Mito: Deficiência de serotonina como causa de depressão?

Grande plano de um comprimido com a cara sorridente numa mão

A depressão é provavelmente uma das doenças mentais mais significativas e conduz a um elevado nível de sofrimento para as pessoas afectadas e muitas vezes também para o seu ambiente social. A depressão é objecto de muita investigação, mas ainda não é claro exactamente quais os processos bioquímicos que causam a doença. A hipótese da serotonina está agora a ser posta à prova.

Grande plano de um comprimido com o rosto sorridente numa mão

KatarzynaBialasiewicz / iStock

O que se sabe sobre a causa da doença?

Presume-se hoje que a doença se desenvolve a partir de uma interacção de vários factores (a chamada patogénese multifactorial). De acordo com isto, existem tanto influências neurobiológicas que favorecem a ocorrência desta condição psicológica, como desencadeadores ambientais, especialmente do ponto de vista psicossocial.

No lado neurobiológico, factores genéticos em particular estão associados a uma maior susceptibilidade à depressão. Nesta base, uma alteração no eixo da hormona do stress causa um desequilíbrio de substâncias mensageiras em certas áreas do cérebro, o que provoca então o estado depressivo. Terapêuticamente, são feitas tentativas para tratar estes factores neurobiológicos através da administração de medicamentos (drogas psicotrópicas, especialmente antidepressivos).

Do lado psicossocial, as primeiras experiências traumáticas em particular foram identificadas como factores de susceptibilidade para uma doença depressiva posterior, com base na vulnerabilidade geneticamente determinada existente. Os gatilhos que podem levar a um estado depressivo são, por exemplo, experiências de perda ou sobrecarga crónica nas esferas sociais de referência (família, amigos, ambiente profissional, etc.). A intervenção terapêutica aqui é através da psicoterapia, especialmente a terapia da conversa.

É de notar que os lados psicossocial e neurobiológico não são de modo algum opostos, mas sim complementares entre si. Devido a isto, seria errado afirmar que uma doença depressiva tem apenas causas biológicas ou apenas psicossociais. As abordagens terapêuticas devem olhar para ambos os lados, que é a razão para a terapia depressiva comum de hoje em dia com tratamento tanto farmacológico como psicoterapêutico.

Mulher pensativa senta-se no sofá e olha para o lado

fizkes / iStock

A hipótese da serotonina - o estado actual do conhecimento

Há muito que se assume, desde os anos 60, que um desequilíbrio no equilíbrio da serotonina leva a perturbações depressivas. Esta hipótese levou ao desenvolvimento de vários fármacos, nomeadamente os chamados "inibidores selectivos de recaptação de serotonina" (abreviadamente SSRIs) nos anos 90. Estes fármacos deveriam aumentar um aumento da serotonina na fenda sináptica. A hipótese de que uma simples falta de serotonina levaria a desordens depressivas estava logo ultrapassada, pois rapidamente se tornou evidente que esta simples abordagem explicativa ficou aquém das expectativas. Com o progresso da investigação cerebral, surgiu um sistema de interacções complicadas no metabolismo cerebral, cujo princípio funcional não pôde ser interpretado com precisão. Embora a ligação tenha sido cada vez mais questionada nos últimos tempos, o rumor persistente de que doenças depressivas estão associadas ao metabolismo da serotonina persiste até aos dias de hoje. A hipótese ainda é mantida e apoiada nos mais importantes manuais de psiquiatria.

Novo estudo abala maciçamente o mito da serotonina

Pressupostos e considerações iniciais do novo estudo

Um estudo da psiquiatra e investigadora britânica Joanna Moncrieff e da sua equipa, publicado na célebre revista Nature em Julho de 2022, abala a hipótese de que a depressão está associada a qualquer tipo de desequilíbrio no equilíbrio da serotonina para os seus fundamentos.

A equipa em torno de Moncrieff assumiu suposições segundo as quais um certo efeito positivo dos SSRIs no quadro clínico não se deve ao seu modo de acção real, mas a um aumento do efeito placebo ou à propriedade dos SSRIs de limitarem geralmente ou embotarem as emoções. Apesar da elevada influência da teoria da serotonina, especialmente no tratamento de perturbações depressivas, tem faltado uma revisão abrangente que resuma as principais conclusões sobre a teoria.

O objectivo deste estudo era, portanto, conduzir uma revisão sistemática de todas as provas estabelecidas relacionadas com a hipótese da serotonina.

Concepção da investigação / metodologia

Devido ao grande número de resultados de investigação a serem considerados, foi realizada uma chamada "revisão guarda-chuva". Esta forma de revisão proporciona uma visão geral das revisões sistemáticas e meta-estudos já disponíveis no respectivo campo de investigação. Devido à grande quantidade de dados processados e considerados, estas "revisões gerais" representam um dos níveis mais elevados possíveis de síntese de provas.

Em primeiro lugar, foi efectuada uma revisão dos relatórios de investigação que apoiavam a hipótese da serotonina, da qual derivaram seis questões-chave, por exemplo, se os doentes deprimidos tinham níveis de serotonina mais baixos em comparação com a população normal não deprimida ou se se poderia ser demonstrada uma alteração significativa nos receptores em doentes deprimidos em comparação com a população normal.

