O café estimulante protege contra o câncer de próstata?

Medikamio Hero Image

Anúncio

Com cerca de 1,3 milhões de casos em 2018, o câncer de próstata é o segundo câncer mais comum em homens em todo o mundo e o quarto mais comum em geral. Um novo estudo investigou uma possível ligação entre o tumor maligno e o consumo de café nos homens.

Linha de pulso de batimento cardíaco com chávena de café vermelha sobre fundo amarelo. Café Cardio Images.batimento cardíaco do café . Conceito de medicina e cuidados de saúde

shutterstock.com / Zagorulko Inka

Cancro da próstata nos homens:

Em nossas latitudes, o câncer de próstata é o câncer mais comum em homens e a segunda doença tumoral mais comum com resultado fatal, já que aproximadamente 60.000 homens desenvolvem o tumor maligno a cada ano. A idade média do crescimento maligno da glândula prostática (ou seja, próstata) é de 70 anos, embora seja raro que o carcinoma ocorra antes dos 50 anos de idade. Como parte dos órgãos reprodutores masculinos, a função principal da próstata é produzir uma secreção que é adicionada ao líquido seminal durante a ejaculação. O antígeno enzimático específico da próstata (PSA) é parte desta secreção e dilui o líquido seminal.

Um fator perigoso do carcinoma é que no início geralmente nenhum sintoma é reconhecível e no curso posterior podem ser sentidas queixas não específicas como dor ao urinar ou sangue na urina.

O café tem um efeito antioxidante?

Além da cafeína alcalóide, o café contém várias outras substâncias, incluindo algumas com efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes. Os chamados antioxidantes (ou seja, necrófagos radicais) também podem ser encontrados em frutas e vegetais.

Estudos realizados no passado já investigaram os efeitos benéficos do café sobre o metabolismo humano. Além dos efeitos antioxidantes, o café também poderia ter um efeito positivo nos níveis de açúcar no sangue, já que o estimulante diminui as concentrações de insulina e o "fator de crescimento parecido com a insulina 1 (IGF-1 para abreviar)", que está sendo discutido atualmente como um fator de crescimento na carcinogênese.

Resultados flutuantes:

Já há 10 anos, as epidemiologias da Escola de Saúde Pública de Harvard concluíram que os homens que consumiam 6 ou mais xícaras por dia, em comparação com os homens que não bebiam café, reduziam o risco de doenças em 18%. Em contraste, houve outros estudos que, na verdade, associaram o consumo de café a um maior risco de doenças. Um meta-estudo publicado em 2020 pela Universidade de Medicina de Shenyang na China examinou agora dados de um total de 16 estudos de coorte (incluindo o estudo de Harvard). Avaliou 1.081.586 homens, 57.732 dos quais tinham câncer de próstata.

Os critérios para os estudos foram os seguintes:

  • O estudo foi para utilizar um desenho longitudinal ou um desenho de caso-controle aninhado dentro de um estudo de coorte.
  • O consumo de café foi determinado por relatórios dietéticos auto-relatados ou diários de alimentos sobre quantidades ingeridas ou medidas de freqüência.
  • O câncer de próstata deveria ser relatado como um resultado de interesse no estudo. O câncer de próstata foi definido no estudo por diagnóstico clínico, diagnóstico médico, registros médicos ou auto-relatório.
  • O estudo deve fornecer estimativas de razão de risco com intervalos de confiança (CIs para abreviar) ou erros padrão para a associação do consumo de café com o risco de câncer de próstata. O IC indica o intervalo que inclui, com uma certa probabilidade, o parâmetro de uma distribuição uma variável aleatória. Se mais de um estudo foi realizado na mesma população, os relatórios com menos informação aplicável foram excluídos.

Os resultados do estudo variaram de uma diminuição de 53% no risco de doença a um aumento de 42%. O meta-estudo encontrou um efeito ligeiramente protector. De acordo com isso, os homens que têm maior probabilidade de consumir café poderiam ter até 9% menos probabilidade de desenvolver câncer de próstata. Contudo, devido à inconsistência nos estudos, este resultado deve ser interpretado com cautela.

Relação linear dose-resposta:

Entretanto, uma relação dose-resposta linear pode ser demonstrada de acordo com este estudo epidemiológico. Segundo isto, o risco de câncer de próstata poderia ser reduzido em cerca de 1% a cada xícara diária de café. Segundo o estudo, o câncer de fígado, cólon e mama também ocorre com menos freqüência do que em pessoas que não bebem café. Devido à pequena redução geral do risco, os consumidores de café não estão basicamente protegidos contra o câncer.

Conclusão:

O meta-estudo sugere que o aumento do consumo de café pode estar associado a uma redução do risco de câncer de próstata. Em qualquer caso, são necessários mais estudos para inferir uma clara relação causal. Se esta suposição for posteriormente comprovada, esta descoberta seria um forte incentivo para muitos homens consumirem café, a fim de reduzir o risco de câncer de próstata.

Fontes

Autor

Danilo Glisic

Última Actualização

01.02.2021

Anúncio

Partilhar

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.