a dor contínua. Isto é especialmente verdadeiro para a dor nervosa (neuralgia), onde agentes como carbamezepina, oxcarbamezepina, oxcarbazepina, gabapentina ou pré-gabalina provaram ter um efeito claramente positivo.

Outras terapias:

Dependendo da forma de dor, há outras formas de terapia a escolher, além da psicoterapia e da medicação:

  • Acupunctura
  • Terapia do exercício
  • Terapia comportamental, tal como treino de gestão de stress ou biofeedback
  • fisioterapia e terapia manual para fortalecer ou aliviar grupos musculares
  • A estimulação elétrica transcutânea do nervo (TENS) pode ser usada para estimular estruturas nervosas através da aplicação de impulsos elétricos na pele.
  • Treinamento autógeno
  • Bloqueios nervosos, por exemplo, bloqueio nervoso simpático através da administração de guanetidina
  • Bombas de dor, que são implantadas e fornecem continuamente substâncias activas para o alívio da dor.
  • Anestesia local ou regional, por exemplo, com cateteres peridurais
  • Operações de alívio, por exemplo, para a síndrome do túnel do carpo
  • Cirurgia paliativa para reduzir a dor em casos de câncer que não podem ser curados

Estilo de vida:

Por vezes, métodos simples, como uma mudança na dieta ou uma mudança de emprego, podem ter um efeito positivo na dor.

Algumas terapias da dor só podem ser feitas em regime de internamento ou ambulatório em uma clínica ambulatorial da dor. Diferentes especialistas trabalham juntos aqui, tais como anestesistas, psicoterapeutas, cirurgiões, ortopedistas e neurologistas.

A fim de ter uma ideia do curso e do sucesso, os pacientes são encorajados a continuar a manter em casa questionários sobre dor, diários de dor e documentos de progresso.

Previsão

Um grande problema para os pacientes com dores crónicas é a falta de cuidados especializados. Como resultado, muitos doentes sofrem mais do que o necessário com a dor, porque não são prestados cuidados individuais.

As pessoas que sofrem de dor crônica devem levar a sério os seguintes pontos:

  • Um especialista especialmente treinado em dor deve ser consultado.
  • A medicação deve ser tomada conforme prescrito e não apenas conforme necessário para prevenir a recorrência da dor.
  • O auto-monitoramento é importante, especialmente nas situações em que a dor melhora ou piora.
  • O exercício de qualquer forma é importante. Isto pode ser jogging, caminhada ou natação. A atividade física regular fortalece o corpo e a psique e assim ajuda a aliviar a dor.