Dores do frio (Herpes labialis)

Dores do frio (Herpes labialis)

Noções básicas

O herpes labial, também conhecido como feridas ou bolhas de febre, é uma doença viral generalizada causada pelo vírus do herpes simplex tipo 1 (HSV tipo 1). O vírus manifesta-se sob a forma de pequenas bolhas chorosas nos lábios, que muitas vezes podem ser sensíveis, dolorosas ou que provocam comichão.

Normalmente, o herpes labial passa por si mesmo depois de algum tempo. No entanto, ainda há o risco de um novo surto.

Existem dois tipos de vírus do herpes simplex (HSV):

  • HSV tipo 1 é o tipo mais comum. Como regra, este tipo de vírus ocorre apenas na boca e nos lábios (herpes labial).
  • O HSV tipo 2 é limitado principalmente aos órgãos genitais (herpes genital).

Ambos os tipos de vírus podem propagar-se à pele, membranas mucosas, sistema nervoso e órgãos internos (raramente). A infecção é generalizada, mas só nos casos mais raros é que se verifica um curso grave da doença.

Entre os adultos, mais de 95 por cento transportam o vírus tipo 1; o HSV tipo 2 é transportado por 10 a 30 por cento. No entanto, estes números não nos dizem quantas pessoas têm realmente um surto de feridas frias. Também pode acontecer frequentemente que o vírus seja completamente assintomático. A maioria das pessoas fica infectada com HSV 1 durante a infância; com HSV2, a infecção geralmente ocorre após a puberdade.

Causas

O agente causador do herpes labial é o vírus do herpes simplex tipo 1 (HSV tipo 1). O vírus é transmitido de pessoa a pessoa de várias maneiras:

  • Infecção por gotículas, como ao tossir, espirrar e falar.
  • Contato direto, por exemplo, ao beijar
  • Infecção por difamação, por exemplo, ao partilhar um copo de bebida.

O primeiro contacto com HSV tipo 1 ocorre geralmente na infância entre os três e os cinco anos de idade. O período de incubação é de cerca de dois a doze dias. Em geral, apenas um por cento dos casos pode ser esperado que apresente sintomas típicos da doença. O resto das infecções têm um curso assintomático ou discreto.

Se ocorrer herpes labial, as células atacam a camada mais alta da pele, onde se desenvolvem bolhas de lágrimas. A partir da epiderme, os vírus viajam ao longo das vias nervosas até às raízes nervosas (gânglios). Neste momento, o vírus permanece em estado inativo e espera até que o sistema imunológico esteja enfraquecido. Quando este estado ocorre, o vírus irrompe novamente ao longo das vias nervosas até à superfície da pele onde volta a formar bolhas (reactivação).

Os seguintes factores podem desencadear uma reactivação das feridas de frio:

  • Doenças infecciosas que são acompanhadas de febre (herpes febrilis).
  • Radiação UV (herpes solaris)
  • Factores hormonais (por exemplo, gravidez) e psicológicos (por exemplo, stress)
  • Deficiência imunológica (por exemplo, devido a certos medicamentos ou infecção pelo HIV)
  • Lesões Cerca de 75% de todas as pessoas sofrem da ocorrência recorrente de herpes labial.

Sintomas

Se o primeiro contato com herpes labial ocorre na infância, a infecção muitas vezes transcorre sem sintomas. No entanto, o herpes labial também pode ocorrer na forma de tordo oral (gingivostomatite herpética). As características aqui são:

  • Erupção bucal com bolhas muito dolorosas
  • Febre
  • Inchaço dos gânglios linfáticos
  • Sensação geral de doença

Se estes sintomas desaparecerem, o vírus pode reaparecer mais tarde e causar herpes labial. Os primeiros sintomas são prurido e uma sensação de aperto na zona afectada da pele. Em casos raros, a dor também pode ocorrer. Aparecem então pequenas bolhas de choro, principalmente nos lábios e ao redor da boca. No entanto, também podem ocorrer no resto da pele facial, de preferência nas bochechas, narinas e lóbulos das orelhas. As infecções virais dos olhos também não podem ser descartadas.

