Sarampo em adultos

Sarampo em adultos

Noções básicas

O sarampo é uma doença viral aguda e altamente infecciosa. Manifesta-se tipicamente em erupções cutâneas características e sintomas do tracto respiratório superior. O sarampo é extremamente fácil de transmitir e tem um potencial de infecção semelhante ao da varicela.

Muitas pessoas pensam no sarampo como uma doença infantil inofensiva, mas é uma doença grave que pode levar a sérias complicações, como pneumonia ou encefalite. As doenças dos adultos são geralmente mais graves e têm mais complicações do que as doenças da infância.

O sarampo causa imunidade vitalícia contra o vírus. Os recém-nascidos cujas mães sobreviveram a uma infecção por sarampo também adquirem imunidade através da placenta, mas esta só dura os primeiros meses de vida. Antes de uma vacinação protectora contra o sarampo ser introduzida, as epidemias de sarampo ocorriam geralmente a cada dois ou três anos. Como resultado, muitas crianças adoeceram desde tenra idade e foram capazes de construir uma protecção para toda a vida.

Com a introdução da vacinação, o número de doenças poderia ser muito reduzido. No entanto, as epidemias locais de sarampo ocorrem regularmente, pois hoje em dia a protecção vacinal das crianças é muitas vezes negligenciada pelos pais.

O sarampo é uma doença de declaração obrigatória na Áustria. Portanto, mesmo a suspeita da doença, mas é claro que também a doença e a morte por sarampo devem ser notificadas à autoridade administrativa distrital competente.

Causas

O sarampo é causado por uma infecção com o vírus do sarampo. O vírus é geralmente transmitido por contato direto ou como uma infecção por gotículas (os patógenos são transmitidos pelo ar, por exemplo, tossindo, espirrando ou falando). Só raramente a doença é transmitida indirectamente através de pessoas ou objectos saudáveis.

O período de incubação (tempo desde a infecção até ao aparecimento dos sintomas) é de oito a dez dias. A doença é contagiosa desde cinco dias antes do aparecimento da erupção cutânea até quatro dias após o seu aparecimento. Assim que as erupções cutâneas diminuíram, não há mais risco de infecção.

Sintomas

O sarampo tem tipicamente três fases:

Fase Prodromal / fase inicial

O período de incubação é seguido durante três a cinco dias pela fase prodromal, que se caracteriza pelos seguintes sintomas

  • Dor de garganta, febre até 41ºC, tosse, frio, bronquite, náuseas, conjuntivite (conjuntivite ocular).
  • Hipersensibilidade à luz
  • Em casos raros, as chamadas manchas Koplik (manchas brancas e calcárias sobre um fundo vermelho) aparecem na mucosa da boca na área oposta aos molares frontais.

Fase do exantema

Segue-se a fase de exantema durante cerca de três dias, durante os quais aparecem os seguintes sintomas:

  • Primeiro, uma irritação típica da mucosa (enanthem) do palato mole na zona da garganta é muitas vezes perceptível.
  • Segue-se a erupção cutânea nodular (maculopapular) manchada (exantema), característica do sarampo. Normalmente, a pele atrás das orelhas é afectada primeiro, de onde a erupção cutânea se espalha por todo o corpo em 24 horas.
  • A erupção cutânea é acompanhada por um novo aumento da febre até 40°C.
  • Inchaço dos gânglios linfáticos.
  • Também podem ocorrer pequenas hemorragias cutâneas.

Fase de recuperação

  • A erupção normalmente desaparece após quatro a cinco dias.
  • Após a erupção cutânea ter diminuído, a descamação da pele pode permanecer por um curto período de tempo.
  • No período após uma infecção por sarampo, a susceptibilidade a outras doenças é temporariamente aumentada devido ao enfraquecimento do sistema imunitário.
  • Se o curso da doença não for complicado, segue-se uma rápida recuperação, com imunidade vitalícia contra o vírus do sarampo.

Cursos atípicos

Sarampo mitigado: Isto refere-se a uma forma enfraquecida de doença do sarampo que pode ocorrer em recém-nascidos com imunidade de substituição através de anticorpos maternos ou em doentes que tenham sido tratados com preparações de anticorpos.

