10 medidas para umas férias despreocupadas apesar da alergia ou da intolerância

A mulher espalha os seus braços. Natureza com árvores no fundo

Anúncio

Cerca de uma em cada três pessoas na Alemanha sofre de pelo menos uma alergia - e a tendência é para aumentar. Além disso, estima-se que 25 a 30 por cento têm uma intolerância alimentar. Na vida quotidiana, estas significam frequentemente grandes restrições e podem reduzir consideravelmente a qualidade de vida, causando queixas como dor abdominal, problemas respiratórios ou comichão, dependendo do gatilho. Especialmente nas férias, existem perigos a este respeito, uma vez que nem sempre é possível evitar de forma fiável os alergénios. Para que ainda possam desfrutar do seu tempo livre, as pessoas com alergias ou intolerâncias devem, portanto, tomar medidas preventivas.

A mulher espalha os seus braços. Natureza com árvores no fundo

/ Foto: stock.adobe.com / © detailblick-foto

Alergias comuns na Alemanha

No caso de uma alergia, ocorre uma reacção excessiva do sistema imunitário, que no pior dos casos pode terminar fatalmente - no chamado choque anafiláctico. Esta reacção é desencadeada por alergénios, que podem assumir muitas formas diferentes.

Entre os gatilhos mais comuns neste país estão

  • Pólen,
  • ácaros do pó,
  • pêlo animal,
  • comida,
  • venenos de insectos,
  • moldes
  • ou os chamados alergénios de contacto, que estão contidos em joalharia ou cosméticos, por exemplo.

No entanto, os alérgicos reagem frequentemente apenas a alergénios específicos, ou seja, apenas a certos pólen de flores ou pêlos de um tipo de animal. Por conseguinte, é importante determinar os gatilhos em cada caso individual através de um exame médico.

Só se as pessoas afectadas souberem exactamente a que são alérgicas, poderão evitar estes alergénios na vida quotidiana ou nas férias. Além disso, podem preparar-se para emergências a fim de reagir rapidamente antes que a reacção alérgica se torne uma ameaça à vida. Este é, portanto, um tema que não deve ser encarado de ânimo leve.

O teste de alergia é realizado por um especialista.

/ Foto: stock.adobe.com / © Alexander Raths

Medidas preventivas contra as alergias

Além disso, a terapia preventiva só pode ser iniciada se a alergia tiver sido confirmada por um médico - esta é outra razão pela qual vale a pena ir ao médico. Hoje em dia, existem inúmeras formas de aliviar ou mesmo prevenir reacções alérgicas antes que estas ocorram.

Por um lado, isto inclui a chamada hiposensibilização, uma forma especial de imunoterapia em que o sistema imunitário está habituado aos alergénios até deixar de reagir ou reagir muito menos fortemente. Por outro lado, há toda uma gama de medicamentos disponíveis, tais como anti-histamínicos, que podem ser utilizados de forma aguda ou preventiva contra uma reacção alérgica, dependendo do gatilho e dos sintomas.

O tratamento médico das alergias é, portanto, também recomendado independentemente de umas férias planeadas e minimiza o risco de ocorrência de problemas durante a estadia desde o início.

Diferenças em relação à intolerância

As alergias e intolerâncias são frequentemente utilizadas como sinónimos, mas existem diferenças importantes.

No caso de uma intolerância alimentar, não há reacção do sistema imunitário, como no caso de uma alergia a certos alimentos. Em vez disso, falta ao organismo as enzimas necessárias ou proteínas de transporte para processar certos componentes alimentares.

Como resultado, desenvolvem-se sintomas gastrointestinais tais como dor abdominal, flatulência ou diarreia. Estes sintomas não são de risco de vida - mas em muitos casos prejudicam a qualidade de vida das pessoas afectadas. Assim, uma intolerância só existe geralmente a certos componentes dos alimentos, como a lactose nos produtos lácteos ou a frutose na fruta.

Também não há interacções como com as chamadas alergias cruzadas nas intolerâncias, mas uma pessoa pode certamente ter várias intolerâncias. No caso de uma intolerância, é portanto também importante que os desencadeadores sejam esclarecidos por um médico, a fim de os evitar ou de tomar contramedidas.

Mulher a segurar a barriga com ambas as mãos. Em primeiro plano está um copo com leite.

/ Foto: stock.adobe.com / ©Pormezz

Dicas para umas férias sem queixas

Actualmente, as alergias e intolerâncias são generalizadas, mas as pessoas afectadas não são impotentes contra elas. Há muitas formas de prevenir e aliviar as queixas causadas por intolerâncias ou reacções alérgicas, mesmo durante as férias. As seguintes medidas são portanto recomendadas para que possa gozar as suas férias sem preocupações:

1. ter em conta as alergias ou intolerâncias ao planear a sua viagem.

