Tinnitus (zumbido nos ouvidos)

Tinnitus (zumbido nos ouvidos)

Noções básicas

Tinnitus é um termo guarda-chuva para todas as formas de ruídos de ouvido ou de cabeça, sem uma definição mais precisa das suas causas. Os pacientes com tinnitus ouvem sons ou tons que são percebidos exclusivamente pelos próprios pacientes e não existem fora da cabeça. Outras pessoas, portanto, não conseguem ouvir os sons. Coloquialmente, isto é referido como zumbido nos ouvidos.

Segundo as estatísticas, cerca de dez milhões de pessoas na Alemanha já sofreram de zumbido pelo menos uma vez durante um período de tempo mais longo. Destes, cerca de três milhões precisavam de tratamento por um médico. Estima-se que 340.000 pessoas na Alemanha sofrem de tinnitus todos os anos.

Devido à crescente exposição ao ruído na adolescência (por exemplo, em concertos ou em discotecas), a frequência de zumbidos em adolescentes e adultos jovens está a aumentar constantemente.

Causas

O tinnitus pode ser causado por inúmeros distúrbios de saúde. Por exemplo, o zumbido nos ouvidos pode ser causado por danos no nervo auditivo ou no ouvido interno. Em muitos casos, as células finas do ouvido interno também são danificadas pelo ruído ou por infecções virais.

O desenvolvimento do tinnitus é favorecido pelos seguintes factores:

  • Stress e ruído: estes factores são suspeitos de ser a causa em cerca de metade dos casos de zumbido.
  • Perda auditiva interna
  • Perda auditiva: cerca de 70% dos pacientes sofrem de zumbido após uma perda auditiva.
  • Algumas doenças dos ouvidos: por exemplo, infecções do ouvido médio, perfuração do tímpano (lesões no tímpano), otosclerose (diminuição da mobilidade dos ossículos do ouvido médio) ou distúrbios funcionais da trompa de Eustáquio.
  • Tumores: Os ruídos no ouvido são frequentemente o primeiro sintoma de um tumor nos nervos auditivos e vestibulares.
  • Algumas doenças subjacentes fora do ouvido: por exemplo, doenças metabólicas (hipercolesterolemia: aumento do nível de colesterol), distúrbios circulatórios dos vasos sanguíneos na área da cabeça como resultado de arteriosclerose, hipertensão arterial (pressão alta), más oclusões, doenças da coluna cervical (por exemplo, chicotada).
  • Alguns medicamentos / envenenamento: por exemplo, antibióticos, analgésicos (como o ácido acetilsalicílico) ou antidepressivos.
  • Tensão na coluna vertebral ou nos músculos da articulação da mandíbula
  • Factores psicológicos: por exemplo, emoções fortes como a ansiedade ou o excesso de estímulo psicológico.

Sintomas

Mais precisamente, o zumbido não é uma doença, mas sim um sintoma como resultado de certos problemas físicos ou psicológicos. A gravidade dos sintomas pode variar muito, dependendo do paciente. As queixas mais frequentemente percebidas são ruídos unilaterais ou bilaterais que podem assemelhar-se a assobios, zumbidos, assobios, zumbidos, rachaduras ou silvos. Se os sons ocorrem sincronizados com o pulso, isso pode ser uma indicação de malformações ou estreitamento dos vasos sanguíneos na área da cabeça e pescoço. Muitas vezes há também uma redução simultânea da audição, em alguns casos também uma vertigem giratória.

O tinido pode ser dividido nos seguintes tipos, dependendo da sua gravidade individual:

  • Zumbido compensado: Neste caso, a pessoa afectada está consciente dos ruídos, mas é capaz de lidar bem com a exposição constante ao ruído. A pressão de sofrimento deste tipo de zumbido é baixa ou inexistente.
  • Zumbido descompensado: Tem um impacto maciço em todas as áreas da vida e leva a um sofrimento pronunciado. Como resultado do zumbido, podem ocorrer distúrbios do sono, distúrbios de concentração, depressão ou ansiedade.

Dependendo da duração do quadro clínico, é feita uma distinção entre os seguintes tipos:

  • Zumbido agudo: queixas que podem durar até três meses
  • Zumbido crónico: Os sintomas duram mais de três meses.

Dependendo se o zumbido nos ouvidos também pode ser percebido por pessoas de fora, é feita uma distinção entre os seguintes tipos de zumbido:

  • Otinnitus subjetivo: O tinnitus só pode ser percebido pela pessoa afetada.
  • Zumbido objectivo: No caso do zumbido objectivo, o zumbido nos ouvidos é baseado numa fonte sonora endógena que também pode ser percebida ou medida a partir do exterior, tais como os ruídos de fluxo devido a vasos apertados na zona da cabeça e pescoço. Contudo, o zumbido objectivo é extremamente raro em comparação com o zumbido subjectivo.

Uma outra distinção do zumbido pode ser feita com base na audição:

  • Tinnitus com perda auditiva: Aqui, além do tinnitus, há uma restrição da capacidade auditiva.
  • Tinnitus sem perda auditiva: A capacidade auditiva permanece totalmente intacta.

Diagnóstico

Uma vez que o zumbido pode ser causado por outras doenças subjacentes que requerem tratamento agudo, o primeiro passo é tentar identificá-las. Para este fim, são realizados alguns exames, como a anamnese (fazendo o historial médico), um exame detalhado da zona do ouvido, nariz e garganta, um microscópio de ouvido, teste de equilíbrio, testes de audição, nasofaringoscopia (espelhamento da zona do nariz e garganta) e, em certos casos, uma audiometria do tronco cerebral.

Além disso, o limiar de som acima do qual o zumbido não é mais percebido (nível de mascaramento) é determinado. Para este efeito, são emitidos sons diferentes para o paciente através de auscultadores até se atingir o volume em que o tinnitus é mascarado.

