Raiva

Raiva

Noções básicas

A raiva é uma doença infecciosa que geralmente é fatal e é transmitida principalmente de mamíferos para humanos. O patógeno da raiva é o lyssavirus.

Em todo o mundo, o número de mortes por Raiva é de cerca de 55.000 por ano, embora o número de casos não relatados seja provavelmente muito maior.

A maioria dos países europeus estão agora "livres de raiva". O último caso oficial de Raiva na Alemanha foi descoberto em uma raposa em 2006, enquanto que em 2007 a Raiva foi diagnosticada pela última vez em um homem que foi infectado por uma mordida de cão durante uma estadia no Marrocos.

Causas

A raiva é causada pelo lyssavirus, que é encontrado principalmente em animais florestais nos países industrializados. Estes podem transmitir ainda mais o vírus a animais domésticos e humanos. Na África, Ásia e América do Sul, por outro lado, o patógeno da Raiva é transmitido principalmente por cães, que são assim responsáveis pela maioria das mortes por Raiva no mundo inteiro.

A raiva é transmitida através da mordida de cães, gatos, raposas, guaxinins, gambás, chacais e lobos, eles próprios infectados com raiva. Insectívoros como por exemplo, ouriços e morcegos vampiros também são possíveis portadores. Menos comum, porém, é a transmissão através de herbívoros, tais como cavalos, caça miúda e gado, que podem eles próprios ser infectados mas não são considerados portadores.

O período de incubação é normalmente de três a oito semanas. Em casos raros, a infecção pode passar despercebida durante vários anos, até que eclode. No entanto, não são de esperar sintomas notáveis antes de nove dias. Se o local onde o vírus entrou no corpo está próximo do cérebro, pode esperar-se um período de incubação muito curto, uma vez que o vírus se esforça por encontrar o seu caminho para o cérebro ao longo dos nervos. Uma vez lá, o surto final da doença ocorre.

No caso de um simples contato, como por exemplo, de animais de estimação, com um animal infectado pela Raiva, o risco de infecção é bastante baixo, pois o vírus é transmitido principalmente através da saliva. Os vírus preferem entrar no corpo através de membranas mucosas ou feridas. Portanto, a maioria das pessoas fica infectada através de picadas ou arranhões.

Sintomas

Três fases podem ser distinguidas na doença da raiva.

A primeira fase (fase prodromal) caracteriza-se por sintomas não específicos como febre, dor de cabeça, náuseas, vómitos, dor abdominal, diarreia e possivelmente tosse. Mais tarde, pode haver também um aumento da irritabilidade à luz, ruído e correntes de ar. A febre aumenta constantemente.

À medida que a doença progride, ela atinge a fase aguda (fase de excitação). Aqui, sintomas como hiperactividade com contracções e convulsões musculares aparecem. Há um sentimento crescente de ansiedade, inquietação, agressividade, interrompido por fases depressivas e hidrofobia. A percepção visual ou acústica da água por si só pode levar a inquietações e convulsões, que se podem estender a toda a musculatura.

A terceira e última etapa (fase de paralisia) é caracterizada pela paralisia progressiva. A pessoa afectada fica em coma e acaba por morrer de paralisia respiratória. A raiva nunca toma um rumo positivo e acaba sempre fatalmente quando ela irrompe.

Diagnóstico

A raiva pode ser diagnosticada pelos sintomas clínicos típicos, assim como após um questionamento preciso da história prévia (anamnese) das queixas.

Para confirmar a suspeita de Raiva, o material genético (ARN) do patógeno da Raiva é detectado na saliva, na córnea do olho e no líquido cefalorraquidiano (LCR). Muitas vezes, nem mesmo é possível diagnosticar a Raiva com certeza desta maneira. Um diagnóstico definitivo muitas vezes só é possível após a morte do paciente.

Terapia

Para prevenir a infecção pela raiva, é melhor dar profilaxia. A vacinação oferece a mais alta proteção contra a Raiva. Se ocorrer uma mordida de animal, é importante limpar bem a ferida e enxaguar com água limpa. Soluções de sabão ou detergente também podem ser eficazes. Em seguida, a ferida pode ser desinfectada com álcool ou solução de iodo. No entanto, estes métodos não substituem uma visita ao médico, o que é essencial nesta situação.

De acordo com a OMS, a vacinação contra Raiva é mesmo aconselhável se apenas pequenos arranhões tiverem ocorrido ou se um animal tiver roído a pele. A vacinação contém tanto anticorpos prontos a usar (imunização passiva) como componentes de vírus mortos (imunização activa).

Quando aparecem os primeiros sintomas de Raiva, a vacinação ou administração do antissoro já é ineficaz. O objectivo da terapia posterior é apenas aliviar os sintomas. Após o primeiro aparecimento dos sintomas, a morte geralmente ocorre dentro dos próximos sete dias.

Previsão

Sem contramedidas médicas, a maioria das pessoas mordidas por animais raivosos contraem raiva.

A taxa de mortalidade é de 100% após o aparecimento dos sintomas, pois a paralisia dos músculos respiratório e cardíaco leva à morte em poucos dias.

Se houver suspeita de infecção por Raiva, a vacina ativa e passiva pode ser administrada retrospectivamente. Se esta vacina for administrada dentro de um período de tempo prescrito, a raiva pode ser virtualmente excluída.

Prevenção

Para pessoas que têm contato regular com animais, tais como veterinários ou silvicultores, a vacinação contra Raiva é definitivamente aconselhável ou mesmo essencial. Os turistas que viajam para áreas onde o risco de Raiva é aumentado também devem ser vacinados contra a Raiva.

Para prevenir a Raiva, o contato com animais aparentemente confiantes, como cães e gatos, deve ser evitado em geral. Nos trópicos e subtropicais, deve-se ter cuidado com qualquer animal, e especialmente com os cães de rua, pois suspeita-se que eles sejam raivosos. Em caso de arranhões ou mordidas, o médico deve ser consultado imediatamente, quem deve administrar a vacinação anti-rábica preventiva em qualquer caso antes de retornar do feriado. Portanto, a vacinação deve ser programada em tempo hábil antes de viajar para um país com risco de contrair Raiva.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.