Epilepsia

Epilepsia

Noções básicas

Epilepsia pode ser traduzida como "doença de queda" e é muitas vezes descrita em linguagem coloquial como um distúrbio convulsivo. Mais precisamente, epilepsia refere-se a um mau funcionamento do cérebro em que impulsos sincronizados repentinamente são disparados e descarregados. Este processo é desencadeado pelas células nervosas.

A epilepsia é considerada uma das perturbações funcionais mais comuns do cérebro. Só na Alemanha, cerca de 1 em cada 200 pessoas são afectadas. A probabilidade de desenvolvimento da epilepsia aumenta especialmente nos primeiros anos de vida, e só novamente a partir dos 60 anos de idade.

No entanto, em geral, a epilepsia pode afetar pessoas de qualquer idade. No entanto, se você tiver um ataque uma vez, isso não significa necessariamente que você sofrerá de ataques para o resto de sua vida. Aproximadamente 10% da população é afetada por uma única crise epilética pelo menos uma vez em suas vidas.

Somente quando ocorrem crises repetidas é que um especialista em doenças nervosas (neurologista) pode fazer o diagnóstico de epilepsia.

Segundo a Liga Internacional Contra a Epilepsia (ILAE), a epilepsia é diagnosticada da seguinte forma:

  • Não menos de duas crises epiléticas ocorrem com mais de um dia de intervalo, geralmente ocorrendo de repente (sem causa óbvia). Em formas mais raras de epilepsia, no entanto, desencadeadores como estímulos de luz ou certos ruídos podem normalmente ser identificados.
  • Apenas um ataque repentino ocorre, mas a probabilidade de novos ataques nos próximos dez anos é de pelo menos 60%, o que significa que o risco é tão alto quanto após dois ataques repentinos.
  • Há uma síndrome de epilepsia diagnosticada por evidências médicas. Isto inclui, por exemplo, a síndrome de Lennox-Gastaut (LGS para abreviar).

Causas

A epilepsia é um distúrbio funcional que afeta o sistema nervoso central. Na Europa, 0,7 a 0,8% da população total é afectada pela epilepsia. Nem todas as formas de epilepsia podem ser assumidas como sendo herdadas pela descendência.

Os médicos distinguem entre três grupos de epilepsia:

Epilepsia idiopática:

As causas desta forma de epilepsia ainda estão, em grande parte, inexploradas. Pressupostos sugerem que mudanças genéticas nos canais iônicos e receptores transmissores desempenham um papel no desenvolvimento da epilepsia.

Estudos demonstraram que as pessoas afectadas não sofrem de outras doenças neurológicas. Os exames de imagem (tomografia computadorizada, ressonância magnética) também não mostram alterações patológicas.

Epilepsia sintomática:

Esta forma de epilepsia é causada como resultado de uma doença do sistema nervoso central. Fatores que podem ser acionadores incluem:

  • Malformações do cérebro
  • Lesão cerebral causada por complicações na gravidez ou no parto, principalmente em bebés prematuros, hemorragia cerebral, falta de oxigénio no cérebro (complicações no parto) ou inflamação cerebral. Estes factores podem ser diagnosticados através de métodos de exame como a ressonância magnética (RM). Elas podem ser a razão para as formas graves de epilepsia na infância.
  • Lesões cerebrais (trauma craniocerebral)
  • AVC (enfarte ou hemorragia)
  • Tumores cerebrais: Por esta razão, a causa das primeiras convulsões deve ser esclarecida imediatamente por meio de CCT (tomografia computadorizada do cérebro) e MRT (ressonância magnética), especialmente em jovens.
  • Cérebro e meningite
  • Abuso de álcool, de drogas e de medicamentos
  • Doenças metabólicas e/ou doenças genéticas
  • Envenenamento

Epilepsia criptogénica:

Esta forma de epilepsia tem uma causa inidentificável. No entanto, suspeita-se que o gatilho está no cérebro.

