Autor: Cinfa Portugal, Lda.


Informação longa

O que é e como se utiliza?

A furosemida pertence ao grupo Farmacoterapêutico:3.4.1.2 - Diuréticos da ansa

A furosemida é útil no:
Tratamento de edemas de origem cardíaca, hepática e renal (em caso de síndrome nefrótico, é essencial o tratamento da enfermidade base).
Hipertensão arterial.

Índice
O que se deve tomar em consideração antes de utilizá-lo?
Como é utilizado?
Quais são os possíveis efeitos secundários?
Como deve ser guardado?

O que se deve tomar em consideração antes de utilizá-lo?

Não tome furosemida cinfa 40 mg comprimidos:
Se tem:
Insuficiência renal com anúria.
Coma hepático e pré-coma.
Hipercaliemia grave, hiponatremia grave, hipovolémia com ou sem hipotensão.
Hipersensibilidade às sulfonamidas e/ou à furosemida, ou a qualquer dos excipientes do furosemida cinfa 40 mg comprimidos.

Durante a gravidez, furosemida cinfa 40 mg comprimidos só deve ser utilizado quando absolutamente indicado no tratamento dos edemas de origem cardíaca, hepática e renal, e unicamente durante um curto período de tempo; não deve ser usado na terapêutica da hipertensão arterial gravídica devido ao risco de isquémia fetoplacentar e consequente hipotrofia fetal.

Durante a lactação, deve ter-se em conta que a furosemida passa ao leite materno, podendo inibir a lactação. Em tais casos, a doente deve suspender a lactação.

Tome especial cuidado com furosemida cinfa 40 mg comprimidos:

É necessária monitorização cuidadosa dos doentes em caso de:
Obstrução parcial do débito urinário
Hipotensão ou de risco particular de baixa pronunciada da tensão arterial
Diabetes mellitus manifesta ou latente
Gota
Síndrome hepatorenal
Hipoproteinémia

Monitorização regular do sódio, potássio e creatinina séricos é geralmente recomendada durante a terapêutica com furosemida, particularmente em doentes com alto risco de desenvolverem desequilíbrios electrolíticos ou em caso de perdas de fluído significativas (p.ex., devido a vómitos ou diarreia). Hipovolémia ou desidratação assim como qualquer perturbação do equilíbrio electrolítico ou ácido básico devem ser corrigidos.

Este medicamento deve ser tomado sempre sob a indicação do seu médico.

Gravidez e aleitamento

Durante a gravidez, furosemida cinfa 40 mg comprimidos só deve ser utilizado quando absolutamente indicado no tratamento dos edemas de origem cardíaca, hepática e renal, e unicamente durante um curto período de tempo; não deve ser usado na terapêutica da hipertensão arterial gravídica devido ao risco de isquémia fetoplacentar e consequente hipotrofia fetal.

Durante a lactação, deve ter-se em conta que a furosemida passa ao leite materno, podendo inibir a lactação. Em tais casos, a doente deve suspendera lactação.

Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

Utilização em crianças

A dose recomendada para crianças encontra-se indicada na secção posologia.

Condução de veículos e utilização de máquinas:

Os doentes reagem individualmente ao tratamento com furosemida, podendo ser afectada a capacidade de condução automóvel e de manejo de máquinas. Este risco é maior no início do tratamento, nas mudanças de medicamento e com a ingestão de álcool.

Tomar furosemida cinfa 40 mg comprimidos com outros medicamentos:

Informe o seu médico ou farmacêutico, caso esteja a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos sem receita médica.

No tratamento simultâneo com glicosídos cardíacos deve ter-se em atenção que um défice de potássio aumenta a sensibilidade do miocárdio à digitalis. Na associação com glucocorticóides

deve considerar-se a hipopotassémia por estas substâncias e o seu agravamento quando do abuso de laxantes. A furosemida pode intensificar o efeito nefrotóxico de certos antibióticos como a cefaloridina, as polimixinas e os aminoglicosídos; por outro lado, pode ainda reforçar o efeito ototóxico destes últimos (da kanamicina, gentamicina e tobramicina, por exemplo) e de outros medicamentos ototóxicos.

Dado que as alterações da audição poderem ser irreversíveis a combinação só deve usar-se no caso de indicação vital.

A excreção do lítio é reduzida pela furosemida, levando a um aumento do efeito cardiotóxico e neurotóxico do lítio.

A furosemida pode às vezes diminuir a acção de certos medicamentos como os antidiabéticos e as aminas vasopressoras ou intensificar a acção de outros como miorrelaxantes do tipo curare, os salicilatos, o lítio e a teofilina. A acção de outros anti-hipertensores pode ser potenciada pela furosemida; a associação com inibidores da enzima de conversão da angiotensina pode, em particular, provocar hipotensão acentuada, pelo que, segundo os casos, se torna necessário diminuir a dose ou interromper a furosemida, ou iniciar a administração concomitante de um inibidor da ECA com doses reduzidas. Os anti-inflamatórios não esteróides (por exemplo, a indometacina e o ácido acetilsalicílico) podem diminuir, a acção da furosemida, com a consequente redução do seu efeito diurético, natriurético e anti-hipertensor, e provocar insuficiência renal na presença de hipovolémia.

O probenecide, o metotrexato e outros medicamentos que, tal como a furosemida sofrem secreção tubular renal significativa podem reduzir o efeito da furosemida.

