Leucemia linfática aguda (ALL)

Leucemia linfática aguda (ALL)
Classificação Internacional (CID) C91.-

Noções básicas

O sangue pode ser considerado um dos órgãos mais importantes do nosso corpo. Se o sistema não funcionar mais, se não for possível transportar substâncias, se o oxigénio não chegar aos tecidos, se não for possível combater germes e agentes patogénicos, todo o organismo entra em colapso.

Os componentes sanguíneos individuais

No entanto, não só o sangue como tal, mas cada componente individual do sangue é de grande importância. Por exemplo, precisamos dos eritrócitos (glóbulos vermelhos) sobretudo para transportar oxigénio e dióxido de carbono, enquanto os trombócitos (plaquetas sanguíneas) se ocupam da coagulação do sangue.

Os leucócitos (glóbulos brancos) são de particular importância para a defesa. No entanto, estes são ainda subdivididos em diferentes grupos, que também incluem os linfócitos, que por sua vez se dividem em linfócitos T e linfócitos B. Na leucemia linfática aguda, um destes grupos é degenerado de alguma forma. Como resultado, os precursores das células ainda imaturos e não funcionais (também chamados de explosivos) são lavados no sangue.

As crianças em particular são afetadas

A leucemia linfática aguda afeta principalmente crianças entre um e cinco anos de idade. 80% das crianças afectadas sofrem do subtipo de B-ALL, no qual os linfócitos B são afectados.

Causas

Uma causa exata de leucemia linfática aguda só pode ser dada em muito poucos casos. A maior parte do tempo, a busca do gatilho está no escuro, especialmente porque a maior parte da energia é naturalmente colocada no combate à doença. No entanto, existem alguns factores que pelo menos contribuem para o desenvolvimento da leucemia.

Fatores genéticos

É impressionante que a leucemia linfática aguda ocorre com mais frequência em crianças que já têm uma doença genética como a trissomia do cromossomo 21 ou a síndrome de Fanconi. Mas mesmo em crianças completamente saudáveis, uma predisposição familiar, ou seja, uma tendência herdada para a leucemia, pode levar ao desenvolvimento da doença.

Além disso, há também numerosas mutações espontâneas, ou seja, pequenas alterações no material genético das células precursoras dos linfócitos, que provocam uma leucemia linfática aguda. Estas mutações acontecem milhares de vezes por dia em todos os organismos, só que geralmente não são significativas, ou são imediatamente reparadas.

Radiações ionizantes

Todos sabem que a radiação numa dose demasiado alta não é boa. As radiações ionizantes em particular podem danificar as células a tal ponto que estas se degeneram. É por isso que você deve sempre se certificar de evitar essa perigosa radiação tanto quanto possível. Isto inclui, por exemplo, evitar radiografias ou tomografias computorizadas desnecessárias.

Outros factores desencadeantes da leucemia

Além dos estímulos acima mencionados, os vírus, substâncias químicas, drogas citostáticas e doenças hematológicas pré-existentes também podem ser considerados como fatores desencadeantes.

Sintomas

A leucemia linfoblástica aguda é uma doença do sangue, razão pela qual os sintomas podem ser muito variados e se espalhar por todo o organismo.

Sintomas de anemia

O aumento da formação de linfócitos imaturos pode levar ao deslocamento de outras células sanguíneas. É por isso que os sinais de anemia são frequentemente visíveis, tais como uma sensação geral de fraqueza, palidez ou falta de ar.

A falta de plaquetas também pode levar ao aumento da formação de hematomas (hematomas) ou mesmo à hemorragia espontânea. Por vezes podem ser observadas pequenas hemorragias punctiformes na pele (petechiae).

Sintomas devidos ao aumento da formação celular

Se as células são formadas mais rapidamente e em maior número, isso naturalmente requer mais espaço. Além disso, todos os linfócitos ainda têm de ser impressos noutros órgãos, que podem ficar sobrecarregados se forem formados e expelidos demasiados linfócitos imaturos.

O aumento da produção de linfócitos pode portanto levar a dores ósseas, dores abdominais, aumento do baço ou do fígado e um distúrbio no enchimento do coração devido a um timo demasiado grande. Os gânglios linfáticos também incham com frequência.

Sintomática B como indicação geral

Como em muitas outras doenças graves, a chamada sintomatologia B é geralmente desenvolvida. Estes incluem não só a perda de peso e fraqueza, mas também o suor nocturno como um sintoma típico.

Outros sintomas

Devido à perda da capacidade de funcionamento dos linfócitos, os germes sob a forma de vírus ou bactérias já não podem, naturalmente, ser combatidos pelo organismo. O resultado é um aumento da susceptibilidade a infecções de todos os tipos.

Além disso, muitas vezes ocorrem déficits neurológicos, que devem ser diagnosticados com precisão.