Sarampo branco: Isto pode ocorrer em pessoas com imunodeficiência (por exemplo, defeitos congénitos do sistema imunitário celular, terapia imunossupressora, SIDA, tumores malignos). Nestes casos, os sintomas típicos como a erupção cutânea estão frequentemente ausentes e pode haver um longo e grave curso da doença com uma taxa de complicação e mortalidade mais elevada do que o habitual.

Sarampo atípico: Esta é uma forma grave do curso da doença que ocorreu em pacientes vacinados com vacinas ativadas por formalina quando mais tarde entraram em contato com um vírus do sarampo do tipo selvagem. No entanto, estas vacinas foram utilizadas nos anos 60 e já não são utilizadas hoje em dia.

Diagnóstico

Como o sarampo tem um quadro clínico relativamente característico, o diagnóstico pode geralmente ser feito com base nos sintomas. Os anticorpos contra o vírus do sarampo podem ser detectados no laboratório pelo método ELISA. Também é possível detectar o RNA (material genético) do vírus do sarampo através da PCR.

Se o sarampo causar encefalite (inflamação do cérebro), o líquido cefalorraquidiano (LCR) é examinado para detectar a presença de vírus. O líquido cefalorraquidiano é tomado através de uma punção lombar (a seringa é inserida na região das vértebras lombares).

Terapia

No caso do sarampo, é importante que durante a fase aguda da doença seja observado um repouso rigoroso no leito. Não existe uma terapia específica contra o vírus do sarampo.

Os antipiréticos (medicamentos para reduzir a febre) e os antitússicos (supressores de tosse) estão disponíveis para terapia sintomática. Se houver uma infecção adicional com bactérias (por exemplo, uma infecção do ouvido médio ou pneumonia), estas doenças são tratadas com antibióticos. Como o corpo tem uma necessidade maior de líquidos devido à febre, é essencial que a pessoa doente beba muitos líquidos. A imunização passiva ou ativa após o contato com os patógenos pode efetivamente prevenir surtos de sarampo em pessoas anteriormente não vacinadas.

Enquanto os pacientes ainda forem contagiosos, não devem visitar instalações comunitárias (por exemplo, escolas, jardins de infância, creches).

Previsão

O sarampo não é, como muitas pessoas pensam, uma doença infantil inofensiva, mas uma infecção viral grave que pode levar a sérias complicações:

  • Otite média (inflamação do ouvido médio) ou pneumonia (inflamação dos pulmões) devido a uma infecção adicional com bactérias durante o curso da doença.
  • A meningoencefalite ocorre em cerca de 0,1% dos casos. Isto leva a uma inflamação do cérebro e das meninges, que é fatal em até 20% dos casos e causa danos permanentes no cérebro (por exemplo, paralisia ou distúrbios da fala) em 20-40%.
  • A panencefalite esclerosante subaguda é a complicação tardia mais temida do sarampo, com uma probabilidade de cerca de 1:100.000. É uma inflamação persistente do cérebro em que os nervos estão cada vez mais danificados. Os primeiros sintomas geralmente não se manifestam até sete anos após a contracção do sarampo. A doença leva à crescente deterioração mental (distúrbios mentais, demência, cãibras musculares, ataques epiléticos) e sempre à morte dentro de até três anos.
  • Em geral, cerca de um em cada 10.000 a 20.000 casos é fatal.

Prevenção

A vacinação contra o sarampo oferece uma protecção fiável contra a doença. Neste processo, o médico administra uma vacina viva atenuada, pela qual se formam anticorpos contra o vírus do sarampo no corpo, criando assim imunidade sem doença prévia.

Na Áustria, recomenda-se que todas as crianças sejam vacinadas duas vezes entre o 11º e 14º e entre o 15º e 23º mês de vida. Isto pode garantir imunidade vitalícia em 99% dos casos. Uma vacinação repetida (por exemplo, se a segunda vacinação foi esquecida) é oferecida gratuitamente no 7º ano de vida quando a criança inicia a escola e no 13º ano de vida. Para que o médico esteja seguro, pode ser feita uma análise ao sangue para verificar se ainda existe protecção suficiente contra o sarampo.

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.