Encefalite (inflamação do cérebro)

Encefalite (inflamação do cérebro)

Noções básicas

A encefalite é uma inflamação do cérebro. Na maioria dos casos, ela é desencadeada por uma infecção viral. Se não só o cérebro em si, mas também as meninges são afectadas, a isto se chama meningoencefalite.

Há também a possibilidade de inflamação não infecciosa do cérebro, como a encefalomielite aguda disseminada não febril (ADEM). Isto é provavelmente causado por uma reacção defeituosa do sistema imunitário do corpo. As inflamações cerebrais devem ser distinguidas da meningite pura.

Causas

A encefalite é geralmente desencadeada por uma infecção viral. É feita uma distinção entre duas formas:

  • Na forma primária, os vírus causam diretamente a inflamação do cérebro.
  • Na forma parainfecciosa, o próprio sistema imunitário do corpo fica fora de controlo e ataca o próprio cérebro (reacção auto-imune). Esta reação defeituosa baseia-se no fato de que anticorpos contra componentes celulares do cérebro (auto-anticorpos) foram formados durante uma inflamação, como resultado do qual o sistema imunológico agora ataca as próprias estruturas do corpo no cérebro.

A inflamação do cérebro pode ser desencadeada pelos seguintes vírus, entre outros:

  • Vírus do sarampo
  • Vírus do herpes
  • Vírus da papeira
  • vírus Epstein-Barr
  • Vírus da gripe
  • Varicella zoster virus
  • Vírus TBE (vírus da meningoencefalite do início do verão, que pode ser transmitido por uma picada de carrapato).

Além disso, bactérias (por exemplo, borrelia ou tuberculose), fungos, parasitas, protozoários (tripanossomas) ou certas doenças auto-imunes também podem levar à encefalite.

Crianças, jovens adultos e pessoas com o sistema imunológico enfraquecido (por exemplo, devido a uma infecção pelo HIV ou terapia imunossupressora) têm um risco maior de contrair encefalite.

Sintomas

Os sintomas da encefalite são fortemente dependentes dos respectivos desencadeadores da inflamação, uma vez que muitos agentes patogénicos apenas afectam determinadas regiões do cérebro. Os sintomas variam de acordo com a região do cérebro afectado.

A encefalite viral começa com sintomas gerais semelhantes aos da gripe, como fadiga, dor de cabeça, febre e náuseas. À medida que a doença progride, diferentes sintomas específicos se tornam perceptíveis, além da febre alta:

  • Diminuição súbita da capacidade de concentração e da memória
  • inconsciência, confusão
  • Alterações comportamentais, tais como mudanças de humor, delírios persecutórios, alucinações ou desorientação
  • Déficits neurológicos, por exemplo, perturbações da fala ou paralisia das extremidades individuais ou dos músculos dos olhos
  • Se as meninges também estiverem irritadas, rigidez e dor no pescoço e nas costas (sinais de meningismo).
  • Ataques epilépticos

Diagnóstico

Para diagnosticar uma encefalite, os sintomas e a história médica são primeiro tomados em uma consulta médica (anamnese). Detalhes tais como doenças gerais anteriores, infecções virais ou picadas de carrapatos são particularmente importantes. As recentes viagens de férias e o contacto com animais da quinta ou outras pessoas com encefalite também são importantes. Se necessário, é feita uma tentativa adicional para obter uma segunda descrição de um familiar ou amigo do paciente, uma vez que as pessoas com encefalite são frequentemente limitadas em seu pensamento, percepção e capacidade de comunicação.

Em seguida, é realizado um exame físico (corporal) e neurológico detalhado. Além dos sintomas descritos acima, por vezes são detectados sintomas cutâneos ou perturbações do equilíbrio hídrico.

