Incontinência

Incontinência

Noções básicas

A incontinência urinária (popularmente conhecida como problemas urinários) é a incapacidade de aprender ou a perda da capacidade de armazenar urina em segurança na bexiga e de determinar quando deve ser anulada. É uma condição bastante comum que, de acordo com a pesquisa, estima-se que afeta entre 5 e 25% das pessoas - números exatos são difíceis de determinar porque muitos que sofrem não vêem um médico por vergonha. Basicamente, pode-se dizer que as mulheres sofrem de incontinência mais frequentemente do que os homens e que o número de casos aumenta com a idade.

Muitos dos afectados sofrem não só fisicamente, mas também emocionalmente com a perda indesejada de urina. Por vergonha e medo de que a sua condição possa ser descoberta, eles se retiram cada vez mais da vida social. Especialmente para os jovens que cresceram acreditando que a incontinência afecta apenas os mais velhos, a pressão do sofrimento é imensa. Os afectados tentam muitas vezes esconder a sua condição durante vários anos antes de procurarem ajuda profissional. O grande estresse psicológico se manifesta em frustração, nervosismo e distúrbios do sono.

A fuga involuntária de urina pode ser evitada em alguns casos simplesmente através do fortalecimento dos músculos do pavimento pélvico (através do treino intensivo do pavimento pélvico). Os medicamentos também são usados para tratar certas formas de problemas urinários - e a cirurgia é um último recurso. Há também uma vasta gama de ajudas profissionais disponíveis em farmácias e drogarias, como as palmilhas, que permitem aos doentes viverem as suas vidas normais sem restrições.

Causas

As quatro variantes seguintes são as manifestações mais comuns da incontinência. Cada um deles é baseado em causas diferentes:

  • Incontinência de esforço
  • Incontinência de urgência
  • Incontinência por transbordo
  • Incontinência de reflexo

Incontinência de esforço

Este tipo de incontinência não tem nada a ver com factores stressantes e psicológicos - a razão para a perda de urina é que os músculos que fecham a bexiga ao tracto urinário são demasiado fracos. Se a pressão na cavidade abdominal e consequentemente também a pressão sobre a bexiga for aumentada em situações especiais de stress, isto leva a uma perda involuntária de urina. É feita uma distinção entre três graus de incontinência de esforço, dependendo do grau de fraqueza muscular:

  • Grau I: Incontinência apenas ao tossir, espirrar ou rir.
  • Grau II : Incontinência durante movimentos bruscos ou ao sentar-se ou levantar-se.
  • Grau III: Incontinência ao deitar-se ou durante movimentos sem esforço.

Há várias razões pelas quais os músculos do esfíncter da bexiga já não conseguem cumprir a sua função. Normalmente, a fraqueza do pavimento pélvico ocorre, por exemplo, após operações no abdómen inferior ou após vários partos.

Outra razão nas mulheres seria o abaixamento da bexiga, útero e vagina na pélvis. Normalmente, estes órgãos são mantidos na sua posição original pelos ligamentos e músculos - mas se estes estiverem demasiado fracos, os órgãos e a uretra escorregam um pouco mais para dentro da pélvis, prejudicando a função dos músculos de fecho da bexiga urinária.

Em casos raros, os músculos da própria uretra não são suficientemente fortes, resultando em incontinência. Normalmente, porém, os músculos uretrais são fortalecidos pelos outros músculos do assoalho pélvico.

Nos homens, a incontinência de esforço pode ocorrer após uma cirurgia de próstata se os músculos da uretra tiverem sido danificados pela cirurgia.

