Gripe suína (Nova gripe A/H1N1 , Nova gripe)

Gripe suína (Nova gripe A/H1N1 , Nova gripe)

Noções básicas

A chamada gripe suína, ou nova gripe, como é conhecida entre os especialistas, apareceu pela primeira vez na primavera de 2009. Esta forma de influenza é causada por um vírus da influenza que era desconhecido na época, a saber, o tipo A/H1N1. Este vírus foi criado misturando o material genético de outros vírus da gripe que normalmente infectam tanto humanos, suínos ou aves.

A principal via de transmissão da nova gripe é de pessoa para pessoa, o que também é o caso da gripe sazonal convencional. Ainda não foi observado que a infecção também pode ser transmitida de animais para humanos.

O primeiro caso da nova gripe ocorreu em abril de 2009 no México, onde relativamente muitas pessoas logo adoeceram com essa nova forma. Mas a onda de doenças não se limitou ao México, mas logo se espalhou por grandes partes do mundo. É por isso que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou uma pandemia do mais alto grau (6) pouco depois, em 11 de Junho de 2009. Esta pandemia durou mais de um ano, até 10 de Agosto de 2010. No entanto, suspeita-se que o vírus da influenza ainda esteja circulando e que possa causar novas ondas de doença no futuro.

Gripe sazonal vs. gripe nova

Tanto a gripe sazonal como a nova gripe são transmitidas através de infecções por gotículas, principalmente através de espirros ou tosse. Os sintomas das diferentes formas de gripe são também muito semelhantes, mas no caso da nova gripe também há sintomas no tracto gastrointestinal. Em contraste com a gripe sazonal, que ocorre quase exclusivamente nos meses de inverno, as pessoas também podem contrair gripe suína nos meses de verão. Enquanto a gripe sazonal afeta principalmente as pessoas mais velhas, é principalmente saudável, os jovens que adoecem com a nova gripe.

Devido a alterações genéticas, que subsequentemente levaram a uma alteração do envelope do vírus, a vacinação convencional contra a gripe não pôde garantir protecção suficiente contra a Nova Gripe. As vacinas que agora estão disponíveis protegem tanto contra a gripe convencional (sazonal) como contra a Nova Gripe.

Período de incubação e transmissão

O período de incubação, ou seja, o tempo entre a infecção e o aparecimento dos primeiros sintomas, é de cerca de um a quatro dias.

Há um risco de infecção logo desde o início da infecção, ou seja, mesmo antes do aparecimento de quaisquer sintomas. Assim que os sintomas aparecem, ainda há risco de transmissão por cerca de três a cinco dias, no caso mais longo, por até sete dias. Em crianças, tem sido observado que elas liberam doses mais altas do vírus e que são contagiosas por um período de tempo mais longo.

Os idosos e as pessoas que sofrem de uma doença crônica, assim como o pessoal médico, têm um risco maior de contrair a nova gripe. Mas também as pessoas que têm muito contacto com outras pessoas por causa do seu trabalho são mais frequentemente infectadas pelo vírus.

Causas

A gripe suína é causada pelo vírus influenza tipo A/H1N1. Este tipo de vírus evoluiu a partir de uma combinação genética de outros vírus da gripe que normalmente infectam aves, porcos ou humanos. Presume-se que estes vírus da gripe tenham infectado um hospedeiro ao mesmo tempo, resultando numa troca de informação genética. Em particular, essa mistura de vírus influenza pode ocorrer em suínos, pois eles também podem ser infectados por vírus que normalmente infectam humanos ou aves.

Tal como na gripe sazonal, a via de transmissão é por infecção por gotículas, principalmente através de espirros ou tosse. Além disso, também se pode ser infectado tocando em objectos contaminados ou apertando as mãos, o que é chamado de infecção por difamação. O vírus pode então entrar na boca, olhos ou nariz através das mãos e subsequentemente no resto do corpo, razão pela qual a desinfecção regular das mãos é muito importante.

Sintomas

Os sintomas da gripe suína são muito parecidos com os da gripe sazonal:

- Um aumento rápido da temperatura corporal (febre acima de 38,5°C) - Tosse seca e irritante

- Tosse seca e irritante - Dor nos membros e dor de cabeça

Os seguintes sintomas também podem ocorrer:

- Dor de garganta

- Cansaço e fadiga

- Redução do apetite

Ao contrário da gripe comum (sazonal), a gripe suína frequentemente também causa sintomas gastrointestinais, tais como náuseas, vómitos e diarreia. Estes sintomas podem ocorrer em combinação com os sintomas típicos da gripe mencionados acima, mas também isoladamente.

Diagnóstico

Por meio de uma entrevista, na qual o paciente deve descrever o curso da doença e os sintomas da forma mais precisa possível, e de um exame físico, o médico geralmente já pode fazer um diagnóstico provisório, especialmente nos meses de inverno. No entanto, como várias doenças podem causar sintomas semelhantes aos da gripe, um diagnóstico definitivo só pode ser feito através do exame de uma secreção do tracto respiratório. Para este efeito, deve ser tomado um esfregaço da membrana mucosa da zona nasal ou da garganta logo após o início da doença e examinado no laboratório. Deve-se notar que as culturas só podem ser tomadas em laboratórios especiais. Os exames para determinar o tipo de vírus da gripe também só podem ser realizados em laboratórios tão especiais.