Nem sempre é necessário escolher o tempo de viagem ou o destino com alergia ou intolerância em mente. Afinal de contas, as pessoas afectadas não são confrontadas com os alimentos alergénicos ou intolerantes em toda a parte. Por conseguinte, vale a pena fazer primeiro uma lista dos destinos e actividades que seriam desejáveis nas férias.

Depois pode ser verificado se existem quaisquer factores críticos a este respeito. Por exemplo, é muitas vezes possível umas férias de Inverno sem qualquer problema para quem sofre de alergia ao pólen, enquanto o calendário polínico é relevante para as férias de Verão. No caso de uma intolerância, por outro lado, é normalmente descomplicado cuidar de si próprio num apartamento de férias, enquanto dietas especiais nem sempre podem ser tidas em conta quando se come num hotel.

Um planeamento adequado pode, portanto, evitar certos inconvenientes ou riscos nas férias. É exactamente por isso que é tão importante esclarecer em pormenor a que é que a respectiva pessoa reage e onde é que estes gatilhos podem estar à espreita nas férias.

A maneira mais fácil de assegurar uma viagem despreocupada é evitar completamente estes estímulos, por exemplo, escolhendo um destino adequado, um tempo de viagem adequado, um hotel especial ou o respectivo tipo de comida.

2 Selecção de alojamento especial - e reserva em tempo útil

O hotel é uma palavra-chave importante, porque uma grande variedade de gatilhos pode tornar-se um problema: Pêlos de animais, ácaros, esporos de bolor ou alergénicos nos alimentos são apenas alguns dos muitos exemplos.

Por conseguinte, existem agora alojamentos especializados nas necessidades das pessoas com alergias ou intolerância e tornam a sua estadia mais segura e agradável de muitas maneiras. Isto aplica-se tanto aos quartos de dormir como às salas comuns, porque é dada especial atenção à higiene, desde a roupa de cama até ao chão. Da mesma forma, a restauração pode ser encomendada inteiramente de acordo com as necessidades individuais, o que constitui um grande alívio nas férias, não só no caso de intolerância alimentar, mas também no caso de uma dieta especial como o veganismo.

Precisamente porque tantas pessoas são afectadas por alergias ou intolerâncias, no entanto, a procura de tal alojamento é elevada e a tendência é também crescente a este respeito. É portanto aconselhável reservar em tempo útil, especialmente durante a época alta. As férias espontâneas, por outro lado, só são possíveis numa medida limitada com as queixas correspondentes.

Mulher com cabelo ruivo a dormir na cama.

/ Foto: stock.adobe.com / © drubig-photo

3. verificar cuidadosamente as bebidas e a comida

Na Alemanha, a rotulagem de alergénios nos alimentos é obrigatória. Isto significa que os alergénios mais comuns, tais como amendoins ou ovos, devem ser declarados na embalagem.

Isto facilita aos alérgicos a distinção entre alimentos compatíveis e incompatíveis. Contudo, esta lista não inclui de forma alguma todos os alergénios potenciais ou componentes alimentares que possam desencadear uma reacção de intolerância.

Mais uma vez, é portanto importante conhecer os gatilhos no caso individual e reconhecê-los na embalagem se forem mostrados como nomes latinos ou números E, por exemplo.

No entanto, o mais tardar quando os alimentos são servidos sem embalagem, por exemplo num restaurante, ou quando não existe uma exigência de rotulagem correspondente no estrangeiro, pode tornar-se difícil distinguir alimentos compatíveis de incompatíveis.

A barreira linguística também desempenha frequentemente um papel a este respeito nas férias. Aprender os seus próprios alergénios na respectiva língua nacional é, portanto, um primeiro passo importante para os encontrar na embalagem ou para poder perguntar ao pessoal de serviço do restaurante ou hotel sobre eles.

Os alérgicos ou pessoas com intolerância devem certificar-se várias vezes de que os alimentos são toleráveis, porque por vezes até os mais pequenos vestígios, por exemplo de frutos secos, podem levar a reacções com risco de vida no caso de uma alergia forte. Em caso de dúvida, como já foi mencionado, o self-catering é, portanto, a melhor escolha.

Em muitos países, especialmente na Europa, esses produtos estão disponíveis em supermercados bem conhecidos das mesmas marcas que a maioria dos alemães também conhecem de casa - e que estão certos de que podem tolerar.

Duas pessoas a comer num restaurante e a sorrir uma para a outra.

/ Foto: stock.adobe.com / © Maridav

4. embalar medicamentos para prevenção e casos agudos.

Apesar destas precauções, nunca se pode excluir completamente que o contacto com um alergénio ou um ingrediente alimentar intolerável ocorra nas férias. Além disso, em casos individuais, pode ocorrer uma reacção alérgica na ausência de alergénios.

