Glaucoma

Glaucoma

Noções básicas

O glaucoma é uma série de doenças oculares que levam a danos às células nervosas da retina e ao nervo óptico, mais tarde, no decurso da doença. O glaucoma é geralmente causado pelo aumento da pressão intra-ocular nas câmaras do olho. As duas câmaras do olho estão localizadas na parte da frente do olho perto da lente e são ligadas pela pupila. As câmaras estão cheias de humor aquoso, que normalmente é renovado por um fluxo de entrada e saída equilibrado. A área onde o humor aquoso flui para dentro e para fora é chamada de ângulo da câmara.

Se o glaucoma for deixado sem tratamento, com o tempo pode levar à perda do campo visual e até mesmo à cegueira total. Quando a pessoa afetada percebe o distúrbio na visão, o nervo óptico já foi muitas vezes grave e irreversivelmente danificado.

O glaucoma é uma das causas mais comuns de cegueira. Nos países industrializados, cerca de um em cada três casos de cegueira é devido ao glaucoma. Estima-se que na Alemanha, por exemplo, cerca de três milhões de pessoas têm uma pressão intra-ocular elevada (a principal causa do glaucoma). Cerca de 800.000 deles já desenvolveram glaucoma. A maioria das pessoas afectadas não tem conhecimento do seu estado.

O risco de desenvolvimento de glaucoma aumenta com a idade. Cerca de 8% das pessoas com mais de 75 anos e até 15% das pessoas com mais de 80 anos sofrem de glaucoma.

Diferentes formas de glaucoma são distinguidas. Estes podem ser divididos em quatro grupos principais:

  • Glaucoma primário de ângulo aberto:Esta forma de glaucoma é o resultado de uma perturbação no fluxo de saída do humor aquoso devido a depósitos (chamado material de placa). É o tipo de glaucoma mais comum nas pessoas idosas. O glaucoma de tensão normal é uma forma crônica de glaucoma de ângulo aberto em que a pressão ocular está dentro da faixa normal.
  • Glaucoma de fechamento angular: Se o ângulo da câmara for fechado, pode ocorrer glaucoma de fechamento angular. É feita uma distinção entre glaucoma agudo e glaucoma de fechamento intermitente. Em contraste com as definições anteriores, o termo glaucoma é agora usado apenas para glaucoma de fechamento angular crônico (onde ocorre dano ao nervo óptico).
  • Glaucoma congênito primário:É causado por anormalidades de desenvolvimento do ângulo do ventrículo, resultando em um distúrbio congênito do fluxo de saída do humor aquoso.
  • Glaucoma secundário (adquirido):Esta forma de glaucoma é causada por outras doenças oculares que causam obstrução do fluxo de humor aquoso. Exemplos incluem complicações de lesões, infecções oculares ou diabetes mellitus.

Causas

O glaucoma é o resultado de danos no nervo óptico. Estes danos podem ter muitas causas, mas a mais comum é o aumento da pressão intra-ocular.

Aumento da pressão intra-ocular

As câmaras anterior e posterior do olho estão cheias de humor aquoso, que fornece nutrientes à córnea e à lente do olho porque não têm os seus próprios vasos sanguíneos. Este fluido aquoso é produzido pelo corpo ciliar (utilizado para suspender a lente na câmara posterior do olho). Da câmara posterior do olho, o humor aquoso flui através da íris para a câmara anterior do olho, mais adiante pelo ângulo da câmara para o canal de Schlemm e dali para a corrente sanguínea. Se o fluxo de saída do humor aquoso for bloqueado, ele recua, o que aumenta a pressão ocular e subsequentemente danifica o nervo óptico. Normalmente, a pressão intra-ocular está entre 10 e 21 mmHg.

Distúrbios circulatórios

No entanto, também existem formas de glaucoma que não são devidas ao aumento da pressão ocular. Nestes casos, assume-se que a retina é danificada por uma perturbação no fornecimento de sangue ao olho, o que causa os sintomas típicos do glaucoma.

