Medicamento antidiabético mostra efeito nos sintomas motores dos pacientes com Parkinson

Medikamio Hero Image

Anúncio

Como a doença de Parkinson é uma doença do sistema nervoso e do cérebro que progride lentamente, os primeiros sinais geralmente não são notados de imediato. A segunda doença neurodegenerativa mais comum a nível mundial, afecta cerca de 4% das pessoas com mais de 85 anos de idade e não é completamente curável apesar das terapias. Um estudo recentemente publicado investigou o medicamento antidiabético exenatide como uma forma de tratamento para os sintomas de Parkinson.

Uma pessoa idosa dá as mãos enquanto come.

shutterstock.com / Kotcha K

Byetta, droga antidiabética e o princípio ativo exenatide:

Em 2017, um estudo do Instituto de Neurologia do University College London mostrou que a administração do princípio activo exenatide pode melhorar significativamente os sintomas motores em doentes de Parkinson com doença moderada.

Originalmente derivado do veneno do lagarto crustáceo de Gila, o exenatide é um medicamento antidiabético e que reduz a glicemia (bioengenharia) usado no tratamento da diabetes tipo 2. Esta é uma doença em que o pâncreas não consegue produzir insulina suficiente (ou não a pode usar eficazmente) e consequentemente não consegue regular os níveis de açúcar no sangue.

Efeito na diabetes tipo 2:

O princípio ativo da droga antidiabética Byetta, exenatide, é um dos mimetistas incrementais ( ou seja, agonistas receptores de GLP-1). Para ajudar a controlar os níveis de glicose no sangue, aumenta a quantidade de insulina (liberada pelo pâncreas) quando os alimentos são ingeridos. Como resultado, ele age da mesma forma que os incrementos humanos (ou seja, hormônios produzidos no próprio intestino do corpo).

Efeito na DP:

Estes receptores GLP-1 habitam não só no tracto gastrointestinal, mas também no cérebro. De acordo com a Sociedade Alemã de Neurologia ( DGN), é possível que o princípio ativo exenatido conduza à estabilização das conexões neuronais (que respondem à dopamina) ali, e, portanto, à "melhora sustentada dos sintomas de Parkinson".

Doença de Parkinson:

A segunda doença neurodegenerativa mais comum em todo o mundo, a doença de Parkinson ocorre mais frequentemente com o aumento da idade. Neurodegenerativa refere-se a um processo em que os próprios neurónios produtores de dopamina morrem e se perdem durante o curso da doença. O nosso neurotransmissor (ou seja, substância mensageira) dopamina é de grande importância para a coordenação das sequências de movimento e é responsável pelas expressões faciais, gestos e todos os movimentos involuntários. Como a doença progride lentamente, os sintomas típicos, como akinesia (ou seja, falta ou ausência de movimento) ou tremor (ou seja, tremor não-voluntário dos músculos), só são aparentes depois de mais da metade das células produtoras de dopamina terem sido perdidas.

Método de estudo:

Um estudo publicado em 2017 utilizou o medicamento antidiabético exenatide para examinar precisamente estes sintomas motores da doença. A pesquisa, publicada no The Lancet, envolveu um total de 62 pacientes entre 25 e 75 anos de idade com sintomas leves. Eles tinham sido tratados com medicamentos comuns para Parkinson por uma média de seis anos antes do início do estudo. Contudo, o seu efeito tinha diminuído. Neste estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, de centro único, os doentes com Parkinson receberam 2 mg de exenatide ou um placebo uma vez por semana durante 48 semanas, para além da medicação regular. Isto foi seguido por um período de 12 semanas de washout. A doença idiopática de Parkinson dos participantes (ou seja, não foi encontrada nenhuma causa tangível para a doença) e o seu estágio foi medido de acordo com os critérios oficiais do Queen Square Brain Bank e doscritérios da escala de Hoehne Yahr. Após 60 semanas, certas mudanças na função motora foram medidas de acordo com a escala de pontuação MDR-UPDRS ( Movement Disorders Society Unified Parkinson's Disease Rating Scale Part III).

Resultados do estudo:

O grupo do estudo mostrou uma melhoria significativa de +1,0 pontos, enquanto o grupo controlado por placebo teve uma pontuação negativa de -2,1 pontos. Em 2018, foi realizada uma análise estatística deste estudo para investigar se a magnitude do efeito sobre o exenatide podia ser prevista e se os efeitos eram comparáveis entre os diferentes subgrupos (ou seja, classificação por idade, apresentação motora da doença, duração e gravidade da doença) dos pacientes. Todos os subgrupos mostraram melhorias nos sintomas motores e não motores. Os doentes idosos e os doentes com uma duração de doença superior a dez anos foram menos bem sucedidos na resposta a essa terapia.

Conclusão:

Apesar da necessidade de mais estudos para demonstrar o efeito com certeza, o efeito do medicamento antidiabético exenatide na doença de Parkinson oferece novos insights sobre o mecanismo de ação no campo.


Ingredientes ativos:

    Autor

    Danilo Glisic

    Última Actualização

    19.01.2021

    Anúncio

    Partilhar

    Anúncio

    O seu assistente pessoal de medicamentos

    Medicamentos

    Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

    Substâncias

    Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

    O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

    This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.