Incontinência de urgência

Isto também é chamado síndrome da bexiga hiperactiva, incontinência de urgência ou bexiga irritável. A incontinência de urgência é caracterizada por uma vontade súbita e incontrolável de urinar, forçando a pessoa a ir imediatamente ao banheiro. A súbita vontade de urinar é causada pelos dois mecanismos seguintes:

  • incontinência motora: onde os impulsos nervosos que ativam o músculo detrusor (o músculo que esvazia a bexiga) são hiperativos, resultando em micção súbita e prematura. Normalmente, o músculo detrusor é regulado pelo sistema nervoso central, mas pode tornar-se hiperactivo em doenças cerebrais como tumores, AVC, demência e inflamação.
  • Incontinência de urgência sensorial: Neste caso, a percepção do enchimento da bexiga é perturbada e há um sinal precoce de que a bexiga está cheia. Esta perturbação pode ser causada por inflamação, pedras na bexiga, tumores na bexiga ou processos de remodelação da mucosa vesical (como resultado da falta de estrogénio durante a menopausa).

Incontinência por transbordo

A incontinência por excesso é causada por uma bexiga constantemente cheia, que é difícil de esvaziar naturalmente devido à falta de drenagem. Se a pressão na bexiga aumentar acima da resistência na uretra, a bexiga "transborda" e um constante gotejamento de urina é o resultado.

Há várias causas de incontinência por transbordo:

  • A causa mais comum é uma próstata aumentada (glândula prostática), que muitas vezes ocorre em homens com mais de 60 anos de idade. Como a glândula prostática envolve completamente a uretra directamente por baixo da bexiga, a uretra pode ficar apertada quando se torna aumentada.
  • A diabetes melito pode causar danos nos nervos que devem ativar o músculo detrusor (o músculo que esvazia a bexiga). A urina já não pode ser pressionada para fora da bexiga e ocorre incontinência por transbordo.
  • O nervo do músculo detrusor também pode ser danificado durante a remoção cirúrgica de, por exemplo, tumores uterinos ou ovarianos e durante as lesões da medula espinhal inferior.
  • Durante a gravidez, a incontinência de excesso de fluxo pode também desenvolver-se temporariamente devido ao aumento da pressão sobre a bexiga.

Incontinência de reflexo

A incontinência de reflexo é causada por danos nas vias nervosas entre o cérebro e o centro da bexiga na medula espinal, como ocorre nos paraplégicos. Os danos resultam em contracções reflexas dos músculos da bexiga devido à predominância de impulsos de actividade, fazendo com que a bexiga se esvazie.

Fistulae

As fístulas são ductos de conexão patológicos recém formados entre um órgão oco interno e outro órgão ou a superfície da pele. As fístulas podem se desenvolver como resultado de um processo inflamatório crônico (por exemplo, a doença de Crohn), após uma cirurgia abdominal ou nascimentos complicados.

Se a bexiga estiver ligada ao intestino, à vagina ou à superfície da pele através de uma fístula, a urina pode passar por este canal sem resistência.

Sintomas

Cada manifestação de incontinência manifesta-se em diferentes sintomas e condições.

Incontinência de esforço

A incontinência de esforço é causada por esforço leve ou pesado (por exemplo, levantar pesos pesados, espirrar, rir, tossir) levando a perdas involuntárias de urina. Se a incontinência de esforço for grave, a urina pode derramar mesmo quando deitada ou durante movimentos sem esforço. As mulheres são frequentemente afectadas (mesmo em tenra idade), mas os homens raramente são afectados.

Incontinência de urgência

A incontinência de urgência manifesta-se numa vontade tão súbita e incontrolável de urinar que é quase impossível para a pessoa afectada ir a tempo para a próxima casa de banho. As pessoas idosas em particular (de preferência mulheres) sofrem desta forma de incontinência.

Incontinência por transbordo

O excesso de incontinência afecta principalmente homens mais velhos com problemas de próstata. A bexiga não pode mais esvaziar normalmente devido ao aumento da resistência (por exemplo, devido a uma próstata aumentada) - a pressão aumenta, a bexiga "transborda" e a urina perde-se gota a gota.

Incontinência de reflexo

Esta forma de incontinência afecta pessoas com danos ou distúrbios das vias nervosas ou da medula espinal. Os músculos de fechamento da bexiga não podem mais ser controlados e há um esvaziamento involuntário e ativo da bexiga.