Diagnóstico

Além de um histórico médico detalhado, um exame físico é, naturalmente, importante. Por exemplo, um fígado ou baço inchado e gânglios linfáticos aumentados podem ser perceptíveis.

Os testes laboratoriais confirmam o diagnóstico

Para confirmar o diagnóstico, alguns exames de sangue devem ser feitos. Por exemplo, a presença de explosões, ou seja, precursores de glóbulos brancos, no sangue periférico é considerada prova da presença de leucemia. No entanto, alguns outros métodos de exame têm de definir com maior precisão quais as células que estão degeneradas, para que se possa iniciar a terapia correcta.

Perfuração de medula óssea para confirmar o diagnóstico

O diagnóstico exato das células degeneradas só pode vir de um exame da medula óssea. Para este fim, o osso da anca, por vezes também a omoplata, é normalmente perfurado com uma agulha grossa e algum material é retirado do osso. Isto é então examinado em laboratórios especializados.

Exames adicionais

Uma vez que a leucemia linfoblástica aguda é uma doença grave, é necessário fazer uma série de outros testes. Estes incluem não só raios-X do tórax e ultra-som do abdómen, mas outros procedimentos de imagem como a tomografia computorizada ou a ressonância magnética ou as cintilografias esqueléticas também podem ser de grande relevância.

Terapia

A terapia da leucemia linfática aguda deve ser realizada em um centro especializado para que possa ser realmente eficaz. É também importante tomar medidas adicionais para proteger o corpo e apoiá-lo na cura.

Medidas de apoio

As medidas de apoio incluem, por exemplo, certificar-se de que o ambiente está com poucos germes. Para as crianças, isso significa que elas devem ser retiradas do jardim de infância e da escola e muitas vezes internadas no hospital. Medidas especiais de higiene devem ser tomadas tanto em casa como no hospital.

Se, apesar disso, ocorrer uma infecção com qualquer doença, é crucial apoiar o sistema imunológico com antibióticos de amplo espectro.

Melhorar a qualidade de vida

Para melhorar a qualidade de vida, podem ser dados os chamados concentrados de componentes sanguíneos. Por exemplo, os eritrócitos (eritrócitos) são administrados se houver sinais de anemia, e as plaquetas (trombócitos) se houver tendência a sangrar.

A quimioterapia como tratamento principal

Uma verdadeira melhoria da doença só pode ser alcançada através da quimioterapia. Isto é feito em várias fases, com fases de recuperação no meio para permitir que o corpo se recupere das drogas agressivas.

Muitas vezes, a quimioterapia é preparada primeiro numa fase preliminar para que a terapia propriamente dita possa ser mais eficaz posteriormente. Em uma terapia de indução que normalmente dura oito semanas, é feita uma tentativa de obter remissão, o que significa que as células de leucemia são reduzidas em 95%. Para este fim, são administradas drogas que destroem as células que se dividem rapidamente. É claro que isto tem muitos efeitos colaterais desagradáveis, já que células saudáveis do corpo também são atacadas.

Segue-se a chamada terapia de consolidação, na qual são administrados medicamentos fortes por mais oito semanas. A isto se seguem seis semanas de terapia de reindução, que é basicamente a mesma que a terapia de indução.

Uma vez superadas estas difíceis semanas, é iniciada a terapia de manutenção, na qual é administrada medicação oral durante dois anos, o que deve ajudar a garantir que um permanece em remissão, que as células tumorais não se espalhem mais.

Terapias alternativas ou estendidas

Se a quimioterapia não tiver o efeito desejado, se houver recidivas frequentes ou se houver formas particularmente graves de TODOS, então a radioterapia também pode ser considerada.

Alternativamente, pode ser realizado um transplante de células estaminais ou transplante de medula óssea. Mesmo que muitas vezes seja possível manter o corpo em remissão, é importante perceber que isso não é o mesmo que uma cura. Isso significa apenas que a doença é mantida sob controlo. Só se fala de uma cura quando todas as células degeneradas tiverem sido realmente destruídas.

Previsão

O prognóstico para crianças com TODOS melhorou drasticamente nos últimos anos. Graças a melhores diagnósticos e novos medicamentos, mais de 80% das crianças podem agora ser tratadas ao ponto de poderem sobreviver sem recaída. Isto significa que a leucemia nunca mais volta.

Vários factores para um tratamento bem sucedido

Mas mesmo que muitas crianças possam ser curadas, as chances de uma vida livre de recaídas dependem de vários fatores. Estes incluem, por exemplo, a idade da criança, a eficácia da quimioterapia, a presença de um doador na família e quaisquer alterações no material genético.

Mas mesmo que a leucemia linfática aguda possa ser tratada muito bem hoje em dia, não é de forma alguma uma doença a ser tomada de ânimo leve. Uma coisa deve ser claramente afirmada: se o tratamento não for dado, a leucemia leva à morte dentro de algumas semanas ou meses. Mas, felizmente, isso pode ser evitado hoje!

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.