Úlceras de pressão (escaras)

Úlceras de pressão (escaras)

Básico

O quadro clínico comum das úlceras de pressão (decúbito, úlcera decubital) pode ser descrito como danos na pele e nos tecidos por baixo. As áreas mais frequentemente afectadas por úlceras de pressão incluem as nádegas e o calcanhar. Estima-se que um em cada 10 a 30 pacientes do hospital sofre de uma úlcera de pressão.

No entanto, a taxa de doentes com úlceras de pressão em lares de idosos é ainda maior. Aqui, em média, 45 em cada 100 pacientes são provavelmente afectados.

Uma vez que o tratamento da úlcera de pressão é muito caro (50.000 euros em média ou 1 a 2 mil milhões de euros por ano, segundo o Instituto Alemão para a Inovação nos Cuidados de Saúde e Investigação Aplicada) e a doença é uma condição extremamente dolorosa e desagradável para o doente, é importante evitá-la.

Causas

Se for exercida demasiada pressão sobre o tecido subjacente, isto pode levar ao aparecimento de úlceras de pressão. Os factores decisivos para a ocorrência de úlceras de pressão são também factores de risco especiais do doente, bem como a duração da alta pressão sobre o tecido.

Se a pressão exceder um determinado valor, os vasos sanguíneos podem ser comprimidos e morrer devido à deficiência de oxigénio e nutrientes.

Deitado e sentado:

O risco de desenvolver úlceras de pressão é particularmente elevado quando a mobilidade é muito limitada, ou seja, os doentes só podem sentar-se ou deitar-se durante um longo período de tempo. Este grupo de risco inclui sobretudo pessoas idosas que estão confinadas à cama devido a doenças agudas ou crónicas, ou pessoas que dependem de uma cadeira de rodas. Pode também afectar frequentemente os diabéticos que são menos sensíveis à pressão externa e não a percebem na medida adequada.

As feridas de pressão são particularmente comuns em áreas onde há mais pressão sobre o tecido. Isto inclui, acima de tudo, lugares onde há pouca gordura e tecido muscular, e assim os ossos não são protegidos. Os locais onde os ossos estão diretamente sob a pele incluem as nádegas, os grandes trocânteres na parte externa da coxa e os calcanhares, sendo os calcanhares e as nádegas os locais mais comuns. No entanto, também podem ser possíveis locais de origem incomuns, dependendo da posição do paciente ou da postura sentada. Estes incluem as orelhas, a parte de trás da cabeça, as omoplatas e os dedos dos pés.

Em casos raros, podem ocorrer úlceras de pressão quando o paciente está numa posição propensa, durante uma operação, por exemplo. Neste caso, os joelhos, a face, a área púbica e a parte superior dos pés são os locais de risco primário para a formação de úlceras de pressão.

Se um paciente estiver confinado a uma cadeira de rodas, por exemplo, após uma paraplegia, é mais provável que se desenvolvam úlceras de pressão na zona do calcanhar, nádegas, dedos dos pés ou joelhos.

O fornecimento de sangue e a drenagem estão comprometidos:

Outro problema é a interrupção do fornecimento de sangue devido ao aumento da pressão e à diminuição do fluxo através dos vasos sanguíneos venosos. Esta condição provoca um aumento dos metabolitos ácidos no tecido, o que desencadeia um reflexo natural em pessoas saudáveis: o movimento alivia a parte afectada do corpo e, como resultado, a pressão diminui e o fluxo sanguíneo para o tecido volta ao normal.

No entanto, se uma pessoa se move de forma insuficiente, como no caso de pacientes acamados, há um acúmulo de produtos metabólicos ácidos e uma dilatação relacionada dos pequenos vasos sanguíneos arteriais. Isto resulta em vermelhidão da pele, já que o fornecimento de sangue é aumentado devido à dilatação. Outro fenómeno é que o fluido sai dos vasos sanguíneos para o tecido circundante. Isto causa inchaço do tecido, com a acumulação de água entre as células. Além disso, pode-se observar que as bolhas se formam e o tecido é assim mais extensamente destruído.