Fistulae

A incontinência como resultado da formação da fístula é muito rara. Nesta forma, há uma fuga constante de urina através da fístula.

Diagnóstico

Para a escolha certa da terapia, a causa da incontinência deve ser determinada primeiro. Isto pode ser descoberto principalmente através de um histórico médico detalhado (entrevista com o paciente) e da avaliação dos sintomas.

Para confirmar o diagnóstico, outras doenças como infecções da bexiga, tumores ou pedras na bexiga devem ser excluídas como causas. A sonografia (exame ultra-sonográfico) pode ser usada para detectar quaisquer pedras na bexiga ou tumores e para medir a quantidade de urina residual.

O diagnóstico urodinâmico pode ser usado para determinar a pressão no abdómen e na bexiga durante o enchimento e esvaziamento da bexiga (por exemplo, para diferenciar entre incontinência de urgência e incontinência de excesso de fluxo).

Em alguns casos, uma cistoscopia (para exame interno da bexiga em caso de suspeita de alterações teciduais) ou um raio-X e testes laboratoriais também são necessários para confirmar o diagnóstico.

Terapia

O tipo de terapia varia entre as formas de incontinência:

Incontinência de esforço

Uma vez que a fraqueza do pavimento pélvico é a causa mais comum da incontinência de esforço, o treino direccionado dos músculos do pavimento pélvico leva frequentemente a uma cura. Os exercícios diários de fortalecimento são realizados inicialmente sob orientação de especialistas e, mais tarde, sozinhos em casa.

Em pessoas com excesso de peso, a redução do peso leva muitas vezes a uma melhoria da incontinência. As mulheres após a menopausa podem, por vezes, ser ajudadas por um tratamento com estrogénios.

Se os sintomas não melhorarem apesar da terapia, a incontinência pode normalmente ser tratada por cirurgia (por exemplo, através da inserção de um esfíncter artificial).

Incontinência de urgência

Este tipo de incontinência é causado por uma hipersensibilidade dos receptores da bexiga aos estímulos. Por este motivo, chás de bexiga, garrafas de água quente ou medicamentos à base de ervas, como abóbora ou extracto de goldenrod extracto, podem ajudar com sintomas ligeiros.

O treino específico da bexiga (no qual o paciente aprende a esvaziar a bexiga em momentos específicos - ver"Prognóstico") ajuda o paciente a evitar a vontade incontrolável de urinar e, assim, evita a micção involuntária.

No caso de incontinência de urgência grave, a toma de medicamentos antiespasmódicos também pode ser útil. Estes impedem que o músculo da bexiga se contraia, o que enfraquece a forte vontade de urinar. A medicação deve ser continuada por algumas semanas.

Incontinência por transbordo

Uma vez que a causa deste tipo de incontinência é geralmente uma próstata aumentada, a cirurgia deve ser considerada em casos graves. No entanto, as formas suaves podem, por vezes, ser tratadas com medicamentos à base de ervas, como abóbora, urtiga ou extracto de palmeira serrada.

Como alternativa à cirurgia, a terapia medicamentosa com bloqueadores de receptores alfa também é possível. Estes têm o efeito de reduzir o fechamento da bexiga e, portanto, a resistência à saída, o que reduz a quantidade de urina residual na bexiga.

Outra opção seria tomar inibidores de 5-alfa-reductase, que causam uma redução no tamanho da próstata.

Se a cirurgia não for possível e outras terapias falharem, às vezes é necessário inserir um cateter. Isto é usado para drenar a urina através da uretra ou da parede abdominal.

Incontinência de reflexo

Este tipo de incontinência é causado por danos na ligação nervosa do cérebro à bexiga, o que significa que a bexiga já não pode ser controlada conscientemente. Vários medicamentos (por exemplo, parassimpatolíticos) inibem a activação espontânea dos músculos da bexiga e, assim, previnem eficazmente a micção súbita.