Com a ajuda de um exame de sangue, podem ser determinadas possíveis inflamações ou um aumento do nível de colesterol. Ao medir a pressão arterial, a hipertensão (pressão arterial elevada) pode ser diagnosticada. Um exame do sistema mastigatório pode revelar possíveis más oclusões ou distúrbios da articulação temporomandibular. Um exame ortopédico pode descartar o envolvimento da coluna cervical.

Em alguns casos, os procedimentos de imagem também são realizados. Em particular, a ressonância magnética (RM) é utilizada para excluir certos tumores (por exemplo, neuroma acústico, paraganglion) ou a sonografia Doppler (exame ultra-sonográfico) dos vasos do pescoço.

Terapia

Uma opção terapêutica importante é identificar e eliminar as causas do tinnitus. No entanto, muitas vezes não é possível determinar estes exactamente. Dependendo se o zumbido é agudo ou crônico, existem diretrizes claras de tratamento que são baseadas no curso do tempo e na gravidade da doença.

Zumbido agudo

No caso de zumbido agudo, é especialmente importante iniciar o tratamento o mais cedo possível - idealmente nos primeiros dias após o início do zumbido nos ouvidos. As seguintes medidas, entre outras, podem ser levadas a cabo:

  • Terapia de infusão: Neste caso, o paciente recebe medicação para melhorar a circulação sanguínea através de uma infusão, que se destina a melhorar o fornecimento de sangue e oxigénio ao ouvido interno.
  • Cortisona: Se houver suspeita de que o zumbido tem uma causa inflamatória, é administrada uma infusão de cortisona.
  • Terapia em câmara de pressão (oxigenoterapia hiperbárica): Se as terapias acima mencionadas não conseguirem qualquer melhoria, pode ser realizada uma terapia em câmara de pressão.
  • Tratamento físico-médico ou fisioterapêutico: Estes procedimentos podem ser utilizados se lesões ou malposições da coluna cervical forem a causa do zumbido.
  • Tratamento ortodôntico: é realizado se os desalinhamentos da dentição ou da articulação temporomandibular desencadearem o zumbido.

Zumbido crónico

Se o paciente sofre de zumbido crónico, os cuidados médicos intensivos revestem-se de particular importância. É importante que o paciente aprenda a lidar com o seu constante zumbido nos ouvidos na vida diária. A redução do stress e métodos especiais de relaxamento como o treino autogéneo ou o yoga também podem promover o processo de cura.

Com a ajuda de abordagens psicoterapêuticas, especialmente aqueles pacientes que estão inseguros, deprimidos ou ansiosos por causa do zumbido. A terapia cognitiva comportamental, entre outras, tem provado ser eficaz neste contexto.

Ao utilizar aparelhos auditivos especiais, como máscaras de zumbido ou geradores de ruído, a percepção do zumbido pode ser suprimida. Eles assemelham-se visualmente a aparelhos auditivos e produzem continuamente um ruído que distrai dos sons de zumbido ou os cobre completamente. Em alguns casos, também é realizada uma terapia de tinnitus retraining (TRT). No TRT, os aparelhos auditivos são ajustados. Além disso, várias sessões de aconselhamento, nas quais são oferecidas educação e aconselhamento (aconselhamento) e apoio psicoterapêutico, são concluídas ao longo de um período de cerca de 18 meses. Através da utilização destes aparelhos auditivos especiais em combinação com uma terapia de reciclagem do tinnitus, é possível obter bons resultados de tratamento.

Se, além do zumbido, houver uma redução na audição, o uso de aparelhos auditivos pode ser útil. No caso de perda auditiva neurossensorial grave, esta pode ser tratada com um eletrodo de ouvido interno (implante coclear). Em muitos casos, o zumbido desaparece completamente ou pelo menos os sintomas melhoram quando a audição é restaurada.

Previsão

No zumbido agudo, uma chamada cura espontânea ocorre em cerca de 60 a 80 por cento dos casos. Isto significa um súbito desaparecimento completo do zumbido nos ouvidos. O zumbido crónico só cicatriza espontaneamente em casos excepcionais.

No entanto, os sintomas de zumbido crónico melhoram frequentemente ao longo do tempo. Na maioria dos casos, após cerca de 18 meses, os doentes percebem que o zumbido nos ouvidos é muito mais silencioso do que no início da doença. Raramente, no entanto, os sintomas podem aumentar de intensidade com o tempo.

Prognóstico com terapia

Em geral, o prognóstico é melhor se o tratamento precoce do zumbido agudo for iniciado. No caso de zumbido agudo, o melhor resultado pode ser alcançado com a ajuda de uma terapia de infusão de cortisona. O objetivo do tratamento é eliminar completamente o zumbido nos ouvidos.

No caso do zumbido crónico, a eliminação completa do zumbido nos ouvidos só raramente pode ser conseguida. Neste caso, os melhores sucessos terapêuticos podem ser alcançados através da aprendizagem de determinadas estratégias de processamento - o paciente aprende, por exemplo, a não mais perceber o zumbido ao ouvir especificamente longe dele.

Complicações do tinnitus

Se a pessoa afetada não conseguir se acostumar com o zumbido, também podem ocorrer as seguintes queixas:

  • Depressão
  • Distúrbios do sono
  • Dores de cabeça
  • Dor de estômago
  • Ansiedade

Em casos excepcionais, estas queixas secundárias podem mesmo levar à incapacidade para o trabalho. Com a ajuda de uma terapia de combinação médico-psicológica, o estresse causado pelo zumbido pode ser significativamente reduzido na fase inicial e possivelmente até mesmo uma cronificação da doença pode ser evitada.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.