Tosse convulsa (tosse convulsa)

Tosse convulsa (tosse convulsa)
Classificação Internacional (CID) A37.-

Noções básicas

A tosse convulsa é uma doença respiratória grave e de longa duração causada pela bactéria da tosse convulsa (Bordetella pertussis). O nariz, a garganta, a traqueia e os pulmões estão afectados. Uma característica da tosse convulsa é a tosse espasmódica severa que pode levar a asfixia ou, em um por cento dos casos, até a morte. Durante os ataques, normalmente ouvem-se sons de pieira ao respirar.

A tosse convulsa é uma doença altamente contagiosa. Além disso, doenças secundárias, como pneumonia e infecções do ouvido médio, ocorrem frequentemente. A infecção é particularmente perigosa para crianças pequenas com menos de seis meses de idade, uma vez que pode ocorrer uma paragem respiratória súbita.

Uma vez que muitas pessoas hoje em dia prescindem de uma vacinação ou de um reforço de vacinação contra a tosse convulsa, o número de casos está novamente a aumentar. Entre 2002 e 2006, por exemplo, foram registrados cerca de 13.000 casos nos novos estados federais da Alemanha. No início da década de 1980, metade de todos os pacientes com tosse convulsa ainda tinham menos de um ano de idade; entre 2001 e 2004, 60% dos casos já se encontravam entre adultos com mais de 20 anos de idade. A taxa crescente de pacientes adultos deve-se ao fato de que a vacinação só fornece proteção por cerca de quatro a doze anos e que as pessoas muitas vezes não recebem um reforço.

Crianças e adultos com infecção por tosse convulsa devem ficar em casa durante a fase contagiosa da doença, pois o elevado potencial de infecção pode pôr em perigo muitas outras pessoas.

Causas

A tosse convulsa é desencadeada pela bactéria Bordetella pertussis. É transmitida por infecção por gotículas, o que significa que os germes entram no ar quando os doentes afectados tossem, espirram ou falam. Outras pessoas podem agora respirar estes germes a uma distância de até um metro e também ficar doentes com tosse convulsa.

A Bordetella pertussis liberta várias proteínas, algumas das quais são responsáveis pelos sintomas da doença como toxinas. Outras proteínas garantem que as bactérias aderem bem às camadas superiores da pele das mucosas do tracto respiratório e podem multiplicar-se aí.

Sintomas semelhantes à tosse convulsa também podem ser causados por bactérias da espécie Bordetella parapertussis, mas uma infecção com este patógeno é geralmente mais curta e inofensiva.

Sintomas

A doença da tosse convulsa progride em três fases, cada uma das quais acompanhada de sintomas diferentes. Estes estágios são chamados catarro, convulsivum e decrementi de estágio.

  • Estágio catarral: Após um período de incubação de 7 a 14 dias, existem sintomas inespecíficos semelhantes aos da gripe, tais como constipação, febre ligeira, dor de garganta e tosse seca e irritante. Nesta fase, que dura cerca de uma a duas semanas, a pessoa afectada já é contagiosa.
  • Convulsivum de fase: Na segunda fase, ocorre a típica tosse forte, súbita e com cãibras, que se encaixa com a língua de fora. Ao respirar, um som semelhante a um whoop pode ser ouvido - o chiado característico. Os ataques são frequentemente acompanhados por regurgitação de muco vítreo e vómitos. Os ataques de tosse ocorrem frequentemente durante a noite ou são desencadeados por influências externas, como esportes ou estresse. Num em cada quatro casos, existem também doenças graves concomitantes, tais como infecções do ouvido médio, perda de peso grave, hérnias ou pneumonia. A fase convulsiva pode durar de duas a quatro semanas.
  • Decrementi fase: Na última fase, o número e a gravidade dos ataques de tosse diminui lentamente. Sem tratamento antibiótico, passam mais seis a dez semanas até que a doença termine completamente.

Nos adultos, a tosse convulsa raramente é acompanhada de febre e formigueiro na garganta, ao contrário do que acontece com as crianças. Também é possível que a tosse seja contínua durante um longo período de tempo, em vez de ser limitada a ataques individuais.

Diagnóstico

Na idade adulta, a tosse convulsa geralmente se manifesta como uma tosse de longa duração e, portanto, muitas vezes não é diagnosticada. O diagnóstico é mais fácil quando ocorrem sintomas típicos, tais como ataques violentos e prolongados de tosse.

Em bebés, o patogénico Bordetella pertussis pode ser facilmente detectado através de um esfregaço da mucosa nasal. Em adolescentes e adultos, porém, este método não é confiável e muitas vezes dá resultados falsos. O material genético da bactéria pode ser detectado de forma confiável em laboratórios usando uma reação em cadeia da polimerase (PCR), mas esta é uma técnica de diagnóstico cara e demorada.

No decurso posterior da doença - no mínimo desde a fase convulsiva - podem ser detectados anticorpos contra proteínas específicas de Bordetella pertussis no sangue e, assim, pode ser feito um diagnóstico fiável.

Terapia

Em adultos e crianças mais velhas, não são normalmente esperadas complicações graves de coqueluche.

Os antibióticos são o tratamento de escolha. Embora estes possam encurtar e mitigar significativamente o curso da doença apenas se administrados a tempo, impedem que outras pessoas nas proximidades da pessoa doente fiquem infectadas.

Os antibióticos azitromicina, claritromicina, roxitromicina e eritromicina são recomendados pelo Instituto Robert Koch alemão como a primeira escolha no tratamento da tosse convulsa.

Previsão

Uma infecção por tosse convulsa pode persistir por várias semanas a meses. Se não for tratado, existe o risco de infecção desde o início dos primeiros sintomas, até três semanas, até à fase convulsiva. O tratamento antibiótico elimina o perigo em cinco dias, mas é ineficaz contra a tosse.

As doenças concomitantes ocorrem mais frequentemente em crianças do que em adultos. Complicações tais como infecções do ouvido médio ou pneumonia ocorrem em cerca de um quarto dos casos.

Prevenção

Existem vacinas eficazes e bem toleradas para a profilaxia primária. Recomenda-se que as crianças sejam vacinadas três vezes em intervalos de quatro semanas a partir do terceiro dia de vida. Uma quarta vacinação, no quarto ano, completa a imunização básica. Em seguida, as vacinas de reforço devem ser administradas entre os cinco e seis anos de idade e entre nove e dezessete anos.

O efeito protector da vacinação contra a tosse convulsa é mantido por cerca de dez a um máximo de vinte anos. Depois de uma infecção ter sido superada, existe imunidade natural para os próximos três anos.

Até agora, não existe uma única vacina para crianças mais velhas e adultos que permita uma imunização básica. No entanto, existem vacinas combinadas contra o tétano, difteria, coqueluche e poliomielite que podem produzir um nível adequadamente elevado de anticorpos contra a Bordetella pertussis em adultos. Muitas vezes, apenas uma dose de vacina é necessária em adultos, porque eles já tiveram contato com a bactéria na infância. Para proporcionar melhor proteção indireta aos bebês, pais, parentes próximos e outros cuidadores devem ter proteção adequada de vacinação. Se houver risco de infecção com tosse convulsa, recomenda-se também que os contactos próximos da pessoa com a doença tomem medicação preventiva.