No entanto, um cateter deve agora ser inserido para o esvaziamento deliberado da bexiga. Um fino tubo de plástico é inserido através da uretra na bexiga.

Previsão

Se a respectiva terapia for bem executada e de forma consistente, a incontinência pode ser muito melhorada ou completamente eliminada na maioria dos casos.

Existem várias recomendações que podem aliviar a extensão da incontinência:

Treinamento do assoalho pélvico

Isto é fisioterapia que pode ser aprendida sob a orientação de um fisioterapeuta. Se o treinamento só é aprendido através de instruções escritas, os exercícios são muitas vezes executados incorretamente e o sucesso não é alcançado.

Durante o treino do pavimento pélvico, os afectados aprendem vários exercícios de fortalecimento dos músculos do pavimento pélvico, assim como métodos que reduzem o stress diário no pavimento pélvico - por exemplo, aprendendo técnicas especiais de elevação ou como sair correctamente da cama com pressão reduzida.

Os dispositivos de bio-feedback podem ser muito úteis na fase inicial do treino. Estes mostram ao utilizador o grau de tensão dos músculos do pavimento pélvico, para que o feedback possa ser utilizado para reconhecer se os exercícios estão a ser realizados correctamente. Para este fim, um sensor é inserido na vagina para as mulheres e no reto para os homens. Quando os músculos do pavimento pélvico estão tenso, a pressão é transmitida para o sensor. Sem estes dispositivos, o grau de tensão dos músculos não pode ser detectado.

Outra opção é a electroterapia. Os músculos do pavimento pélvico são estimulados por impulsos electrónicos, que os fazem ficar tensos em intervalos rítmicos, tornando-se assim mais fortes. A electroterapia é particularmente adequada como preparação para o treino activo do pavimento pélvico, por exemplo, após uma cirurgia pélvica.

O treinamento do assoalho pélvico só pode ser bem sucedido se for continuado consistentemente em casa.

Consumo de fluidos

Em muitos casos, as pessoas tentam controlar a sua incontinência, bebendo menos. No entanto, isto geralmente tem o efeito oposto, uma vez que a urina concentrada na bexiga tende a aumentar a vontade de urinar. Esvaziar a bexiga com menos frequência também aumenta o risco de infecção. As próprias infecções da bexiga podem, por sua vez, aumentar a incontinência.

A saúde também sofre com a redução da ingestão de líquidos, uma vez que o corpo necessita em média de dois litros por dia. Caso contrário, isto tem consequências negativas para os rins, pele, tracto digestivo e cérebro.

Treinamento da bexiga

O esvaziamento regular da bexiga em determinados momentos pode prevenir a intensa vontade de urinar em incontinência de urgência.

Isto é melhor conseguido mantendo um chamado diário de micturição (diário de esvaziamento da bexiga). Neste diário, todos os esvaziamentos urinários voluntários e involuntários, assim como a quantidade e o tipo de bebidas consumidas, são registados ao longo de vários dias. Com a ajuda do diário, as regularidades no ritmo de esvaziamento da bexiga podem agora ser determinadas. Depois, com o tempo, pode treinar-se para ir sempre à casa de banho cerca de meia hora antes de esperar esvaziar a bexiga, o que ajudará a evitar urinar de forma incontrolável.

Prevenção

Em muitos casos, um pavimento pélvico bem treinado e a prevenção dos seguintes factores pode reduzir ou mesmo evitar completamente a incontinência existente:

  • Em casos de sobrepeso grave, a redução do peso corporal tem um efeito positivo devido à redução da pressão sobre a área pélvica.
  • O tratamento da obstipação crônica reduz a pressão sobre a bexiga urinária.
  • A tosse frequente na bronquite crónica aumenta o desconforto da incontinência de esforço. Tratar a doença pulmonar e deixar de fumar na bronquite do fumador pode melhorar a situação.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.