Hérnia de disco (prolapso do disco)

Hérnia de disco (prolapso do disco)

Noções básicas

O disco intervertebral consiste de um núcleo gelatinoso mole (núcleo pulposo) rodeado por um anel de fibrocartilagem (anel de anulação de fibrosos). Está localizado entre as vértebras e serve como um amortecedor ali.

Uma hérnia discal ocorre quando este núcleo gelatinoso se desloca e quebra o anel fibrocartilaginoso. A massa que se expande pode pressionar os nervos vizinhos e a medula espinhal, causando desconforto.

Causas

Na maioria das vezes é porque o anel da fibrocartilagem se torna muito fraco. Em muitos casos, isto é devido ao processo natural de envelhecimento.

Muitas vezes, supõe-se que o motivo seja sobrecarga ou carga incorrecta, como levantar objectos pesados, mas normalmente não é esse o caso. Mais frequentemente, a falta de desporto e o excesso de peso são as causas de um disco escorregadio, porque normalmente os músculos do abdómen e das costas não estão bem treinados e isto leva a uma carga incorrecta nos discos intervertebrais. Os músculos do tronco devem realmente apoiar a coluna vertebral e ser suficientemente fortes.

Às vezes, a hérnia de discos também pode ocorrer após acidentes em que o tronco foi ferido.

Sintomas

Uma hérnia de disco não causa necessariamente desconforto. Depende se as fibras nervosas, a medula espinhal ou a cauda do cavalo (cauda equina) são afectadas.

Se o núcleo gelatinoso pressionar uma raiz nervosa, o resultado é formigamento de formigas, dormência, até mesmo paralisia e outros distúrbios sensoriais, assim como dores muito fortes, muitas vezes afetando apenas um braço ou perna. Na perna, isto é chamado de isquialgia se o nervo ciático (o nervo mais espesso em humanos) for afectado. No entanto, a dor na perna não é prova de hérnia discal em caso de dor nas costas, porque muitas vezes não pode ser atribuída a uma raiz nervosa e deixa de ser considerada uma indicação.

A medula espinhal

Vai desde o truncus cerebri (tronco cerebral) até à primeira ou segunda vértebra lombar. Quando a medula espinhal é esmagada, há formigamento, dormência, sensação de formigamento e uma dor penetrante no braço ou na perna. Também pode haver problemas com os músculos do esfíncter do intestino e da bexiga, e problemas crescentes nos braços e nas pernas. Se tais sintomas ocorrerem, é necessário ir imediatamente ao hospital para um exame e tratamento subsequente, pois esta é uma situação de emergência.

Quando a cauda equina (cauda do cavalo), que se estende até ao os sacro (osso sacral), é afectada, a função do recto e da bexiga fica muitas vezes fora de controlo. Também pode haver paralisia e problemas de sensibilidade na área genital, ao redor do ânus e no interior da coxa. Uma visita imediata ao médico também é absolutamente necessária aqui.

Diagnóstico

Exames básicos

A anamnese (história médica) e o teste da força muscular, reflexos e sensação nas pernas, ou seja, um exame clínico-neurológico, são particularmente importantes para isso. A paralisia pode ser rapidamente excluída se o paciente puder fazer o teste do dedo do pé ou do calcanhar. Muitas vezes, ao examinar a dor e a paralisia, o médico pode localizar a estrutura nervosa afectada e descobrir rapidamente se se trata de uma hérnia discal e, em caso afirmativo, entre que vértebras se encontra.

Outros testes

A RM é o método de imagem de escolha porque é o melhor para delinear as estruturas dos tecidos moles. A TC (tomografia computadorizada) também é possível, mas é claramente inferior à ressonância magnética. Os exames de raio-X são muitas vezes desnecessários porque não podem mostrar nervos nem discos intervertebrais, mas apenas tecido ósseo.

Estudos descobriram que existem também muitas hérnias discais assintomáticas. Isto significa que 30% das pessoas na casa dos 30 anos e 60% das pessoas com mais de 50 anos tiveram uma hérnia discal detectada numa ressonância magnética ou TAC, mas não tiveram quaisquer sintomas até agora.

Deve ser feita uma excepção se a dor nas costas ocorrer com sintomas típicos de um tumor, como suores nocturnos, perda de peso e febre. Neste caso, deve ser feita uma mielografia ou mielo-CT para excluir um possível tumor. O espaço dural (o espaço entre a medula espinhal e o saco vertebral) é mostrado com a ajuda de um meio de contraste.

Se você quiser esclarecer se um possível distúrbio sensorial ou paralisia está diretamente relacionado a uma hérnia discal, você deve ter uma eletromiografia (EMG), que mede a atividade elétrica dos músculos, ou uma eletreurografia. A eletroneurografia pode ser usada para descobrir se há pressão em certos nervos, o que reduziria a condutividade elétrica, ou se há uma doença dos nervos, como a polineuropatia.

Se nenhum diagnóstico puder ser feito com a ajuda de técnicas de imagem, o líquido cefalorraquidiano (líquido nervoso) e o sangue são testados para a doença de Lyme, herpes zoster e outros agentes patogénicos.

Terapia

Mais de 90% dos discos hérnias não precisam de ser tratados cirurgicamente. A cirurgia só é necessária se os sintomas persistirem ou se ocorrer paralisia.