Terapia

Na maioria dos casos, a nova gripe não tem um curso de risco de vida, e é por isso que muitas vezes apenas a terapia sintomática, ou seja, o tratamento dos sintomas, é apropriada. Isto inclui, por exemplo, o tratamento da febre com medicamentos antipiréticos ou outros métodos, como as compressas. Como o epitélio do tracto respiratório é danificado pelos vírus da gripe, isto pode favorecer uma infecção bacteriana (superinfecção). Nestes casos, a terapia com antibióticos é normalmente necessária.

Drogas antivirais: Somente em casos com cursos severos ou em pessoas com doenças crônicas deve ser iniciada terapia antiviral especial com inibidores de neuraminidase. Estes incluem o Tamiflu (oseltamivir) e o Relenza (zanamivir). Estes medicamentos inibem uma proteína de superfície viral chamada neuraminidase, que é necessária para espalhar o vírus no corpo humano. No entanto, o tratamento só pode ser bem sucedido se os medicamentos forem administrados nas primeiras 48 horas (no máximo nas primeiras 72 horas) após o início dos sintomas. Após este período de tempo, devido à propagação avançada do vírus, o tratamento antiviral não é tão benéfico.

Antes da administração do medicamento, devem ser considerados os efeitos secundários especiais e excepções em grupos especiais de pacientes (crianças, mulheres grávidas).

Previsão

Na maioria dos casos, a gripe suína tem um curso bastante suave, mas às vezes a doença pode ser mais grave ou fatal. Infelizmente, o número exato de pessoas que contraíram ou morreram da nova gripe não pode ser determinado. Durante a pandemia de gripe, a taxa de mortalidade foi de uma a cinco pessoas por milhão de habitantes, dependendo da localização geográfica. No entanto, há também estudos que calcularam que a taxa de mortalidade durante a pandemia da gripe suína chegou a mais de 100 pessoas por 1 milhão de habitantes. A nova gripe pode tomar um rumo mais severo em pessoas que são contadas entre os grupos de risco. As pessoas em risco incluem crianças pequenas, mulheres grávidas e pessoas com doenças crónicas (diabetes, doenças do sistema cardiovascular, doenças do fígado e dos rins).

Doenças conseqüentes

Tal como a gripe sazonal, a nova gripe pode levar a várias doenças de outros órgãos e tecidos do corpo:

- Doenças do tracto respiratório superior (inflamação dos seios nasais, inflamação do ouvido médio).

- Doenças respiratórias profundas (pneumonia, bronquite)

- Doenças do coração (inflamação do músculo cardíaco ou do pericárdio)

- Doenças do sistema muscular (inflamação do músculo, destruição da fibra muscular)

- Doenças do tecido nervoso (inflamação do cérebro ou meninges, convulsões epilépticas)

- Infecções graves e sistémicas com bactérias

Prevenção

Medidas gerais de segurança

O risco de contrair gripe suína pode ser significativamente reduzido se forem tomadas algumas medidas de higiene fáceis de implementar. É importante que o menor número possível de partículas de vírus entre no nariz, garganta ou olhos.

- Deve certificar-se de lavar as mãos regularmente, especialmente se tiver contacto frequente com outras pessoas ou possivelmente objectos contaminados (portas, corrimões, etc.).

- Você deve ter o menor contato possível com pessoas infectadas.

- Como o vírus da gripe geralmente entra no corpo pelo nariz, boca ou olhos, você deve tocar nestas partes do corpo o mínimo possível com as mãos.

- Você deve evitar ser espirrado ou tossido diretamente por outros.

- O aperto de mão também pode transmitir o vírus, portanto evite apertar as mãos o máximo possível.

Medidas especiais de segurança

Embora os respiradores convencionais não possam protegê-lo da infecção pelo vírus, o uso de tais máscaras pode impedir que as pessoas infectadas excretam o vírus em grandes quantidades. Os lenços de papel devem ser usados para assoar o nariz ou ao espirrar e devem ser eliminados imediatamente a seguir.

Se você estiver doente com a nova gripe, você deve ficar na cama por cerca de sete dias e não sair de casa, tanto para se proteger como para evitar infectar outras pessoas. Isto também pode reduzir o risco de uma superinfecção com bactérias.

Vacinação

A melhor maneira de se proteger da infecção é se vacinar. Embora não houvesse vacina adequada no início da pandemia da gripe suína, existe agora uma vacina combinada que oferece proteção eficaz não apenas contra a gripe sazonal, mas também contra a nova gripe. Acima de tudo, o pessoal médico, pessoas que têm muito contato com outras pessoas (professores, educadores de infância) e pessoas facilmente contagiosas (crianças e pessoas com doenças crônicas) devem ser vacinadas.

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.