Como regra, as bolhas desaparecem após oito a dez dias, deixando para trás uma crosta.

Diagnóstico

O médico pode facilmente diagnosticar o herpes labial com base no histórico médico do paciente e na aparência típica das bolhas.

Se ainda houver dúvidas, um teste de esfregaço pode dar certeza, detectando o antígeno.

Para determinar os anticorpos correspondentes, o médico tira uma amostra de sangue. Contudo, isto só faz sentido no caso de uma primeira infecção com vírus do herpes, uma vez que 95% de todos os adultos já desenvolveram anticorpos contra o vírus.

Terapia

O tratamento médico do herpes labial só é necessário se os sintomas forem muito graves. Apenas os sintomas podem ser tratados, mas não a causa.

A terapia local é realizada na forma de aditivos desinfetantes com os quais as bolhas são escovadas. As pomadas antivirais, que impedem que os vírus se multipliquem, servem ao mesmo propósito. No entanto, estas pomadas só são eficazes se forem aplicadas dentro de dois a três dias após o aparecimento dos primeiros sintomas.

Se o curso do herpes labial for grave ou se houver complicações, podem ter de ser administrados comprimidos antivirais (virustáticos) ou injecções. Se a pessoa afectada sofrer de febre ou outros sintomas acompanhantes, deve ser consultado um médico. Além do tratamento do herpes labial, também devem ser descartadas possíveis doenças concomitantes.

Previsão

Normalmente, não resultam mais complicações do herpes labial. As bolhas desaparecem em poucos dias sem deixar cicatrizes.

O curso da doença é diferente em pessoas com o sistema imunológico enfraquecido (por exemplo, após a quimioterapia ou em pacientes com HIV). Se a terapia for iniciada em uma fase inicial, há uma melhor chance de um processo de cura positivo.

Herpes labialis pode causar as seguintes complicações:

  • Herpes labial na sua forma mais grave com infestação de órgãos (por exemplo, pneumonia).
  • Os olhos também podem ser afectados pelo vírus. A infecção da córnea (herpes córneo) pode levar a deficiência visual.
  • Perturbação dos nervos faciais, o que pode levar à paralisia (geralmente temporária) (paresia facial).
  • Meningite, bem como inflamação do cérebro (encefalite), que pode eventualmente ter um curso de risco de vida.
  • As crianças podem sofrer de um surto muito grave de herpes se a pele já estiver afectada por eczema (como a neurodermatite).
  • Infecções provocadas por bactérias (superinfecção bacteriana): Neste caso, devem ser utilizados medicamentos contra o vírus e bactérias (por exemplo, antibióticos).
  • Inflamações mal cicatrizantes da pele e da mucosa, que podem resultar em morte dos tecidos, bem como conjuntivite grave dos olhos e outros cursos graves de doença em pacientes com HIV.

Prevenção

Um sistema imunitário intacto é crucial para prevenir o herpes labial. Isto pode ser reforçado por um estilo de vida saudável, dieta equilibrada, exercício físico e sono suficiente.

Estas medidas contribuem para a prevenção do herpes labial ou da sua (re)ocorrência:

  • Quando expostos à luz solar forte (como o sol glaciar), devem ser aplicados cremes com alto fator de proteção solar nos lábios e ao redor da boca. As chamadas pastas protetoras solares têm um efeito particularmente alto.
  • O risco de infecção deve ser mantido tão baixo quanto possível, não tocando as bolhas com as mãos. Isto também irá impedir a transmissão para outras partes do corpo.
  • É recomendada a lavagem regular das mãos. Isto é especialmente verdade se você entrou em contato com bolhas.
  • O contacto com bebés deve ser evitado, se possível, uma vez que a infecção com os vírus pode levar a encefalite.

Se o risco de infecção for particularmente elevado para algumas pessoas que ainda não entraram em contacto com o vírus, existe a possibilidade de uma vacinação indicativa. Isto é particularmente aconselhável para mulheres em idade fértil, pacientes com tumores e pessoal médico.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.