Glaucoma secundário

O glaucoma secundário é sempre causado por outras doenças subjacentes. A retinopatia diabética (ou seja, danos na retina causados pela diabetes mellitus) e a oclusão da veia retiniana central são, de longe, as causas mais comuns.

Outro gatilho pode ser uma terapia a longo prazo com cortisol. Embora isto não leve necessariamente ao glaucoma, algumas pessoas reagem de forma muito sensível à terapia com cortisol. Para estas pessoas, a pressão intra-ocular aumenta logo após o início da terapia (o que pode causar glaucoma).

Os fatores de risco para o desenvolvimento de glaucoma são:

  • idade avançada (glaucoma geralmente ocorre após os 40 anos de idade)
  • Glaucoma na família - especialmente em parentes de primeiro grau
  • Pressão arterial diastólica baixa (segundo valor de pressão arterial)
  • Presença de doenças cardiovasculares, tais como a cardiopatia coronária, a arteriosclerose ou oclusão arterial periférica (pAVD).
  • Hipertensão arterial (hipertensão arterial elevada)
  • Hipercolesterolemia (níveis elevados de colesterol no sangue)
  • Curta visão ou longa visão na gama de mais de quatro dioptrias
  • inflamação ocular grave
  • Fumando
  • Tratamento a longo prazo com cortisol
  • Distúrbios circulatórios (síndrome de Raynaud, tinnitus, enxaqueca)
  • Diabetes mellitus (diabetes)
  • Pessoas com pele escura têm um risco aumentado de glaucoma

Sintomas

Os sintomas do glaucoma variam de acordo com a forma de glaucoma presente:

A forma mais comum de glaucoma é o glaucoma primário de ângulo aberto. Isto geralmente passa despercebido durante muito tempo antes de ocorrerem os primeiros distúrbios visuais. O primeiro sintoma é o aparecimento de halos ou anéis em torno de fontes de luz. Se o glaucoma não for tratado, o nervo óptico é progressivamente danificado, o que pode levar à perda do campo visual ou mesmo à cegueira completa.

Os seguintes sintomas ocorrem durante um ataque de glaucoma agudo em glaucoma de ângulo estreito:

  • dores de cabeça e de olhos fortes
  • Náuseas e vómitos
  • deterioração súbita da visão
  • Redimensionamento e endurecimento do globo ocular
  • Às vezes um brilho brilhante em torno de fontes de luz (halo).

Na maioria dos casos, apenas um olho é afectado pelos sintomas. O ataque de glaucoma agudo pode durar de algumas horas a vários dias e pode repetir-se em diferentes intervalos.

O glaucoma congénito primário manifesta-se geralmente em crianças pequenas nos primeiros dois anos de vida. Em particular, os olhos visivelmente grandes, "atraentes", lacrimejamento aumentado, fotofobia, espasmos nas pálpebras e fricção ocular podem ser indicativos de glaucoma congênito.

Os sintomas do glaucoma secundário são idênticos aos do glaucoma primário de ângulo aberto. Nesta forma, a doença também passa despercebida por muito tempo.

Diagnóstico

O glaucoma é diagnosticado por meio de vários exames instrumentais:

Tonometria (medição da pressão intra-ocular)

A tonometria pode ser usada para determinar a pressão interna do olho. Normalmente, a pressão intra-ocular está entre 10 e 21 mmHg, mas os valores mais elevados são frequentemente encontrados no glaucoma. Entretanto, a idade do paciente e a presença de doenças concomitantes devem ser levadas em consideração, pois a pressão intra-ocular média aumenta com a idade. Além disso, é aconselhável medir a espessura da córnea, pois isso tem uma forte influência sobre a pressão intra-ocular. No entanto, se a pressão intra-ocular for normal, não se pode excluir com certeza o glaucoma, já que também pode ser causado por outros factores.