Por conseguinte, é importante estar sempre preparado para um caso agudo, apesar de se tomarem precauções. Para este fim, várias preparações podem ser utilizadas em consulta com o médico. Estes são frequentemente chamados anti-histamínicos. Além disso, nenhum alérgico deve ficar sem um kit especial de emergência para choque anafiláctico na sua bagagem.

Mas tais medicamentos também podem assegurar umas férias despreocupadas como medida preventiva - mesmo que as pessoas afectadas entrem em contacto com o alergénio ou com alimentos intoleráveis. Por exemplo, os sprays nasais especiais podem ter um efeito preventivo sobre a febre dos fenos. No caso da intolerância à lactose, a enzima em falta pode ser tomada, e no caso da intolerância à histamina, consegue-se um grande sucesso com a toma de oxidase diamina.

Por conseguinte, vale a pena esclarecer as opções relevantes antes da viagem e experimentá-las para efeitos e tolerância. Desta forma, pode iniciar a sua viagem sem preocupações.

Contudo, não é aconselhável tomar uma nova preparação pela primeira vez durante a viagem devido a possíveis efeitos secundários ou reacções de hipersensibilidade. As férias não são o lugar certo para "experiências". 5.

5. tomar nota de considerações especiais ao viajar

Tomar medicamentos através das fronteiras nacionais ou por via aérea pode causar problemas. No caso de viagens aéreas, isto é especialmente verdade se forem transportadas na bagagem de mão.

Nesses casos, é importante deixar o medicamento na sua embalagem original. Idealmente, também deve ser levada uma nota médica em inglês ou na língua do país de destino, indicando que medicação é e porque é necessária.

No avião, todos os medicamentos devem também ser transportados numa película transparente. No entanto, esta não é a única característica especial quando se viaja ou se regressa de uma viagem como pessoa com alergias ou intolerâncias.

Podem existir outros obstáculos, tais como alergénios no avião ou ingredientes alimentares incompatíveis nos alimentos aí servidos. Além disso, alguns meios de transporte, por vezes até aviões, permitem animais de estimação no compartimento de passageiros, o que também pode tornar-se um problema para quem sofre de alergias.

Por conseguinte, os alérgicos devem ter sempre à mão a sua medicação e kit de emergência. Ao fazer a reserva, pode valer a pena perguntar à companhia aérea, à agência de viagens ou a outro contacto adequado se, por exemplo, são permitidos animais de estimação ou se é possível encomendar comida especial.

Como regra, pode então ser encontrada uma solução, tal como colocá-los o mais longe possível dos animais ou levar os seus próprios lanches. Em caso de dúvida, viajar por conta própria, por exemplo de carro, é uma alternativa mais fácil e segura. As opções de transporte também devem ser consideradas em conformidade ao escolher um destino.

Uma pessoa arrasta uma mala atrás de si no avião.

/ Foto: stock.adobe.com / © sebra

6. self-catering (também) na estrada

Se for intolerante ou alérgico a certos alimentos ou esporos de bolor, pode fazer sentido cuidar das suas próprias refeições. Isto é verdade não só durante a viagem de e para a casa de férias, mas também durante as excursões e actividades nas férias.

Isto porque é quase impossível verificar os ingredientes dos aperitivos comprados nas bancas de rua, por exemplo. Além disso, a falta de higiene pode tornar-se um problema - mesmo para quem não sofre de alergias.

É portanto aconselhável, por exemplo no caso de intolerância à histamina ou alergias alimentares, comprar alimentos adequados no supermercado e embalá-los de modo a ter à mão uma refeição tolerável garantida em caso de dúvida.

Os alimentos não transformados que consistem em poucos ingredientes, tais como pão ou queijo, são recomendados para este fim. Quanto mais naturais forem os produtos, menor será o risco, mesmo no estrangeiro, de conterem ingredientes inesperados que podem desencadear uma reacção alérgica ou de intolerância.

7 Minimizar os ácaros do pó nos quartos de hotel

Uma vez chegado de férias, os ácaros no seu alojamento podem tornar-se um problema para quem sofre de alergias. Isto aplica-se mesmo a quartos especiais para alergias ou hotéis. No entanto, vale a pena reservar tais quartos, porque o risco de exposição aos ácaros do pó da casa é aí pelo menos significativamente menor.

Em combinação com as suas próprias medidas de precaução, as hipóteses são boas de poder passar as suas férias livre de sintomas. É útil a utilização dos seguintes utensílios:

  • Pulverizador de ácaros para livrar os têxteis no seu alojamento de potenciais ácaros - especialmente a cama.
  • Uma toalha de viagem especialmente para as pessoas alérgicas para colocar sobre a roupa de cama no local, uma vez que o spray dos ácaros remove os ácaros em si, mas não os seus excrementos. Muitas pessoas que sofrem de alergias são sensíveis a isto.
  • Saco de dormir para alergia como versão interior ou exterior com forro apropriado, dependendo das suas necessidades.
  • Sacos de vácuo para embrulhar os têxteis que traz consigo, tais como o lençol ou o saco de dormir, para que nenhum ácaro possa entrar na sua bagagem durante a viagem ou em casa.
  • Almofadas de viagem, insufláveis se necessário, para facilitar o transporte para evitar o contacto directo com os têxteis desconhecidos no alojamento, especialmente na zona facial sensível.

