Traumatismo cranioencefálico

Traumatismo cranioencefálico

Noções básicas

Um trauma craniocerebral ocorre no curso de uma violência externa e resulta em uma lesão no cérebro.

A função do crânio posterior é proteger o cérebro de lesões, encerrando-o. Na sua base, o crânio liga-se à coluna cervical. O crânio facial anterior transporta a órbita do olho, assim como os maxilares superior e inferior.

Uma grande proporção de fraturas crânio pode causar lesões cerebrais como resultado. Por outro lado, também podem ocorrer concussões ou contusões cerebrais sem consequências. No entanto, lesões cerebrais graves também podem levar a hemorragias no tecido cerebral subjacente ou a contusões cerebrais.

Os efeitos mais graves de uma lesão cerebral traumática são hemorragias no cérebro. Isto pode ocorrer imediatamente após a lesão, ou pode ser adiado por até 48 horas. Por este motivo, os pacientes com lesões na cabeça devem ser monitorizados e tratados como pacientes internados.

Estimativas sugerem que 332 pessoas na Alemanha são vítimas de um traumatismo cranioencefálico todos os anos. Na sua maioria, estas lesões não são muito graves, mas muitas das pessoas afectadas sucumbem às graves consequências. Especialmente no início da vida adulta, as lesões craniocerebral estão entre as causas mais frequentes de morte.

Causas

A causa de um trauma craniocerebral é uma força externa, tal como um golpe ou uma queda. Os ossos do crânio podem partir-se e, consequentemente, o cérebro pode ficar ferido. Neste caso, falamos de um trauma craniocerebral no sentido médico.

Sintomas

Além das dores de cabeça, vários outros sintomas podem indicar uma lesão cerebral traumática:

  • Perturbações da consciência que vão da sonolência à inconsciência.
  • Desorientação
  • Confusão
  • Perturbações emocionais, tais como agressão
  • Náuseas e vómitos
  • Distúrbios visuais
  • Tonturas graves na fiação
  • Ataques epilépticos

Os médicos dividem o traumatismo cranioencefálico (SHT) em três fases:

  • Lesão cerebral traumática leve (SHT1): breve perda de consciência (segundos a 30 minutos no máximo, perda de memória para o tempo após o evento durar menos de 60 segundos), efeitos tardios são improváveis
  • Lesão cerebral traumática moderada (SHT2): inconsciência por mais de 30 minutos, os efeitos tardios também são raros aqui.
  • Lesão cerebral traumática grave (SHT3): Inconsciência prolongada, efeitos tardios são de se esperar.

Mais de 90% das lesões craniocerebrais são de forma leve (SHT1). Além disso, a pontuação na Escala de Coma de Glasgow (GCS) determina a gravidade da lesão cerebral traumática. Nesta classificação, a pessoa afectada recebe um certo número de pontos por certas reacções de que é capaz durante o exame de orientação no local do acidente. As reacções típicas incluem:

  • Abertura dos olhos
  • Reacção a estímulos de dor
  • Expressões verbais

No final, os pontos são somados. A melhor pontuação que pode ser alcançada é 15, a pior 3. As lesões cerebrais traumáticas leves têm geralmente uma pontuação de GCS de 13 a 15 (moderada: 9 a 12, grave: 5 a 8). Atualmente, uma quarta etapa também se distingue nas lesões craniocerebral, que descreve os casos mais graves (GCS valor 3-4).

Nestes pacientes, que normalmente estão inconscientes, faltam os reflexos pupilares no início ou estes são claramente mais lentos. Em geral, pode-se assumir que estes pacientes têm danos significativos no tronco cerebral, que é responsável pelo controle da respiração e da circulação, entre outras coisas.

Diagnóstico

Pacientes com trauma craniocerebral devem receber esclarecimento neurológico e cirúrgico imediato. As instituições adequadas para isso são os departamentos de emergência dos hospitais.

Se a suspeita de um trauma craniocerebral for confirmada, é tarefa do médico descobrir quais foram as circunstâncias que causaram o acidente. No melhor dos casos, as testemunhas do acidente ou os paramédicos são interrogados. O objetivo é reconstruir o curso do acidente da forma mais realista possível, a fim de ter uma idéia de quanto tempo a pessoa ferida esteve inconsciente.

A extensão das maiores fraturas ósseas do crânio, especialmente se os fragmentos individuais forem deslocados uns contra os outros, pode ser bem determinada com base em um raio-X. Entretanto, o foco principal de todo trauma craniocerebral é o exame por meio de tomografia computadorizada (TC), pois esta é a única maneira de excluir possíveis danos cerebrais. A TC é considerada o exame mais confiável imediatamente após o acidente, pois é a melhor maneira de detectar hemorragias cerebrais, hematomas e outras lesões. No entanto, se a TC não apresentar quaisquer anomalias, mas os sintomas relacionados com o acidente persistirem, será encomendada uma ressonância magnética (RM).

Para além destes exames, o médico colhe uma amostra de sangue para determinar a quantidade de plaquetas sanguíneas (trombócitos) e outros parâmetros de coagulação.

Terapia

Se houver apenas um ligeiro trauma craniocerebral, pode ser dispensada uma hospitalização em determinadas circunstâncias. Este é o caso se, por exemplo, houver apenas uma curta perda de consciência (menos de 15 minutos) e uma perda de memória de menos de 30 minutos imediatamente após o acidente. No entanto, os pré-requisitos para este tratamento ambulatorial são que a TC não seja notória e que o paciente não tenha apresentado nenhuma queixa desde o acidente.

Se o paciente sofreu um traumatismo cranioencefálico mais grave, ele ou ela deve ficar sob observação hospitalar por pelo menos 24 horas. Isto é especialmente verdade para os doentes que também estão a tomar um medicamento para diluir o sangue (anticoagulação), uma vez que correm um risco acrescido de hemorragia cerebral retardada.

Raramente é necessário o tratamento cirúrgico por um neurocirurgião. Este só é o caso se houver uma grande hemorragia para prevenir hemorragias secundárias ou para aliviar o tecido cerebral circundante da pressão do sangue.

O tratamento posterior do trauma craniocerebral depende do dano causado ao cérebro. As fraturas crônicas comuns não necessitam de nenhum tratamento adicional especial. Por outro lado, lesões cerebrais graves podem tornar essencial a admissão em uma clínica especial ou em um centro de reabilitação precoce.

Previsão

Se o paciente sofrer apenas um pequeno trauma craniocerebral, a probabilidade de complicações como distúrbios de cicatrização de feridas, infecções ou sangramento secundário é muito baixa. A taxa de mortalidade também é muito baixa aqui.

No caso de um trauma craniocerebral grave, porém, não se pode descartar a possibilidade de danos permanentes. Estes podem ser pequenos distúrbios de personalidade ou de memória, assim como graves défices, como uma vigília em coma (síndrome apálica).

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.