Gonioscopia (exame do ângulo da câmara)

Durante uma gonioscopia, o ângulo da câmara pode ser verificado. O gonioscópio é colocado diretamente sobre a córnea e uma lente especial é usada para olhar para o ângulo da câmara (que normalmente não pode ser visto do exterior devido à sua posição). Entre outras coisas, a largura do ângulo da câmara, possíveis aderências, bloqueios de saída e descoloração são determinados. Estes factores podem ser uma indicação de glaucoma.

Perimetria (medição de campo visual)

Para completar o diagnóstico, o oftalmologista realizará uma medição de campo visual. Os estímulos ópticos são mostrados em diferentes posições no campo visual - desta forma, são determinados os limites externos e internos do campo visual, assim como a força da percepção. Como os defeitos do campo visual no glaucoma só ocorrem assim que mais de 30% do nervo óptico é danificado, este exame só pode detectar doenças avançadas.

Oftalmoscopia (exame da parte de trás do olho)

Uma oftalmoscopia pode determinar se já há danos no nervo óptico. A parte de trás do olho, que fica na parte de trás do globo ocular, é examinada através da pupila dilatada com a ajuda de um oftalmoscópio.

Exame da lâmpada-de-fenda

Isto envolve examinar o olho numa sala escurecida usando um microscópio e uma lâmpada cortada. A largura do ângulo da câmara e a profundidade das câmaras anteriores do olho são utilizadas para diagnosticar o glaucoma. Além disso, também são detectadas alterações na íris (pele da íris) ou pigmentação atípica da córnea.

Check-ups regulares

Uma vez que o glaucoma não pode ser revertido, os check-ups regulares com um oftalmologista são particularmente importantes para o diagnóstico e tratamento precoces.

Terapia

Como os danos ao nervo óptico não podem ser revertidos, o tratamento do glaucoma limita-se a prevenir a progressão da doença. Com a ajuda de medicamentos, colírios, tratamentos a laser e cirurgia, a progressão dos danos nervosos pode ser normalmente evitada ou pelo menos atrasada. A medida mais importante é diagnosticar o glaucoma o mais cedo possível através de exames regulares por um oftalmologista e assim evitar a perda de visão. A terapia existente pode precisar ser ajustada com o tempo, pois o glaucoma pode progredir sem ser notado, apesar do tratamento.

Os tipos de terapia variam de acordo com o tipo de glaucoma:

  • Glaucoma crônico de ângulo aberto: Neste caso, tenta-se reduzir a pressão intra-ocular elevada para a faixa normal por meio de terapia medicamentosa.
  • Ataque agudo de glaucoma:Esta é uma emergência que pode levar à cegueira completa num curto espaço de tempo se não for tratada. A fim de remediar o ataque agudo, primeiro é feita uma tentativa de baixar a pressão intra-ocular com a ajuda de medicamentos. Posteriormente, uma intervenção cirúrgica (iridotomia, iridectomia) é tentada para corrigir o distúrbio de saída do humor aquoso na área do ângulo da câmara.
  • Glaucoma congênito: Nesta forma de glaucoma, a cirurgia oftalmológica é realizada o mais cedo possível.

Os seguintes medicamentos são usados no tratamento do glaucoma:

  • Bloqueadores Beta: Estes são frequentemente utilizados no tratamento do glaucoma. O seu efeito é reduzir a produção de humor aquoso. Se existirem outras doenças subjacentes, como asma brônquica ou bloqueio AV (condução deficiente do coração), não devem ser utilizados beta-bloqueadores.
  • Inibidores de carboanidrase:Estes medicamentos reduzem a produção de humor aquoso e, portanto, diminuem a pressão ventricular. No tratamento de um ataque de glaucoma agudo, os inibidores de anidrase carbónica são por vezes administrados por via intravenosa. Alguns agentes (dorzolamida, brinzolamida) também podem ser administrados como gotas para os olhos.
  • Prostaglandinas: As prostaglandinas facilitam a drenagem do humor aquoso, o que pode baixar a pressão intra-ocular. Um possível efeito colateral é que a cor da íris (pele da íris) escurece um pouco como resultado do tratamento.
  • Alpha-sympathomimetics: Estes reduzem a produção de humor aquoso.
  • Parassimpaticomiméticos/mioóticos:Estes fármacos provocam a constrição da pupila, que ao mesmo tempo alarga o ângulo da câmara e facilita a saída do humor aquoso. Especialmente em pessoas mais velhas, a visão deteriora-se devido à constrição do aluno.