Se houver suspeita de encefalite, uma amostra de líquido cefalorraquidiano (LCR) é colhida por punção lombar e examinada em laboratório para detectar a presença de patógenos ou sinais de inflamação. O tipo exato do patógeno pode ser determinado com a ajuda de uma reação em cadeia da polimerase (PCR), pois mesmo as menores quantidades de partículas de vírus são suficientes para determinar a causa da doença. Entretanto, como os patógenos da encefalite muitas vezes só são detectáveis após um longo período de tempo e o líquido cefalorraquidiano ainda está livre de patógenos na fase aguda da inflamação cerebral, em muitos casos o diagnóstico de "encefalite" é feito com base nos sintomas característicos. Só numa fase posterior é que o diagnóstico é confirmado pelo diagnóstico laboratorial.

Normalmente, se houver suspeita de encefalite, também é realizada uma tomografia computorizada (TC) para excluir outras doenças cerebrais, como uma hemorragia cerebral. A ressonância magnética (RM) também pode ser usada. Uma electroencefalografia (EEG) é frequentemente realizada para melhor visualizar as consequências da inflamação na função cerebral nos estágios iniciais da doença.

Terapia

Como a encefalite é uma doença grave com alto risco de complicações, os pacientes devem ser sempre tratados e observados como pacientes internados no hospital. Complicações potencialmente fatais podem ser reconhecidas e tratadas mais rapidamente desta forma. A terapia real varia de acordo com a causa da encefalite.

No caso de encefalite, é particularmente importante iniciar imediatamente o tratamento para evitar que o cérebro sofra danos devido à inflamação. Como o tipo exato de patógeno ainda não é conhecido quando o diagnóstico é feito, uma combinação de diferentes antibióticos (medicamentos contra bactérias) e virustáticos (medicamentos contra vírus) é administrada no início da terapia. Se, após algum tempo, for possível determinar o patógeno exato no laboratório, os medicamentos ineficazes são descontinuados e o tratamento continua com os medicamentos mais eficazes.

Se a inflamação do cérebro for causada por uma infecção viral, são usadas drogas virais. Por exemplo, a substância ativa aciclovir seria eficaz para a encefalite por herpes ou varicela, e uma combinação de ganciclovir e forscamet poderia ser usada para a encefalite por citomegalovírus. Os antimicóticos (antifúngicos) são usados para infecções fúngicas. Quanto mais cedo as drogas forem administradas, melhor será o prognóstico.

Os medicamentos anti-epilépticos (medicamentos contra ataques epilépticos) são prescritos, se necessário, para baixar a pressão cerebral. Também podem ser necessários medicamentos antipiréticos ou analgésicos.

Previsão

O prognóstico da encefalite depende fortemente da gravidade da doença, bem como do tipo de patógeno. Se a doença for diagnosticada e tratada precocemente, as chances de recuperação são geralmente bastante boas.

Mesmo a encefalite muito grave causada pelo vírus do herpes simples pode hoje em dia ser bem tratada com medicamentos, de modo que mais de 80% dos que adoecem se recuperam. Em alguns casos, porém, permanecem danos irreversíveis para o sistema nervoso. Uma vez que o momento do início do tratamento é decisivo para um prognóstico favorável, indicações como o início súbito de febre alta ou perturbações da consciência devem ser levadas a sério e esclarecidas imediatamente pelo médico.

Prevenção

Um método seguro de prevenção de encefalite que ocorre no contexto do sarampo, papeira, rubéola ou poliomielite é uma vacinação contra os respectivos vírus. Há também vacinas para outros patógenos, que são particularmente úteis para pessoas que vivem em áreas de risco ou que querem viajar para lá. Exemplos disso seriam as vacinas contra o vírus TBE (vírus da meningoencefalite do início do verão) em áreas com carrapatos ou as vacinas contra a encefalite japonesa B, que é comum em áreas rurais do sudeste asiático.

Em alguns casos, a administração de anticorpos (imunoglobulinas) também pode ser útil para reduzir a gravidade da inflamação cerebral. Mesmo que a pessoa afetada já tenha sido exposta ao patógeno, o tratamento de anticorpos pode ser muito eficaz - mas a terapia deve ser iniciada o mais cedo possível.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.