Pólipos intestinais

Pólipos intestinais

Noções básicas

Os pólipos intestinais são normalmente tumores benignos da mucosa localizados na cavidade do cólon. Podem ser de diferentes formas (tipo fungo, tipo almofada) e tamanhos, e podem ocorrer individualmente ou em grupos.

Em cerca de 50% das pessoas afetadas, os pólipos estão localizados no reto, também chamado de reto. Dependendo do tipo de tecido, existem diferentes tipos de pólipos intestinais. Em cerca de 90% dos casos, pode-se assumir o chamado adenoma, que pode aumentar de tamanho e possivelmente formar estágios preliminares de câncer de cólon. Se exceder um diâmetro de cerca de um centímetro, o risco é aumentado. Em casos raros, também podem ocorrer pólipos hereditários do cólon. Se tal caso existir, o risco de cancro do cólon é particularmente elevado.

Na população, cerca de dez por cento são afectados pelos pólipos intestinais. O número de pessoas afectadas aumenta com a idade. No grupo de pessoas com mais de 60 anos, cerca de uma em cada três sofre de tumores da mucosa intestinal.

Causas

A forma como os pólipos intestinais se desenvolvem ainda não é muito clara. Entretanto, suspeita-se que fatores genéticos, ambientais e especialmente nutricionais desempenham um papel.

Em geral, pode-se dizer que a população dos países industrializados ocidentais tem um risco mais elevado de pólipos intestinais do que, por exemplo, os africanos ou os asiáticos. A partir deste facto, os investigadores concluem que a dieta desempenha um papel não negligenciável no desenvolvimento dos pólipos. Em particular, o consumo de carne e gorduras animais, assim como um baixo consumo de fibras vegetais, pode favorecer o desenvolvimento de pólipos intestinais.

Existem também algumas doenças hereditárias, embora raras, que estão associadas aos pólipos intestinais. Estes incluem a Polipose Adenomatosa Familiar (FAP) e a Síndrome de Polipose Hamartosa, que por sua vez se subdivide em Polipose Juvenil Familiar e Síndrome de Peutz-Jeghers.

Sintomas

Normalmente, os pólipos intestinais não causam quaisquer sintomas. Na maioria dos casos, eles são descobertos por acaso durante uma colonoscopia ou uma rectoscopia. À medida que o tamanho dos pólipos intestinais aumenta, os sintomas também aumentam. Estes incluem:

  • Diarreia ou prisão de ventre (a chamada "mudança de hábitos intestinais").
  • Sangue (em grandes pólipos hemorrágicos) e muco nas fezes
  • Anemia (anemia) devido à perda de sangue
  • Dificuldade em esvaziar os intestinos ou bloqueio da cavidade intestinal

Diagnóstico

Para diagnosticar os pólipos intestinais, o médico pergunta sobre o tipo de sintomas e qualquer histórico familiar. Ele então palpa cuidadosamente o reto com o dedo, pois é aqui que se encontra a maioria dos pólipos. A fim de fazer um diagnóstico confiável, as seguintes opções estão disponíveis:

  • Uma amostra de fezes é colhida e examinada para detectar vestígios de sangue (teste de sangue oculto fecal).
  • Através de uma colonoscopia, o médico pode examinar o cólon em pormenor. Caso o médico seja capaz de remover os pólipos imediatamente no decorrer deste exame, ele os examinará. Este exame também é usado para diagnosticar o cancro do cólon.
  • Se não for possível uma endoscopia, pode ser realizado um exame de raio-X com meio de contraste. Este exame torna possível ver todo o intestino.
  • Com a ajuda de uma colonoscopia por TC (colonoscopia virtual), os pólipos no intestino podem ser tornados visíveis.

Se um adenoma for encontrado no exame, todo o cólon deve ser examinado para outros adenomas. A probabilidade disso é de cerca de um terço.

Terapia

Como os pólipos intestinais não podem ser tratados com medicamentos, a única opção é remover os pólipos durante um exame endoscópico. Este é o método mais seguro, pois os pólipos podem formar precursores de tumores. Segue-se um exame ao microscópio (exame histológico).

Se este exame mostrar que não há alterações celulares, não haverá mais colonoscopia. Se, no entanto, algumas células dos pólipos já tiverem sofrido uma transformação, será realizada uma colonoscopia de controle após algum tempo. O tamanho de um pólipo determina o risco de desenvolver cancro do cólon.

Existe um risco aumentado de cancro do cólon no caso dos pólipos de cólon que raramente são hereditários. Neste caso, o cólon inteiro é removido como medida de precaução (colectomia), mesmo que ainda não se encontrem alterações. No decurso desta operação, o intestino delgado está ligado ao músculo do esfíncter do ânus, de modo que a defecação normal ainda é possível. Se a pessoa afetada for muito jovem, esta operação só é realizada após a puberdade.

Previsão

Os pólipos intestinais são normalmente benignos, mas no pior dos casos podem evoluir para cancro do intestino, razão pela qual são removidos pelo médico como precaução.

Se o adenoma for removido apenas parcialmente, podem formar-se novamente nódulos no mesmo local. Ao examinar o tamanho, número e forma dos adenomas, é possível avaliar se existe um risco elevado de câncer de intestino.

Prevenção

Mesmo uma dieta saudável não garante necessariamente que você não desenvolverá câncer de intestino.

Os seguintes exames estão disponíveis como parte da detecção precoce do cancro:

  • A partir dos 50 anos: exame de sangue oculto nas fezes, bem como exame de palpação do reto.
  • Desde os 55 anos de idade: Colonoscopia a cada dez anos. Se você não quiser fazer uma colonoscopia, você pode fazer um teste para sangue oculto nas fezes e uma palpação do reto a cada dois anos a partir dos 56 anos de idade.
  • Se houver um histórico familiar de pólipos adenomatosos ou se houver parentes na família que sofrem de pólipos, este exame deve ser feito mais cedo e com mais frequência.
  • Se tiverem sido removidos pólipos adenomatosos, deve ser realizada uma colonoscopia a cada três anos para detectar a formação de novos tumores a tempo.
Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.