Dependendo do tipo e extensão do glaucoma, os medicamentos são utilizados individualmente ou em combinação. Na maioria dos casos, o glaucoma pode ser bem tratado com medicamentos, de modo que a cirurgia não é necessária. No entanto, o pré-requisito para isso é que a terapia seja realizada de forma consistente, caso contrário, os danos irreversíveis ao nervo óptico irão progredir.

Se o glaucoma não melhorar o suficiente com a medicação, ainda há vários métodos cirúrgicos disponíveis:

  • Trabeculoplastia a laser:Este procedimento é realizado principalmente em pacientes com glaucoma de ângulo aberto. Neste procedimento, o plexo tipo peneira (trabécula) localizado no ângulo da câmara é disparado com um raio laser para que o fluxo de saída do humor aquoso seja melhorado. Desta forma, reduções de pressão de até 8mmHg (milímetros de mercúrio) podem ser alcançadas. O tratamento a laser é realizado em regime ambulatório sob anestesia local (anestesia local). No entanto, o efeito do tratamento muitas vezes desaparece após algum tempo.
  • Trabeculectomia/Trabeculotomia: Neste procedimento, um dreno artificial é colocado entre a câmara anterior e a conjuntiva externa para permitir a drenagem do humor aquoso. O humor aquoso é então drenado através dos vasos sanguíneos da conjuntiva. O procedimento cirúrgico demora cerca de 30 minutos e é realizado sob anestesia local.
  • Iridectomia/iridotomia com laser: Este procedimento é realizado para glaucoma de ângulo estreito se houver risco de bloco angular completo. Com a ajuda de um raio laser, é feito um pequeno furo na íris (pele da íris), através do qual o humor aquoso pode fluir directamente da câmara posterior do olho para a câmara anterior. A iridotomia é realizada sob anestesia local.
  • Ciclofotocoagulação/ciclocoagulação:O princípio da ciclofotocoagulação é que a parte aquosa produtora de humor do corpo ciliar é cozinhada para que se forme menos humor aquoso e assim a pressão ocular seja reduzida. A ciclofotocoagulação é baseada num princípio semelhante, excepto que o corpo ciliar é destruído com a ajuda de uma caneta fria. Estas duas abordagens de tratamento são normalmente utilizadas apenas para glaucoma secundário e para formas de glaucoma resistentes a terapias (onde não foi possível obter uma melhoria satisfatória através de outras operações).
  • Abertura do canal de Schlemm:Na forma congênita do glaucoma, uma abertura do canal de Schlemm é criada cirurgicamente na área do ângulo da câmara.

Previsão

Para um bom prognóstico, é crucial detectar e tratar o glaucoma o mais cedo possível. Sem tratamento, a doença progride progressivamente para a cegueira completa. Como os danos ao nervo óptico não podem ser revertidos, os check-ups regulares com um oftalmologista são a estratégia mais importante para evitar danos aos olhos devido ao glaucoma.

Na maioria dos casos, a deterioração da visão causada pelo glaucoma pode ser evitada com a ajuda de medicamentos ou cirurgia. Na maioria dos casos, o tratamento com medicamentos para baixar a pressão ocular é suficiente para que não sejam necessárias outras medidas.

Prevenção

Como o glaucoma é uma doença hereditária, os familiares dos doentes com glaucoma podem querer que a sua pressão intra-ocular seja verificada regularmente por um oftalmologista antes dos 40 anos de idade.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.