Febre glandular do Pfeiffer (mononucleose infecciosa)

Febre glandular do Pfeiffer (mononucleose infecciosa)
Classificação Internacional (CID) B27.-

Noções básicas

Descrição

O vírus Epstein-Barr (EBV) causa a mononucleose. Afecta as membranas mucosas do nariz, boca e garganta, bem como os linfócitos B (uma subespécie de glóbulos brancos). Devido à frequente infecção por contacto com saliva, esta doença é popularmente conhecida como doença do beijo.

A doença geralmente cicatriza após 2-3 semanas sem complicações. Em casos raros, a febre glandular de Pfeiffer toma um curso severo.

A mononucleose infecciosa está particularmente disseminada entre os adultos jovens; aos 30 anos de idade, 95% já foram infectados com ela. Aqueles que já foram infectados uma vez formaram anticorpos contra o vírus Epstein-Barr, que garantem imunidade quase vitalícia. Apenas pessoas com um sistema imunitário enfraquecido podem voltar a ser infectadas.

Causas

Um representante dos vírus do herpes desencadeia a mononucleose infecciosa. Para ser mais preciso, é o vírus Epstein-Barr. A transmissão ocorre através de gotículas (tosse e espirros), contato ou infecção por esfregaço (contato salivar, por exemplo, através de beijo). Esta doença também é conhecida coloquialmente como doença estudantil, febre estudantil ou doença do beijo.

O período de incubação (tempo entre a infecção e o desenvolvimento dos sintomas) é entre 14 e, mais raramente, 50 dias.

Sintomas

Antes do início da doença em adultos, sintomas semelhantes aos da gripe anunciam-se, que se transformam em febre.

  • Febre
  • Tonelite (amígdalas inflamadas) com revestimento branco
  • Linfonodos gravemente inchados e dolorosos no pescoço e garganta (raramente nas axilas)
  • Fadiga persistente (que pode durar até vários meses)
  • Dor nos membros, dor de cabeça
  • Dor na parte superior do abdómen, náuseas
  • Alargamento do baço
  • Alargamento do fígado
  • Icterícia (icterícia)
  • Erupção após tratamento com aminopenicilinas (erupção associada a antibióticos)

Em crianças pequenas, a mononucleose também pode ser completamente assintomática (sem quaisquer sintomas).

A mononucleose crónica é possível em casos excepcionais. O humor depressivo, febre ou fadiga pode durar de meses a anos, assim como os gânglios linfáticos inchados.

Diagnóstico

Devido aos sintomas incaracterísticos, a mononucleose infecciosa não é muitas vezes reconhecida imediatamente.

Um exame dos valores sanguíneos traz um diagnóstico claro. Os indicadores no sangue são anticorpos contra o vírus Epstein-Barr, aumento da contagem de leucócitos e virócitos ou células Pfeiffer. Estes últimos são linfócitos T activados (células de defesa especiais). O aumento dos valores hepáticos também confirma uma suspeita de febre glandular de Pfeiffer.

Os testes por vezes têm de ser repetidos, uma vez que os anticorpos Epstein-Barr em particular não são detectáveis imediatamente após a contracção da doença.

Terapia

O tratamento é orientado para os sintomas. Não há nenhuma droga contra a causa da mononucleose. Recomendado em qualquer caso:

  • Descanso físico (perigo de rompimento do baço)
  • Ingestão suficiente de líquidos (especialmente com febre)
  • Medicação antipirética se a temperatura for muito alta.

Além da febre glandular, os pacientes são frequentemente infectados com estreptococos (bactérias), que podem causar amigdalite.

Devido a uma possível erupção cutânea (exantema), as aminopenicilinas (por exemplo, ampicilina, amoxicilina) não devem ser tomadas!

Complicações são raras. No entanto, não se podem excluir encefalite (inflamação do cérebro), anemia hematolítica auto-imune (anemia relacionada com infecções) e trombocitopenia (anemia das plaquetas sanguíneas). Nestes casos, é utilizada cortisona, se necessário também virustáticos (inibidores de vírus).

Previsão

Após 2-3 semanas, a febre glandular Pfeiffersche cicatriza sem complicações na maioria dos pacientes. Raramente, o processo de cura pode demorar mais tempo.

Apenas em alguns casos a doença toma um rumo mais complexo:

  • Ameaça de obstrução das vias respiratórias superiores;
  • Pneumonia, derrame pleural (acumulação de líquido entre a pleura e o pulmão);
  • Ruptura do baço (ameaçando a vida!);
  • Meningite (inflamação das meninges), encefalite (inflamação do cérebro);
  • Miocardite (inflamação do músculo cardíaco), pericardite (inflamação do saco cardíaco);
  • Anemia hemolítica (anemia), trombocitopenia (contagem reduzida de plaquetas);
  • Nefrite intersticial (inflamação dos rins);

Em pacientes imunocomprometidos, doenças secundárias mais raras não podem ser descartadas:

  • Linfoma de células B, linfoma de Burkitt (tumores dos gânglios linfáticos).
  • Carcinoma nasofaríngeo (tumores no nariz e garganta)
  • Leucoplasia pilosa oral (alterações esbranquiçadas e com estrias na borda da língua)

Pessoas imunossuprimidas (por exemplo, após um transplante de órgãos) também podem ser afetadas pelas complicações acima (síndrome pós-transplante).

Prevenção

A infecção pelo vírus Epstein-Barr só pode ser prevenida evitando o contacto (corporal e salivar) com pessoas infectadas. Até agora, não há vacinas de nenhum tipo.

Mesmo após os sintomas terem diminuído, o patógeno ainda pode ser detectado na saliva durante meses. As doações de sangue também devem ser evitadas durante os primeiros 6 meses após o início da doença.

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.