Outra forma de tornar as suas férias confortáveis apesar das alergias ao pó da casa é escolher um destino a uma maior altitude. A partir de cerca de 1.500 metros para cima, dificilmente se encontram ácaros domésticos; a partir de 1.800 metros para cima, os alojamentos são normalmente completamente livres de ácaros. Uma viagem às montanhas vale, portanto, a pena considerar para as pessoas afectadas. O mesmo se aplica às alergias ao pólen.

Uma pessoa cobre uma cama. Só se pode ver os braços e parte da cama.

/ Foto: stock.adobe.com / © Suphansa

8. ventilar adequadamente o alojamento

Para muitas alergias, tais como as alergias ao pólen, ácaros ou esporos de bolor, uma ventilação adequada pode aliviar ou mesmo prevenir possíveis sintomas. Em qualquer caso, a melhor maneira de o fazer é ventilar a sala rápida e completamente. Desta forma, os alergénios potenciais podem ser removidos do interior.

No entanto, se tiver uma alergia ao pólen, existe o risco de que estes alergénios entrem no seu espaço de vida durante a ventilação e se acumulem lá. Nesses casos, é melhor ventilar à noite quando não há pólen ou pelo menos menos menos menos pólen a voar.

Por outro lado, se for alérgico a ácaros domésticos ou esporos de bolor, deve também ventilar regularmente durante o dia para manter a exposição dos seus quartos aos alergénios o mais baixa possível durante as férias.

Também pode ser útil remover temporariamente as plantas domésticas do alojamento ou mandá-las remover e geralmente escolher um destino com um clima bastante seco. Isto porque a humidade elevada promove alergénios típicos, tais como esporos de bolor.

Uma pessoa empurra para o lado uma cortina de janela clara para que o sol possa brilhar através dela.

/ Foto: stock.adobe.com / © Ann Rodchua

9. subscrever uma cobertura de seguro adequada.

Apesar de todas estas precauções, nunca é possível dizer com certeza se o tratamento médico não será necessário no local, seja devido à alergia ou a outras causas.

Uma apólice de seguro de saúde no estrangeiro que também cobre o tratamento potencial de reacções alérgicas ou desconforto devido a uma intolerância é, portanto, uma obrigação para cada viagem. Deve ser adaptado da melhor forma possível às necessidades individuais e aos possíveis perigos no destino da viagem.

Por exemplo, se ficar nas montanhas, deve escolher uma política que inclua também o salvamento nas montanhas. Desta forma, os alérgicos podem desfrutar de umas férias seguras, apesar do risco acrescido. No entanto, faz sentido, especialmente no caso de alergias graves, por exemplo a picadas de vespas, estar sempre perto das rotas da civilização e do salvamento, para que se possa obter ajuda rapidamente numa emergência.

10. Faça uma lista de verificação e assinale-a

Se viajar com alergias ou intolerâncias, há algumas coisas especiais a ter em mente - então é definitivamente possível umas férias despreocupadas. Para garantir que as pessoas afectadas não esqueçam nada de importante, é aconselhável criar uma lista de verificação e assinalá-la ponto por ponto antes de cada viagem.

Existe um modelo oficial para isto, o que é um bom ponto de partida. Contudo, deve ser adaptado individualmente, dependendo das alergias ou intolerâncias, do destino, dos meios de transporte e de outros factores.

Conclusão

Os que sofrem de alergias e as pessoas com intolerância devem esperar certas restrições nas férias em muitos casos. A sua gravidade depende de vários factores, tais como o tipo e a gravidade da reacção aos respectivos gatilhos.

Alguns doentes podem passar quaisquer férias livres de sintomas, por assim dizer, com a medicação preventiva certa, enquanto outros têm de prestar muita atenção a que destino escolhem e a que alojamento. A este respeito, cada um deve reunir a sua própria experiência em consulta com o seu médico e descobrir o que funciona em cada caso individual.

No caso de alergias particularmente graves, que implicam uma grande restrição nas férias, bem como na vida quotidiana, o tratamento preventivo pode valer a pena em qualquer caso, por exemplo com anti-histamínicos ou sob a forma de hipossensibilização. É portanto aconselhável verificar as opções individuais a fim de gozar férias livres de queixas ou preocupações no futuro.

Autor

Medikamio

Última Actualização

25.05.2022

Anúncio

Partilhar

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.