Embolia pulmonar (coágulo de sangue nos pulmões)

Embolia pulmonar (coágulo de sangue nos pulmões)

Noções básicas

Descrição

Se um coágulo de sangue (trombose) se soltar e for transportado pela corrente sanguínea, pode voltar a fixar-se em outros vasos sanguíneos. Isto leva a uma embolia.

Se o ponto final é uma das artérias pulmonares, é chamada de embolia pulmonar.

A parte do tecido pulmonar que normalmente é fornecida por esta artéria recebe muito poucos nutrientes e sangue como resultado.

As embolias pulmonares são muito comuns e ocorrem em cerca de 1-2% de todos os pacientes tratados no hospital. Em muitos casos, no entanto, eles correm sem sintomas e, portanto, passam despercebidos.

Os coágulos de sangue que os causam geralmente se formam na metade inferior do corpo, por exemplo, nas grandes veias pélvicas ou das pernas.

Causas

A probabilidade de trombose venosa é aumentada por uma variedade de doenças (pré), mas também por intervenções cirúrgicas.

As tromboses são frequentemente desencadeadas por um aumento da pressão na cavidade abdominal. Mesmo durante actividades pouco visíveis, como a pressão no WC, uma trombose pode ser libertada e subsequentemente alojar-se nos pulmões.

Fatores de risco:

  • Alteração da coagulação sanguínea
  • Inactividade, longos períodos de sentado (por exemplo, trombose de viagem)
  • Intervenções cirúrgicas (especialmente no abdómen, quadril ou joelho)
  • Lesões (por exemplo, ossos partidos)
  • Acamados (os mais velhos e aqueles que acabaram de ser operados devem sair da cama e se movimentar o mais rápido possível).
  • Acima do peso
  • Gravidez
  • Contraceptivos hormonais (pílula; especialmente combinada com o uso de tabaco)
  • Câncer (maligno)
  • Insuficiência cardíaca
  • Stroke

Sintomas

Os sintomas de uma embolia pulmonar dependem do tamanho do coágulo. As pequenas embolias geralmente não são detectadas, pois raramente causam mais do que uma tosse curta.

Embolias maiores, por outro lado, de repente causam os seguintes sintomas:

  • Dor no peito, especialmente ao inspirar
  • Tosse (também sangrenta)
  • Transpiração
  • Medo, ansiedade, inquietude
  • Veias do pescoço bloqueadas
  • Taquicardia (aumento da frequência de pulso)
  • Cianose (descoloração azulada da pele e das mucosas devido à falta de oxigénio)
  • Síncope (perda súbita de consciência)

Se o coágulo de sangue for dissolvido e lavado em etapas, os sintomas são os mesmos.

Diagnóstico

No início, o médico assistente faz um historial médico. Ele pergunta sobre queixas e doenças anteriores, seguido de um exame físico.

Os seguintes métodos podem ser usados:

  • ECG (electrocardiografia)
  • Análise dos gases sanguíneos
  • Amostragem de sangue (para detectar os chamados D-dimers, um indicador de trombose)
  • Ecocardiografia (ultra-som do coração)
  • TC pulmonar (tomografia computadorizada) com meio de contraste
  • Cintilografia pulmonar (ventilação e verificação do fluxo sanguíneo)
  • Angiografia pulmonar (imagens de contraste dos vasos pulmonares)
  • Dopplersonografia (ultra-som das veias das pernas e imagens de contraste para encontrar trombose)

Terapia

Embolia pulmonar aguda

  • Descanso de cama
  • Controlo da dor
  • Administração de oxigénio
  • Anticoagulação com heparina (para evitar o crescimento e a formação de novos coágulos)
  • Terapia de lise (para dissolver coágulos)
  • Remoção cirúrgica do coágulo (raro)

Após o tratamento agudo, a terapia é frequentemente continuada com comprimidos (por exemplo, antagonistas de vitamina K) ou injeções (heparina) até que não haja mais fatores de risco. O tratamento vitalício também não está excluído.

Se, apesar do tratamento com medicamentos, continuarem a formar-se tromboses, que também podem causar embolias pulmonares, existe a possibilidade de inserir uma tela de veia cava (semelhante a uma peneira) na veia cava. Isto evita então que um coágulo seja expelido para os pulmões.

Previsão

Após uma embolia pulmonar ter sido curada, a doença subjacente deve ser encontrada e tratada para prevenir novas tromboses.

Cerca de 17% das pessoas afectadas sofrem uma recaída. Mais raramente, pode ocorrer hipertensão pulmonar crônica, ou hipertensão pulmonar.

3-4% sucumbem à embolia pulmonar.

Possíveis complicações:

  • Pleurtis (inflamação da pleura)
  • Infarto pulmonar (morte da área afetada do pulmão) e tosse sangrenta.
  • Pneumonia (inflamação dos pulmões)
  • Insuficiência cardíaca direita

Prevenção

O risco de embolia pulmonar pode ser influenciado pelo tratamento da doença subjacente e por vários factores de risco.

  • Pós-operatório: mobilização o mais rápido possível, fisioterapia.
  • Acamado e imobilidade: medicação anticoagulante
  • Viagens longas: movimento regular dos pés, por exemplo, em círculos ou balanços.
  • Tendência para a trombose: Ligaduras ou meias de compressão
  • Evite repouso absoluto na cama
  • Evitar os contraceptivos hormonais (os que contêm estrogénios)

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.