Pele fina e inelástica:

Uma vez que as úlceras de pressão afectam sobretudo as pessoas mais velhas, cuja pele perde elasticidade e firmeza com o tempo, "deslizando na cama" pode causar abrasão da pele normalmente fina. Isto pode levar à separação de camadas inteiras de pele.

Outros fatores decisivos para o desenvolvimento de uma ferida de pressão são o estado nutricional e a idade do paciente, bem como a causa do confinamento na cama. Se a pele já estiver danificada por doenças anteriores, como acontece frequentemente com diabéticos, por exemplo, uma ferida de pressão pode desenvolver-se em menos de 2 horas. Se os pacientes têm menos gordura protetora, o osso também é exposto a pressão mais alta.

Outra causa de desenvolvimento é a redução do controle sobre a urina ou fezes e a constante umidade associada na área do ânus ou da vagina. Como a pele húmida suaviza mais rapidamente, uma úlcera de pressão é mais facilmente formada. Os analgésicos e outros medicamentos também podem aumentar o risco de uma úlcera de pressão.

Síntomas

A gravidade das úlceras de pressão pode ser dividida em 4 graus e é avaliada com base nas mudanças na pele.

No início (fase I), há um avermelhamento da área da pele afetada que não desaparece. A vermelhidão, que é uma área precisamente definida, não desaparece mesmo quando a pressão sobre o tecido é aliviada. Em alguns casos, nota-se um endurecimento e aquecimento da pele, mas a pele ainda está num estado intacto.

No entanto, se a pressão persistir, ocorre a fase II. Isto é caracterizado por bolhas na pele e abrasão da camada superior da pele. A ferida resultante, embora aberta, ainda é superficial.

Na fase III, a úlcera de pressão já alcança os músculos e forma uma úlcera profunda e aberta.

Se a úlcera atingir a fase IV, os ossos expostos podem ser vistos. A destruição da pele, músculos, ossos, articulações e tendões ocorre.

Diagnóstico

De forma a prevenir uma úlcera de pressão, é essencial verificar regularmente as áreas em questão nas pessoas em risco, pois uma úlcera de pressão é facilmente visível a olho nu. Infelizmente, como a monitorização regular nem sempre é feita, as úlceras de pressão não são frequentemente detectadas até à fase III.

Para reduzir o risco de desenvolver uma úlcera de pressão, alguns pacientes, tais como utilizadores de cadeiras de rodas, podem usar um espelho para olhar para áreas difíceis de ver. Outra opção é pedir ajuda à família e amigos.

Se existe o risco de desenvolver uma úlcera de pressão, é aconselhável manter um olho na área em risco e verificá-la regularmente. Em uma clínica ou asilo, esta é a tarefa da equipe de enfermagem para detectar uma possível dor de pressão em uma fase inicial.

Um método simples pode ajudar a detectar uma ferida de pressão: o teste do dedo. Neste teste, a pele do paciente, que é avermelhada numa determinada área, é pressionada. Se a vermelhidão não diminuir, já se pode assumir que uma úlcera de pressão estágio I está presente.

Terapia

Em geral, quanto mais cedo uma úlcera de pressão for reconhecida pelos médicos ou pelo pessoal de enfermagem, mais eficazmente pode ser tratada. Uma terapia em duas partes é então normalmente aplicada. Por um lado, o médico aplica uma terapia local e, por outro, uma terapia causal é usada para tratar os factores que causam a úlcera de pressão.

Terapia local:

O propósito desta terapia é remover tecido morto (desbridamento). Isto pode ser feito cirurgicamente usando um bisturi (privação cirúrgica), ou usando enzimas (privação enzimática) ou larvas de mosca (privação biocirúrgica, terapia com larvas). Se necessário, a ferida é desinfectada e tratada com pensos húmidos.

Em alguns casos, são necessários métodos de tratamento técnico, como a técnica de selagem a vácuo (sistema VAC).