Em caso de dúvida, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Como é utilizado?

Se não houver indicação médica em contrário recomenda-se, como posologia média inicial, 20 mg (1/2 comprimido) a 80 mg (2 comprimidos) por dia e 20 mg (1/2 comprimido) a 40 mg (1 comprimido) como dose de manutenção; nas crianças, 2 mg/kg até ao máximo de 6 mg/kg de peso de furosemida, não ultrapassando 40 mg por dia.

A utilização da dose máxima depende da reacção individual.

Instruções para a administração correcta do medicamento:

A administração realiza-se por via oral.

O médico assistente decidirá em cada caso sobre a duração da administração dependendo da indicação e da gravidade da doença.

De manhã, engolir o medicamento com líquido e com o estômago vazio, salvo indicação médica em contrário.

Se tomar mais furosemida cinfa 40 mg comprimidos:

Consulte imediatamente o seu médico ou dirija-se ao serviço de urgências do hospital mais próximo, acompanhado deste folheto.

Uma sobredosagem acidental poderá dar lugar a uma diminuição grave da pressão arterial (que

pode evoluir para choque), problemas com o rim (insuficiência renal aguda), problemas com a coagulação (trombose), delírio, parálise que afecta os músculos lisos (parálise flácida), apatia e confusão.
Não se conhece um antídoto específico.

Em caso de ocorrência de sobredosagem, deve recorrer ao médico ou telefonar para o Centro de Informação Anti-Venenos (Telef. 808 250 143). Leve este folheto consigo.

Caso se tenha esquecido de tomar furosemida cinfa 40 mg comprimidos

Tomar a dose seguinte assim que se lembrar. Nunca duplicar a dose para compensar a dose omitida.

Quais são os possíveis efeitos secundários?

Como os demais medicamentos, furosemida cinfa 40 mg comprimidospode ter efeitos secundários.

Tal como sucede com outros diuréticos, podem verificar-se alterações do equilíbrio hidroelectrolítico (hipocaliémia, hiponatremia e alcalose metabólica) depois dum tratamento prolongado ou quando se administram doses elevadas.

Em particular no início do tratamento e em doentes idosos, a diurese muito intensa pode conduzir a perturbações circulatórias tais como sensação de peso na cabeça, tonturas, secura de boca ou perturbação da visão como sintomas da hipovolémia que, em casos extremos pode conduzir a desidratação, colapso circulatório e trombofilia. Contudo, com posologia individualizada, reacções hemodinâmicas agudas não são geralmente de esperar, embora a diurese se estabeleça rapidamente.

Os saluréticos podem causar depleção de potássio, especialmente após insuficiência de potássio na alimentação, vómitos ou diarreia crónica. Além disso, doenças como a cirrose hepática podem causar predisposição a estados de deficiência em potássio. Nestes casos, é necessária vigilância adequada e terapêutica de substituição.

A hiponatremia pode manifestar-se por hipotensão, cãibras nos músculos das pernas, anorexia, astenia, tonturas, sonolência, vómitos e confusão mental.

A furosemida pode baixar o cálcio sérico (em casos muito raros, tem-se observado tetania); nos prematuros pode surgir nefrocalcinose, por deposição de sais de cálcio no tecido renal.

Os diuréticos podem agravar ou revelar sintomas de retenção urinária (em caso de hidronefrose, hipertrofia prostática e estenose ureteral), bem como aumentar transitoriamente a taxa sérica de creatinina e ureia.

É necessário ter em conta que certos doentes podem apresentar elevação da uricemia que pode causar ataques de gota em doentes predispostos. A furosemida, devido em parte à hipocaliémia, pode reduzir a tolerância aos hidratos de carbono e assim agravar uma diabetes mellitus ou tomar manifesta uma diabetes latente. Têm sido referenciados casos isolados de pancreatite aguda provavelmente devidos a tratamento de várias semanas com saluréticos, nalguns casos com furosemida.

Os transtornos auditivos devidos à furosemida são raros e geralmente reversíveis; a incidência é maior no caso de administração parentérica rápida, particularmente em doentes com insuficiência renal.

Uma alcalose metabólica pré-existente (por exemplo, na cirrose hepática descompensada) pode

agravar-se com a furosemida.

São raros os transtornos gastrointestinais (náuseas, vómitos e diarreia), as reacções cutâneas (exantemas, erupções cutâneas vesiculares, vasculite, febre e nefrite intersticial), as alterações do hemograma (leucopenia, agranulocitose, anemia hemolítica, trombocitopenia) e reacções de hipersensibilidade como a fotossensibilidade.

A trombocitopenia pode tomar-se manifesta, em particular como um aumento da tendência para hemorragias; o médico deve ser consultado nestes casos.

O tratamento com furosemida pode provocar aumento do colesterol e triglicéridos no sangue.

Caso detecte efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Como deve ser guardado?

Os medicamentos devem ser guardados com cuidado Conservar ao abrigo da luz

Não utilize furosemida cinfa 40 mg comprimidos após expirar o prazo de validade indicado no material de acondicionamento.

MANTER FORA DO ALCANCE E DA VISTA DAS CRIANÇAS

MEDICAMENTO SUJEITO A RECEITA MÉDICA

TEXTO REVISTO EM:
Março 2005

Cookies help us deliver our services. By using our services, you agree to our use of cookies. OK