Tratamento não cirúrgico

Isto inclui repouso, calor e analgésicos. Especialmente na fase aguda, deve-se ter o cuidado de tomar estes medicamentos regularmente na tentativa de aliviar a tensão muscular causada pela dor.

Além disso, a fisioterapia pode ajudar o paciente através da prática de movimentos que não causam dor.

A dor também pode melhorar por si só, pois o núcleo gelatinoso pode secar ou ficar menor. Existe também a possibilidade de o núcleo biliar se tornar menor, mas a dor permanece e desenvolveu-se a chamada doença da dor independente. Devido a posturas incorrectas para reduzir a dor, certos músculos podem ficar fracos (hipotrofia muscular) ou podem abster-se completamente de certos movimentos dolorosos (persuasão para evitar o medo). Se não houver paralisia grave, recomenda-se a intervenção cirúrgica apenas após 3 meses e a aplicação das formas de terapia acima mencionadas até lá.

No futuro, é importante treinar e fortalecer os músculos das costas e do abdómen com a orientação de um fisioterapeuta.

Cuidado: Quanto mais tempo a paralisia muscular maciça persistir, maior é a probabilidade de não desaparecer.

Cirurgia

O paciente e o médico decidem juntos se a cirurgia é necessária. Um argumento a favor da cirurgia é

- Se a paralisia for grave ou se alastrar, a cirurgia deve ser realizada imediatamente.

- Outra razão para a cirurgia imediata é se a cauda equina (cauda de cavalo) estiver deprimida.

- Se houver sintomas que indiquem que a medula espinal está esmagada, a cirurgia também deve ser realizada em breve.

- É particularmente perigoso se a dor diminuir mas a paralisia aumentar, porque este sintoma indica que as raízes nervosas estão a morrer. Também aqui, a intervenção cirúrgica imediata está indicada.

Deve-se, portanto, prestar atenção se os sintomas mudam, por exemplo, se as paralisias aumentam e/ou a incontinência ocorre. Nesta situação, deve-se consultar definitivamente o médico.

A operação

Para tirar a pressão dos nervos (descompressão), o tecido do disco danificado e problemático é removido. Infelizmente, em alguns casos ocorre a chamada "síndrome da cirurgia fracassada", o que significa que a dor não desaparece apesar da operação, e às vezes há até outra hérnia discal na mesma região.

Os procedimentos cirúrgicos habituais são a microcirurgia e a cirurgia minimamente invasiva, pois estas têm o menor risco de cicatrização e dor após a operação.

Previsão

Mais de 90% dos discos hérnias não precisam de ser tratados cirurgicamente. Portanto, o tratamento conservador é muitas vezes a melhor terapia.

Após uma operação de disco, uma hérnia de disco pode voltar a aparecer, por isso é especialmente importante fortalecer as costas e os músculos abdominais durante muito tempo.

Após a operação

Cada operação nos discos intervertebrais envolve certos riscos. Pode acontecer isso:

- Os vasos e os nervos estão danificados

- cicatrizes ou mesmo inflamações desenvolvem-se após a operação.

- Também pode acontecer que a coluna vertebral, onde era operada, já não seja tão estável como costumava ser.

A longo prazo, 80% dos pacientes que fazem esta operação são bem sucedidos. Os outros 20% podem ficar ainda piores depois e podem precisar de nova intervenção cirúrgica. Portanto, se não houver paralisia grave, a intervenção cirúrgica não é necessariamente recomendada. As terapias não cirúrgicas devem ser usadas no início.

Infelizmente, nem sempre é fácil descobrir em que pacientes é necessária uma cirurgia e em que não vale a pena correr os riscos de uma intervenção deste tipo.

Em 5-11% dos pacientes que foram tratados com procedimentos cirúrgicos padrão, ocorrem hérnias recorrentes, ou seja, hérnias discais ocorrem novamente na mesma região da coluna vertebral. Resta saber qual será a taxa de sucesso a longo prazo das novas técnicas de cirurgia de disco, tais como procedimentos minimamente invasivos.

Prevenção

É especialmente importante que os músculos do abdómen e das costas sejam fortes, saudáveis e bem treinados. Se você também levar as outras pistas a sério e segui-las, a probabilidade de uma hérnia de disco pode ser significativamente reduzida.

- Exercite-se regularmente. Por exemplo: jogging, esqui de fundo, crawling, backstroke, ginástica na água, treino de força controlada na zona das costas.

- Exercícios de relaxamento como o Tai Chi, Yoga e Pilates também são recomendados porque são particularmente bons para a postura.

- Sentado de pé

- Observe o seu próprio peso corporal: mais peso também significa uma maior tensão nos discos intervertebrais.

- As cadeiras baixas e muito macias devem ser evitadas.

- Mude a sua posição sentada frequentemente

- Seria bom ter uma estação de trabalho elevada onde se possa trabalhar em pé.

- Deve-se evitar a elevação de objectos muito pesados. No entanto, se for preciso, mantenha a coluna direita e só dobre as pernas. Nunca levante uma carga pesada com as costas dobradas e as pernas estendidas. - Ao transportar uma carga, é importante que a coluna vertebral não esteja carregada de um lado, por isso segure o objecto com as duas mãos, perto do corpo e sem as costas ocas.

- Ao dormir, também se deve tentar apoiar a forma da coluna vertebral com almofadas.

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.