Efeito da medicação na insuficiência renal

Secção renal humana sobre o fundo científico. ilustração 3D

Como uma via de eliminação, os rins são importantes para muitas drogas e metabolismo humano. Nos EUA, foi calculado para os 200 medicamentos mais comumente prescritos que cerca de um terço deles são excretados do corpo inalterados em pelo menos 25% - a insuficiência renal, entretanto, pode restringir este processo, o que pode levar a efeitos colaterais.

Secção renal humana sobre o fundo científico. ilustração 3D

shutterstock.com / crystal light

Insuficiência renal definida:

A insuficiência renal (ou seja, fraqueza renal) é definida pelo funcionamento deficiente ou pelo não funcionamento total dos rins. A principal função dos rins é filtrar e limpar o sangue. Ao fazê-lo, os rins removem o excesso de água e metabolitos tóxicos (isto é, produtos metabólicos) do sangue, que são posteriormente excretados sob a forma de urina. Isto torna os órgãos em forma de feijão vitais para a regulação do equilíbrio da água e do sal e para a desintoxicação do corpo.

A fraqueza dos rins pode levar a edema (isto é, retenção de água nos tecidos), pressão arterial elevada, disfunção do sistema nervoso e perda óssea, entre outras coisas. Se os rins falharem completamente, só a diálise (ou seja, a purificação do sangue) ou um transplante renal pode garantir a sobrevivência do paciente.

O rim como via de eliminação de drogas:

Diferentes processos estão envolvidos na degradação de drogas:

  • Filtração glomerular passiva
  • Secreção activa em túbulos renais (isto é, túbulos)
  • Reabsorção tubular

A filtração glomerular é a chamada ultrafiltração do sangue, durante a qual a urina primária é formada. Durante este processo, substâncias que estão livremente presentes no sangue (ou seja, não ligadas a proteínas) também são passadas para o exterior. A quantidade da substância desta excreção depende, portanto, da ligação das proteínas e da taxa de filtração glomerular (abreviatura: GFR). A TFG descreve a eficiência de todos os corpúsculos renais (ou seja, glomérulos) no órgão.

A secreção activa nos túbulos renais pode ocorrer com a ajuda de diferentes transportadores (por exemplo: transportadores de ABC). A reabsorção tubular também pode ocorrer por transportadores - mas principalmente por difusão. A insuficiência renal pode afetar os três processos de degradação, fazendo com que os medicamentos sejam excretados mais mal e levando a efeitos colaterais ou mesmo à intoxicação.

Insuficiência renal em números:

De acordo com um estudo sobre saúde de adultos na Alemanha publicado no Jornal Médico Alemão, cerca de 2,3% com idades entre 18 e 79 anos têm função renal limitada, mas apenas 16% destes doentes estão sob os cuidados de um médico. Outro estudo na Alemanha mostrou que em lares de idosos, cerca de dois terços dos residentes com idade média de 83,3 anos têm função renal limitada - 20% destes receberam pelo menos uma medicação permanente com uma dosagem inadequada ou uma contra-indicação (ou seja, uma circunstância ocorrida que proíbe uma medida diagnóstica ou terapêutica).

Isto sugere que a insuficiência renal pode ser desconhecida ou considerada de forma inadequada em uma proporção de pacientes.

Determinação da função renal:

Na vida quotidiana, uma determinação muito precisa da função renal não é fácil de implementar, uma vez que isso exigiria os chamados marcadores exógenos (ou seja, substância que fornece informações sobre o estado biológico) para medir a GRF (taxa de filtração glomerular). Para o diagnóstico de rotina, a função renal é, portanto, determinada utilizando o marcador endógeno creatinina (ou seja, a substância responsável pelo fornecimento de energia aos músculos). Os adultos saudáveis têm geralmente uma taxa de filtração glomerular superior a 120 ml/min, que diminui com a idade. A insuficiência renal é definida como uma taxa de filtração glomerular inferior a 60 ml/min, e a dose do medicamento também é baseada na taxa de filtração glomerular. As doses comuns são encontradas entre 30 a 60 ml/min, 15 a 30 ml/min e abaixo de 10 ou 15 ml/min - a última categoria está na faixa da chamada insuficiência renal permanente.

Os farmacêuticos reconhecem a insuficiência renal?

Em um estudo francês publicado em 2015, os farmacêuticos gerais identificaram pacientes com insuficiência renal apenas de acordo com os critérios: Idade superior a 65 anos e prescrição de pelo menos dois anti-hipertensivos (ou seja, anti-hipertensivos) ou antidiabéticos. Ao reconhecer tais pacientes, os farmacêuticos podem potencialmente aconselhar de forma mais eficaz a auto-medicação e corrigir dosagens inadequadas ou reconhecer contra-indicações. Um estudo observacional multicêntrico ou transversal publicado em 2013 examinou 40 farmácias espanholas e determinou que esse serviço de ajuste de dosagem de medicamentos para pacientes idosos com insuficiência renal, pode aumentar a proporção de dosagem ajustada e evitar problemas relacionados a medicamentos como resultado.

Auto-medicação perigosa:

Um problema comum visto é que a maioria das pessoas identifica os analgésicos como inofensivos sem receita médica. O cálcio mineral pode ser problemático em algumas circunstâncias para pacientes com função renal comprometida, uma vez que vários mecanismos de regulação do nível de cálcio estão comprometidos na insuficiência renal crônica. Como resultado, a absorção através do tracto gastrointestinal e também a excreção de cálcio renal pode ser reduzida. Consequentemente, um possível baixo nível de cálcio poderia promover distúrbios do metabolismo ósseo com aumento do risco de osteoporose na insuficiência renal crônica. Entretanto, níveis excessivos de cálcio podem levar ao armazenamento de sais de cálcio nos vasos sanguíneos, promovendo possível aterosclerose ou hipertensão.

Conclusão:

Os pacientes com insuficiência renal devem, portanto, tomar suplementos de cálcio somente após consulta ao médico e realizar um monitoramento regular dos níveis séricos. Tanto o ajuste correto da dose como a prevenção de medicamentos de alto risco são de grande importância. Especialmente em pacientes idosos, um efeito colateral mais complexo ou mesmo uma intoxicação pode possivelmente ser evitado com a ajuda de um acompanhamento atento dos analgésicos pelos farmacêuticos.

Fontes

  • Brunton L. L., Lazo, J. S., Parker, K. L., (ed.). The Pharmacological Basis of Therapeutics. Mc Graw Hill Education. 2010.
  • Lepist, E. I., et al. Renal transporter-mediated drug-drug interactioons: are they clinically relevant? J. Clin. Pharmacol 56. 2016. S73-S81.
  • Girndt M, Trocchi P, Scheidt-Nave C, Markau S, Stang A. The prevalence of renal failure—Results from the German Health Interview and Examination Survey for Adults. 2008–2011 (DEGS1). Dtsch Arztebl Int 2016. 113: 85–91. DOI: 10.3238/arztebl.2016.0085
  • Hoffmann, F., et al., Niereninsuffizienz und Medikation bei Pflegeheimbewohnern. Dtsch. Ärzteblatt Int. 2016.
  • Pourrat X, Sipert AS, Gatault P, Sautenet B, Hay N, Guinard F, Guegan F, Halimi JM. Community pharmacist intervention in patients with renal impairment. Int J Clin Pharm. Dez. 2015.
  • Niereninsuffizienz (Netdoktor) (acessada em 01.04.2021)
  • Folgen für die Medikation (Pharmazeutische Zeitung) (acessada em 01.04.2021)

Autor

Danilo Glisic

Última Actualização

08.03.2021

Partilhar

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.