Ataque epiléptico:

A epilepsia não pode ser equiparada a uma única crise epiléptica (ocasional). Um ataque epiléptico ocorre repentinamente e é repetido após segundos ou minutos. A causa geral de uma crise epilética são descargas eléctricas anormais de células nervosas (neurónios) que ocorrem simultaneamente. Este incidente pode afectar áreas individuais do cérebro (focal) ou o cérebro inteiro (generalizado). Os sintomas manifestam-se de forma diferente, dependendo da região do cérebro afectada.

A epilepsia só pode ser assumida quando uma pessoa teve pelo menos duas crises epilépticas em um ano. Um neurologista pode diagnosticar epilepsia mais cedo se os resultados do EEG ou da ressonância magnética mostrarem que há uma maior probabilidade de novas convulsões.

Mesmo pessoas saudáveis podem ser afectadas por um ataque epiléptico em certas circunstâncias. Estas circunstâncias incluem:

  • Privação do sono
  • Luzes cintilantes na TV ou em uma discoteca
  • Respiração acelerada (hiperventilação)
  • Retirada de álcool e medicamentos
  • Deslocamentos bruscos no equilíbrio mineral do corpo

Sintomas

A epilepsia pode ser dividida em dois grupos principais:

  • Apreensões focais: Este tipo de convulsão ocorre numa região circunscrita do cérebro e está confinada a uma área do corpo. No entanto, uma apreensão focal também pode transformar-se numa apreensão generalizada.
  • Convulsões generalizadas: As convulsões generalizadas afectam todo o cérebro ou pelo menos partes de ambos os hemisférios do cérebro ao mesmo tempo. A apreensão ocorre então em todo o corpo.

Apreensão focal:

Inicialmente, as convulsões focais ocorrem em uma parte circunscrita do córtex cerebral. Dependendo da função, vários sintomas são expressos, tais como distúrbios perceptuais ou contracções musculares. Se sintomas visuais ocorrem inicialmente, tais como flashes de luz, a origem da convulsão está provavelmente no córtex visual. Se houver torções dos membros direitos, o hemisfério esquerdo do cérebro é afectado; se houver torções do membro esquerdo, a origem está no hemisfério direito do cérebro.

Numa convulsão focal, a pessoa afectada está num estado acordado e orientado e está claramente consciente. Se a apreensão ocorrer, ele ainda é capaz de se comunicar com o seu ambiente. No entanto, também é feita uma distinção entre convulsões focais complexas, que são semelhantes às convulsões focais simples nas fases iniciais, mas que mais tarde levam a uma perda de consciência e aos chamados automatismos (funções involuntárias e automáticas, tais como mastigar e bater).

Se no início ocorrer apenas uma convulsão focal, ela também pode se espalhar para todo o cérebro e levar a uma generalização secundária. No jargão médico, os médicos chamam a este tipo de convulsão uma grande convulsão maligna.

Apreensão generalizada:

As convulsões generalizadas geralmente afectam todo o cérebro. No entanto, podem ser distinguidos diferentes sintomas:

  • A convulsão maligna: A convulsão mais conhecida é a convulsão tónico-clónica generalizada. A fase tônica é caracterizada pela profunda inconsciência da pessoa afetada. As pernas e os braços estão num estado prolongado e a respiração pára. Em combinação com o aumento da tensão muscular, isto pode resultar na falta de oxigénio. Em alguns casos, a pele do paciente pode ficar azulada (cianose), devido à falta de oxigênio. Após 30 a 60 segundos, ocorre a fase clónica, que se expressa por contracções nos braços e pernas. Na maioria dos casos, a apreensão termina após um a dois minutos. A pessoa afectada tem então um curto período de consciência antes de cair num sono profundo do qual é difícil despertá-la. Depois de acordar, falta a memória do paciente e há uma forte dor muscular. Muitas vezes, a micção ou defecação também ocorre durante a convulsão, assim como a mordida da própria língua do paciente (grande epilepsia masculina).
  • Ausência (epilepsia petit mal): Nesta forma de epilepsia generalizada, existem inicialmente distúrbios de consciência que podem durar segundos. A pessoa afectada tem um olhar fixo e em branco, possivelmente em combinação com movimentos involuntários dos olhos, da cabeça e da boca e com leves contracções musculares. O paciente faz uma breve pausa na actividade que acabou de realizar e retoma-a alguns segundos mais tarde. As indicações desta forma de epilepsia podem ser: Piscar frequentemente os olhos, bater, virar a cabeça para trás ou para o lado, possivelmente baixando a cabeça.
  • Myoclonias: Tremores nos braços e pernas que podem persistir. Estes movimentos têm ecos dos tremores que são comuns antes de adormecer.
  • Convulsões astáticas (atónicas): Aqui o doente de repente cai no chão. Em alguns casos, a queda é acompanhada de contracções musculares no rosto e piscadelas.

