Erysipelas

Erysipelas
Classificação Internacional (CID) A46

Noções básicas

A erisipela é uma inflamação aguda comum dos vasos linfáticos da pele que é localizada. A partir de pequenas lesões cutâneas, pode afectar o rosto, bem como os braços, as pernas e, mais raramente, o umbigo.

Na maioria dos casos, a erisipela é desencadeada por bactérias chamadas estreptococos (grupo A, raramente também G). Ocasionalmente, outros tipos de bactérias também podem causar a doença, tais como estafilococos. O desenvolvimento da doença é favorecido por um sistema imunitário enfraquecido. Esta é também a razão pela qual a maioria das pessoas idosas estão em risco.

Causas

Como já mencionado anteriormente, o gatilho da erisipela é a bactéria Streptococcus pyogenes (em casos raros também Staphylococcus aureus). As bactérias entram nos vasos linfáticos da pele através de lesões cutâneas, tais como fissuras cutâneas nos espaços interdigitais, eczema no ouvido ou no canal auditivo.

Os idosos são particularmente susceptíveis à erisipela, assim como as pessoas que sofrem de pé de atleta ou feridas e úlceras (por exemplo, úlceras de perna). Se estas condições estiverem presentes, a função de defesa da pele é reduzida, o que favorece uma infecção de erisipela. Os factores de risco incluem também os distúrbios circulatórios nas pernas (PAOD) e o alcoolismo. Os diabéticos também estão em alto risco.

As áreas de pele mais frequentemente afectadas são as pernas, pés, rosto e braços.

Sintomas

O período de incubação pode variar de algumas horas a dois dias. Os sintomas iniciais podem incluir dor de cabeça repentina, febre, náuseas e calafrios, geralmente acompanhados por uma sensação grave de doença. Além disso, pode ser sentida uma sensação de ardor doloroso na zona afectada da pele.

Após algumas horas a um máximo de um dia após o aparecimento dos primeiros sintomas, forma-se uma erisipela vermelha brilhante ao redor do ponto de entrada da bactéria. Se a infecção for superficial, a área afetada é claramente definida. Se, por outro lado, houver uma infecção mais profunda, os limites também podem ficar embaçados. Na maior parte dos casos, os resultados são em forma de língua ou de chama. A área cutânea afectada apresenta os seguintes sintomas característicos de erisipela:

  • Aquecimento da pele
  • Inchaço (edema)
  • Redness
  • Dor de pressão
  • Inchaço dos gânglios linfáticos

Diagnóstico

O diagnóstico de erisipela é geralmente fácil de fazer pelo médico. A aparência típica já é característica e pode ser usada para reconhecer os sintomas.

Para ter certeza, uma amostra de sangue pode ser colhida e um esfregaço retirado da área da pele avermelhada. Se houver inflamação, os valores de leucócitos no sangue estão elevados, assim como a proteína C reativa (PCR). A sedimentação do sangue é acelerada. Se for erisipela, também há anticorpos no sangue que vão para estreptococos ou estafilococos. Com a ajuda de um esfregaço da zona cutânea afectada, as bactérias podem ser detectadas directamente. No entanto, este método de diagnóstico muitas vezes não é possível.

É também essencial encontrar e tratar os pontos de entrada dos agentes patogénicos. Além disso, o médico deve esclarecer as doenças que criam condições favoráveis para a erisipela. Estas incluem doenças vasculares ou diabetes (diabetes). A doença de Lyme também deve ser descartada.

Terapia

Os pacientes que têm erisipela costumam ser submetidos a tratamento hospitalar:

  • Há descanso de cama
  • A região corporal afectada está elevada e deve ser imobilizada.
  • Ao mesmo tempo, é administrada uma terapia de penicilina de alta dose. Se o paciente for alérgico à penicilina, é administrado um antibiótico diferente.
  • Isto é administrado através de uma infusão na veia da pessoa afetada.
  • Se a inflamação diminuir, o tratamento posterior deve incluir terapia de compressão (por exemplo, aplicação de uma ligadura de compressão).
  • A trombose deve ser combatida com a ajuda de medicação apropriada.

Previsão

Se a erisipela for tratada precocemente, o prognóstico é geralmente positivo. No entanto, podem ocorrer complicações de vez em quando.

Se a erisipela se espalhar nas camadas mais profundas da pele, os chamados flegmões podem se desenvolver, o que pode ser fatal. Os flegmões são infecções das camadas mais profundas da pele com difusão difusa (indiferenciada) ao longo dos músculos e tendões.

Se o local de entrada através do qual a bactéria entra na pele não cicatriza, ou se a antibioticoterapia não for bem sucedida, a erisipela pode voltar a aparecer.

O local de entrada mais comum para erisipela é a infecção fúngica do pé entre os dedos dos pés (micose interdigital). Infecções recorrentes podem levar a linfedema.

A fim de manter o risco de recidiva da doença tão baixo quanto possível, é aconselhável que pacientes de alto risco, como diabéticos, façam uso de cuidados médicos regulares com o pé.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.