Terapia causal:

Para prevenir permanentemente uma úlcera de pressão, os pontos de pressão em risco devem ser aliviados. Para este fim, o paciente deve ser posicionado adequadamente com a ajuda de colchões especiais de decúbito ou camas especiais e reposicionado regularmente.

A fim de evitar uma redução das almofadas protetoras de gordura, é importante fornecer ao paciente calorias, proteínas, vitaminas e minerais suficientes. Uma dieta especial também pode ajudar aqui. Se necessário, também podem ser usados medicamentos para as dores. O exercício regular no contexto da fisioterapia ou pela equipe de enfermagem previne a tensão unilateral em uma determinada parte da pele e melhora a circulação sanguínea. Para criar bem-estar geral para o paciente, é importante que as doenças concomitantes sejam tratadas e que o paciente esteja psicologicamente bem e que a depressão seja evitada.

Se a úlcera de pressão ainda for classificada como estágio I-III, a terapia conservadora é normalmente suficiente e não é necessária qualquer cirurgia. No entanto, se a fase IV ocorrer, uma intervenção cirúrgica é muitas vezes inevitável, na qual a úlcera e ocasionalmente também parte do osso é removida.

Previsión

De modo a dar um prognóstico para uma úlcera de pressão, é necessário ter em conta o bom andamento do tratamento e quais as doenças concomitantes de que o doente também sofre.

Como já foi mencionado, a probabilidade de cura também depende da fase em que a úlcera de pressão é detectada. Quanto mais cedo for diagnosticada uma úlcera de pressão, maior é a probabilidade de cura e mais rápido é o processo de cura. Se, além disso, os riscos de má cicatrização de feridas, como a diabetes, forem reduzidos, as úlceras de pressão cicatrizam muito rapidamente.

Prevención

Uma vez que as úlceras de pressão causam frequentemente grandes dores e restrições na vida quotidiana, bem como nos tempos livres, muitos doentes retraem-se e podem por vezes desenvolver depressão. Estes são um grande fardo para qualquer pessoa afectada, até porque leva muito tempo para que sejam tratados ou tratados com sucesso.

De forma a prevenir uma úlcera de pressão desde o início, é importante conhecer os riscos e avaliá-los individualmente para cada paciente. Isto inclui a mobilidade e actividade do paciente, bem como a capacidade de reagir ao desconforto da pressão. Além disso, deve ser avaliado o estado nutricional da pessoa afectada, a hidratação da pele e as forças de cisalhamento sobre a pele. Para levar em conta todos os fatores acima, os lares de idosos utilizam certos formulários de documentação, como a escala de Braden. Aqui, são dados pontos de 1 a 4 para certos fatores de risco e somados no final. Se o resultado for 18 ou menos, não há risco de úlcera de pressão, mas se o valor for inferior a 9, o paciente tem um risco muito elevado de úlcera de pressão.

Medidas preventivas:

A fim de evitar feridas de pressão, vários pontos devem ser levados em conta:

  • O posicionamento correcto em certos colchões e o reposicionamento regular são importantes para evitar feridas de pressão.
  • Exercícios frequentes de movimentação e mobilização com o apoio de pessoal de enfermagem e/ou fisioterapeutas
  • Promover a "mobilidade mental" do paciente, lendo, ouvindo o rádio, vendo TV, conversando com os outros
  • Para pacientes em risco, é aconselhável usar um colchão especial que garanta que a pressão sobre uma determinada superfície corporal seja distribuída por uma área de contato maior. Os colchões modernos têm um motor integrado que muda constantemente e controla a pressão no colchão.
  • Com a ajuda da microestimulação MiS, é feita uma tentativa de dar ao paciente mais sensação corporal através de uma espécie de colchão controlado eletricamente. Isto é conseguido através do toque e de pequenos movimentos que encorajam o paciente a mover-se de forma independente.
  • Cuidados com a pele adequados ao tipo de pele do paciente
  • Os factores de risco, tais como o estado da pele, podem ser melhorados através de uma dieta equilibrada. Os fatores mais importantes são calorias, proteínas, vitaminas e oligoelementos suficientes.
  • As doenças subjacentes e concomitantes devem ser tratadas principalmente

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.