Diagnóstico

Primeiro, o paciente é interrogado em detalhe (anamnese). É particularmente importante descobrir se existem casos conhecidos de epilepsia na família do paciente. Depois é feito um exame neurológico.

Um ataque epiléptico é sempre avaliado com base no tipo de padrão de ataque (histórico de ataques). Por esta razão, é importante que outra pessoa observe e descreva a apreensão. Além disso, a epilepsia deve ser distinguida de outras doenças que podem ter sintomas semelhantes, tais como distúrbios de consciência de outras causas, convulsões em distúrbios metabólicos, ou convulsões psicologicamente induzidas. Além disso, um tumor cerebral deve ser excluído como uma possível causa de epilepsia sintomática. Os seguintes métodos de exame estão disponíveis:

  • Electroencefalografia (EEG)
  • Tomografia computorizada (TC)
  • Ressonância magnética (MRI)
  • Exames de sangue

Em certos casos, também são realizados testes do líquido cefalorraquidiano (LCR).

Terapia

A epilepsia é tratada por um neurologista. As pessoas com epilepsia devem consultar um neurologista duas vezes por ano.

A terapia pode ser iniciada após uma convulsão, mas deve ser iniciada após várias convulsões no máximo. Se o tratamento não for dado, há o risco de que as convulsões ocorram com maior frequência no futuro.

Se as apreensões ocorrerem com pouca frequência (menos de duas vezes por ano), pode ser decidido se o benefício supera o risco.

Em algumas formas de epilepsia (epilepsia do lobo temporal, epilepsia de ausência, epilepsia mioclônica-astática, síndrome de Lennox-Gastaut, crises de BNS), a medicação deve ser administrada imediatamente, pois não se pode descartar que muitas crises já tenham ocorrido antes.

Entretanto, se a pessoa afetada sofre de epilepsia sintomática, a doença subjacente deve ser tratada primeiro. Além disso, os fatores que desencadeiam as apreensões devem ser reduzidos o máximo possível.

Tratamento com drogas:

  • Selecção do medicamento anti-epiléptico:

Com a ajuda de medicamentos, a maioria dos pacientes com epilepsia pode levar uma vida sem convulsões. O tipo de droga anti-epiléptica utilizada depende do tipo de convulsões e do tipo de epilepsia. A terapia tem a tarefa de garantir a ausência de convulsões sem efeitos secundários indesejáveis ou com efeitos secundários toleráveis. A dosagem do medicamento deve ser ajustada com precisão ao paciente. Na maioria dos casos, o tratamento da epilepsia começa como monoterapia, ou seja, com apenas um medicamento.

Os medicamentos são concebidos para reduzir a hiperexcitabilidade das células nervosas ou para aumentar os mecanismos inibitórios. Muitas vezes são administradas drogas que interferem no metabolismo do ácido gama-aminobutírico (GABA), uma vez que o GABA é o transmissor inibidor de convulsões mais significativo no cérebro. Para que a terapia seja bem sucedida, é importante que a medicação seja tomada regularmente e que sejam realizados exames médicos.

Se um medicamento sozinho não mostrar qualquer efeito, uma terapia combinada com duas substâncias activas diferentes ou uma mudança para outro preparado pode ser útil.

  • Calendário de apreensões:

A fim de ajustar a terapia exatamente ao paciente, a situação de convulsão deve ser avaliada. Por este motivo, o paciente deve manter um diário de convulsões. Isto deve registar a frequência e gravidade das crises epilépticas. Além disso, o médico deve verificar regularmente a actividade cerebral (monitorização do EEG) e a quantidade de medicamentos no sangue.

