Leuprorelin

Leuprorelin
Código ATC H01CA04, L02AE02
Fórmula C59H84N16O12
Massa Molar (g·mol−1) 1209,40
Estado de agregação sólido
Ponto de fusão (°C) 150-155
Valor PKS 9.6
Número CAS 53714-56-0
Número PUB 657181
Drugbank ID DB00007

Noções básicas

A leuprorelina, também conhecida como leuprolide, é um derivado sintético da hormona GnRH (gonadotropin-release hormone) utilizada para tratar o cancro da próstata, cancro da mama, endometriose, fibróides uterinos, pubertas praecox e como parte da terapia hormonal transgénero. É administrado por injecção num músculo ou sob a pele.

Leuprorelin foi aprovada pela primeira vez como uma injecção subcutânea diária em 1985 sob a marca Lupron™ pela Abbvie Endocrine Inc. Entretanto, foram desenvolvidas variantes intramusculares e subcutâneas com uma duração de acção retardada, que só precisam de ser dadas 2 vezes por ano. Leuprorelin continua a ser o medicamento de eleição para todas as condições para as quais é aprovado.

Farmacologia

Farmacodinâmica

A hormona libertadora de gonadotropina (GnRH) é um decapeptídeo natural que modula o chamado eixo hipotálamo-hipófise-gonadal (HPG). O GnRH liga-se aos receptores correspondentes na hipófise anterior do cérebro, que por sua vez libertam a hormona luteinizante (LH) e a hormona estimulante do folículo (FSH); estas por sua vez influenciam a síntese e libertação a jusante das hormonas sexuais testosterona, dihidrotestosterona, estrona e estradiol.

Apesar da variedade de condições indicadas para o tratamento com leuprolide, o mecanismo de acção subjacente é o mesmo em todos os casos. Como agonista do GnRHR, a leuprorelina liga-se ao receptor de GnRH e estimula inicialmente a libertação a jusante de LH e FSH. Este aumento inicial dos níveis hormonais é responsável por alguns dos efeitos secundários adversos associados ao tratamento. Após 2-4 semanas de tratamento, a estimulação contínua dos receptores de GnRH leva a um chamado feedback negativo. Neste processo, devido ao aumento permanente do nível hormonal, a libertação de hormonas é estrangulada, o que acaba por conduzir a baixos níveis hormonais e ao efeito terapêutico. Estes efeitos são reversíveis quando o tratamento é interrompido.

Farmacocinética

A leuprolida é geralmente administrada como uma formulação de dose única de acção prolongada utilizando microesferas ou depósitos sólidos biodegradáveis. Independentemente da formulação exacta e da força da dose inicial, o Cmax é normalmente atingido 4-5 horas após a injecção. Leuprorelin tem um volume aparente de distribuição de 27 L após administração intravenosa de bolo. A ligação da proteína plasmática é de 43 % e 49 %. Leuprolide tem uma meia-vida de eliminação terminal de aproximadamente três horas.

Toxicidade

Efeitos secundários

A leuprorelina é considerada extremamente segura, com baixa toxicidade relacionada com a dose e comparativamente poucos efeitos adversos.

Contra-indicações

As mulheres em tratamento para endometriose ou leiomioma uterino devem ser avaliadas para gravidez antes da sua utilização.

Dados toxicológicos

LD50, rato, i.v.: 137 mg/kg