Os critérios de inclusão dos resultados da investigação analisados foram seleccionados para assegurar que as melhores provas disponíveis do respectivo campo de investigação estavam disponíveis. Foram excluídos os estudos com animais e os estudos que tratavam exclusivamente da depressão como resultado de doença física, como após um AVC. Não foram feitas restrições no que diz respeito à língua ou ao ano de publicação do respectivo estudo. Das áreas de investigação em que não tinha havido revisão sistemática ou meta-estudo nos últimos 10 anos, os dez estudos mais recentes neste campo foram incluídos na Umbrella Review.

Resultados

A Umbrella Review não encontrou provas de uma ligação entre a actividade alterada da serotonina e os sintomas de depressão. Embora houvesse algumas evidências que ligavam a desordem a uma inactividade geral de serotonina, os resultados destes estudos estavam sujeitos a grandes incertezas, principalmente devido a pequenas amostras e possível confusão dos resultados pelo uso anterior de antidepressivos. Do mesmo modo, estudos anteriores associando a desordem à deficiência de triptofano foram de baixa certeza, e o seu poder é também limitado por desenhos de estudo inadequados.

Uma revisão abrangente das principais contribuições de investigação sobre o tema mostra que não existem provas convincentes para a hipótese em que a depressão está associada a uma menor concentração ou actividade de serotonina, ou causada por qualquer associação.

Uma hipótese alargada que acrescenta stress externo à hipótese da serotonina também não pode ser confirmada como resultado da "Umbrella Review". Em vez disso, os resultados de alguns estudos, que sugerem uma fraca ligação da doença com o equilíbrio de serotonina ou uma deficiência de triptofano, estão ligados aos efeitos de uma ingestão anterior de antidepressivos. Contudo, este pressuposto não pôde ser suficientemente fundamentado devido à falta de provas consistentes.

Interpretação dos resultados

A teoria de que um desequilíbrio químico no metabolismo cerebral leva a doenças depressivas pode ser considerada como extremamente abalada por esta "Umbrella Review". Em particular, põe em causa a abordagem até agora comum da terapia medicamentosa com SSRIs. Os resultados do estudo indicam mesmo que o uso a longo prazo destes medicamentos pode levar a uma diminuição dos níveis de serotonina, o que poderia significar que um aumento da concentração de serotonina no sangue é compensado pelos antidepressivos e os medicamentos têm assim exactamente o efeito oposto do que se pretendia na realidade. Em contraste, a "Umbrella Review" mostra que são sobretudo os acontecimentos de vida stressantes e traumáticos que têm uma grande influência sobre o risco de ficar deprimido.

Os resultados da investigação são de grande importância por duas razões em particular: por um lado, a actual abordagem de tratamento utilizando SSRIs é questionada e possivelmente até associada a efeitos negativos a longo prazo no quadro clínico. Por outro lado, há implicações para a auto-imagem dos doentes e a sua atitude frequentemente fatalista em relação à doença. A hipótese há muito defendida de que a depressão é devida a uma perturbação do metabolismo cerebral privou muitos doentes da perspectiva de uma melhoria do seu estado, especialmente sem medicação a longo prazo. Pesquisas recentes mostram agora que, em vez de desequilíbrios no metabolismo cerebral, eventos traumáticos da vida estão associados a doenças depressivas. Outras pesquisas terão de mostrar que abordagens de tratamento podem aliviar mais eficazmente os sintomas desta doença grave. Após o longo caminho errado em relação ao tratamento com SSRIs, o estudo, com as suas indicações de causas principalmente psicossociais, poderia dar novos impulsos no campo da psicoterapia ou da terapia da fala.

No entanto, as pessoas afectadas nunca devem deixar de tomar antidepressivos sem consultar os seus terapeutas.

Grande plano de conversa psicológica com o terapeuta

Prostock-Studio / iStock

Conclusão

Durante muito tempo, a depressão esteve associada a uma desordem do metabolismo cerebral. Os medicamentos, especialmente os SSRIs, ainda são considerados o "padrão de ouro" para o tratamento. Esta "Umbrella Review" abana a hipótese da serotonina para os seus fundamentos e até fornece provas de que a tomada de SSRIs conduz a efeitos adversos no quadro clínico a longo prazo. Em vez disso, há indicações de que os conceitos de tratamento devem concentrar-se mais em lidar com eventos externos da esfera psicossocial.

Princípios editoriais

Toda a informação utilizada para o conteúdo provém de fontes verificadas (instituições reconhecidas, peritos, estudos de universidades de renome). Atribuímos grande importância à qualificação dos autores e à base científica da informação. Assim, garantimos que a nossa investigação se baseia em descobertas científicas.

Olivia Malvani

Olivia Malvani
Autor

Como estudante de ciências nutricionais, escreve artigos de revistas sobre temas médico-farmacêuticos actuais e combina-os com o seu interesse pessoal na nutrição preventiva e na promoção da saúde.

Última Actualização

19.10.2022

Partilhar

O seu assistente pessoal de medicamentos

afgis-Qualitätslogo mit Ablauf Jahr/Monat: Mit einem Klick auf das Logo öffnet sich ein neues Bildschirmfenster mit Informationen über Medikamio GmbH & Co KG und sein/ihr Internet-Angebot: medikamio.com/ This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.
Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.