  • Ajuste e descontinuação da medicação:

Se as convulsões não se repetirem durante três a cinco anos, o médico pode reduzir a dose da medicação. Se os exames EEG não revelarem quaisquer resultados anormais ou sinais de que possam voltar a ocorrer convulsões epilépticas, o médico pode avaliar se a medicação deve ser completamente descontinuada. Se as convulsões se repetirem após a descontinuação, o tratamento continua.

No entanto, a medicação nunca deve ser interrompida a critério do próprio paciente, pois isso pode ser fatal.

  • Esquecendo-se de tomar a medicação:

O medicamento deve ser tomado regularmente, caso contrário a concentração de substância activa no sangue está sujeita a fortes flutuações. Isto pode levar a apreensões mais frequentes. Se você esquecer de tomar o remédio, ainda pode tomá-lo algumas horas depois. No entanto, se houver um intervalo muito longo entre as doses ou se o tempo para a próxima dose já tiver sido atingido, a dose dupla não deve ser tomada em nenhuma circunstância, mas simplesmente o horário normal de dosagem deve ser continuado. Se houver alguma incerteza sobre o horário de dosagem ou se várias doses foram perdidas, o médico deve ser consultado.

Para alguns pacientes, a medicação por si só não é suficiente. Nesses casos, a cirurgia também pode ser considerada. A cirurgia de epilepsia geralmente tem resultados muito bons em termos de liberdade de convulsões após a cirurgia. No entanto, a cirurgia só pode ser realizada se as convulsões tiverem sempre origem na mesma região do cérebro, ou seja, no caso das chamadas convulsões focais. Deve ser possível remover este local no cérebro sem qualquer perigo ou desvantagem para o paciente.

Outra possibilidade de tratamento da epilepsia é a implantação de um dispositivo elétrico que provoca a excitação de um nervo específico (nervo vago) no cérebro. Ao estimular este nervo, o número de convulsões pode ser reduzido.

Se uma crise epilética ocorrer pela primeira vez, o médico de urgência deve ser chamado imediatamente. Se uma pessoa sofre uma convulsão que é conhecida por ser afetada pela epilepsia, ela geralmente pode ser evitada, a menos que haja risco de lesão.

Normalmente a apreensão terminará após um curto período de tempo. Tentativas de conter a pessoa que está a ser apreendida não devem ser feitas, mas apenas para remover quaisquer possíveis fontes de perigo do ambiente.

No entanto, se a pessoa tiver uma convulsão prolongada (mais de dez minutos) ou não recuperar a consciência entre duas convulsões, o médico de urgência deve ser chamado imediatamente. Se o médico de urgência não conseguir parar a convulsão apesar da administração de medicamentos, a pessoa afectada é admitida na unidade de cuidados intensivos e colocada em coma artificial. Esta é a única medida eficaz para evitar o chamado status de epilepsia, ou seja, uma forma severa de epilepsia.

A fim de garantir a mais alta qualidade de vida possível apesar da epilepsia, um sono suficiente com horários de sono regulares (higiene do sono) pode ser útil. Algumas formas de epilepsia podem ser desencadeadas por certos fatores que, uma vez conhecidos, podem ser evitados. Estes incluem normalmente o consumo de álcool, bem como o stress emocional. Da mesma forma, a luz cintilante dos monitores na televisão ou no computador pode desencadear a apreensão, assim como certos padrões visuais (por exemplo, padrões de tabuleiro de xadrez).

Previsão

Em geral, cerca de 50% dos pacientes com epilepsia têm uma única convulsão, enquanto os restantes 50% têm uma segunda convulsão. Consequentemente, o risco de outra convulsão aumenta, pois estima-se que cerca de 70% dos pacientes que já tiveram pelo menos duas convulsões podem ter outra convulsão epiléptica dentro de um ano. Pessoas cuja crise epilética foi causada por uma condição subjacente, como uma lesão cerebral traumática, estão particularmente em risco - o risco de novas crises é duas vezes maior do que para os pacientes epiléticos que têm uma predisposição genética ou para os quais não há uma causa conhecida.

Anúncio

Anúncio

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.