O consumo de café ajuda contra o câncer de fígado?

Uma mulher agarra-se dolorosamente à região do fígado no Fundo Branco.

Anúncio

De longe o café é o mais consumido nas latitudes do norte da Europa. No topo da lista global estão o Luxemburgo, os Países Baixos e a Finlândia, onde se consome uma média de 9,43 kg de café per capita por ano. Pensa-se também que o grão tem benefícios para a saúde, pois o consumo de café reduz o risco de carcinoma hepatocelular do fígado. Os cientistas já investigaram isto com a ajuda de meta-análises de estudos epidemiológicos.

Uma mulher agarra-se dolorosamente à região do fígado no Fundo Branco.

shutterstock.com / mi_viri

Café para a saúde?

Existem agora muitos estudos que indicam que beber café poderia reduzir o risco de carcinoma hepatocelular do fígado, ou HCC, para abreviar. O chamado CHC é um tumor maligno originário dos hepatócitos, o tecido funcional do fígado, e é promovido por doenças como a cirrose hepática ou hepatite B e C. Ao mesmo tempo, outros estudos relatam um efeito inverso.

Ao mesmo tempo, outros estudos relatam uma associação inversa com o consumo de café, enquanto outros estudos também sugerem que várias xícaras de café por dia ou mais de 2 por dia reduzem o risco de CHC. O número de doses de café também é controverso. O café contém mais de mil substâncias, e várias destas substâncias já foram estudadas para efeitos protectores. Diz-se que os compostos químicos cafestol e kahweol contidos no café têm possivelmente efeitos antioxidantes, e diz-se que a conhecida cafeína neutraliza a fibrose hepática in vitro através da via metabólica TGF-beta.

O AWMF (ou seja, Arbeitsgemeinschaft der Wissenschaftlichen Medizinischen Fachgesellschaften e. V.) programa de orientação em oncologia sobre carcinoma hepatocelular e carcinoma biliar de Junho de 2021 também recomenda o consumo de café para pacientes com doenças hepáticas crónicas. A fim de revisar sistematicamente estes numerosos dados, os cientistas publicaram meta-análises em 2013 e 2020 de todos os estudos que foram realizados em associação com o consumo de café e o risco de CHC e de carcinoma hepático, respectivamente. Eles avaliaram a associação entre a expressão de café e HCC e a dose de café necessária para reduzir esses riscos de câncer de fígado.

Meta-análises investigam o possível efeito

A análise do estudo, publicada em 2013 na Associação Americana de Gastroenterologia (aga), examinou todos os estudos relevantes em língua inglesa entre 1966 e 2012 que estavam ligados ao consumo de café e ao HCC. O risco relativo de qualquer consumo de café, baixo e alto, foi comparado com o de nenhum consumo de café. O limite de tolerância foi fixado num máximo de 3 copos diários em 9 estudos e um copo por dia em 5 estudos.

A meta-análise publicada no Journal of gastrointestinal and liver diseases em 2020 também examinou estudos de controle, coorte e prospectivos em inglês entre 1996 e 2019, investigando uma correlação entre o consumo de café e o câncer de fígado ou CHC e calculando o risco relativo de ambas as doenças (modelo de efeito aleatório, de acordo com o modelo: DerSimonian e Laird com ponderação de variação inversa). Um total de 20 estudos foram examinados e colocados em perspectiva em uma xícara de café por dia.

Resultados

O risco relativo para qualquer consumo de café comparado com o não consumo foi de 0,60 (com um intervalo de confiança de 95% de 0,50 - 0,71), independentemente do sexo, do consumo de álcool e do histórico de hepatite ou doença hepática. Isto significa que o risco calculado de HCC é 40% menor em qualquer bebedor de café do que naqueles que não bebem café de todo. Comparando o grupo sem consumo de café com o resto dos grupos, os valores de RR foram os seguintes: 0,72 para baixo consumo de café, 0,44 para alto consumo. Em resumo, o valor RR foi de 0,80 para uma xícara diária de café (ou seja, 20% menos risco).

O estudo de 2020 mostrou um valor de risco relativo geral de 0,69, mas os pesquisadores disseram que havia diferenças significativas entre os estudos. Uma análise de subgrupo foi então realizada com a graduação de uma xícara de café como a quantidade. A meta-análise mostrou que quantidades maiores de café estavam correlacionadas com uma redução significativa do risco de CHC ou de câncer de fígado.

Conclusão

De acordo com uma meta-análise de 2013, o risco de CHC foi reduzido em 40% com qualquer consumo de café, em comparação com nenhum consumo de café. Os pesquisadores também apontaram uma possível correlação oposta, já que pacientes com doenças hepáticas ou digestivas também podem ter reduzido seu consumo de café. Contudo, a meta-análise também observa que outros estudos mostram que o café pode influenciar as enzimas hepáticas e o desenvolvimento de cirrose hepática e, portanto, também pode ser protetor contra o desenvolvimento de câncer hepático. No entanto, a dependência de dose adicionalmente determinada por xícara de café por dia fornece provas de um efeito causal para a redução do risco de 20% (ou seja, valor RR de 0,80).
Auch die systematische Meta-Analyse des Fachjournals gastrointestinal and liver diseases legt eine Risikoreduktion für die Leberkarzinome und HCC nahe. Dabei haben auch größere Mengen an Kaffee einen größeren Nutzfaktor in Bezug auf die Reduktion.

No entanto, para poder determinar ou compreender o efeito exato do consumo de café, são necessários mais estudos biológicos e epidemiológicos que também analisem certos subgrupos (por exemplo: CHC em associação com a hepatite C).

Fontes

Autor

Danilo Glisic

Última Actualização

08.11.2021

Anúncio

Partilhar

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.