Taxol

Código ATC
L01CD01
Taxol

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica Portuguesa, S.A.

Substância(s)
Paclitaxel
Narcótica
Não
Grupo farmacológico Alcalóides vegetais e outros produtos naturais

Anúncio

Tudo para saber

Titular da autorização

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica Portuguesa, S.A.

O que é e como se utiliza?

O paclitaxel pertence a um grupo de medicamentos anticancerígenos denominados taxanos. Estes agentes inibem o crescimento das células cancerígenas.

O TAXOL é utilizado para tratar:
Carcinoma do ovário:
como terapêutica inicial (após cirurgia inicial em associação com cisplatina, medicamento que contém platina);
após os medicamentos padrão que contêm platina terem sido utilizados sem sucesso. Carcinoma da mama:
como terapêutica inicial numa fase avançada da doença ou quando a doença se espalhou para outras partes do organismo (doença metastática). O TAXOL ou é associado a uma antraciclina (por exemplo doxorrubicina) ou a um medicamento denonimado trastuzumab (para doentes nos quais a antraciclina não é adequada e cujas células cancerígenas apresentam uma proteína na sua superfície denominada HER 2 consultar o folheto informativo do trastuzumab);
após cirurgia inicial, a seguir ao tratamento com antraciclina e ciclofosfamida (AC) como tratamento adicional;
como tratamento de segunda linha para doentes que não responderam aos tratamentos padrão com antraciclinas ou para os quais tal tratamento não é adequado. Carcinoma do pulmão de células não pequenas em fase avançada:
em associação com cisplatina, quando a cirurgia e/ou radioterapia não são adequadas. Sarcoma de Kaposi relacionado com SIDA:
quando foi tentado outro tratamento (i.e. antraciclinas lipossómicas) sem sucesso.

Anúncio

O que se deve tomar em consideração antes de utilizá-lo?

Não lhe deve ser administrado TAXOL
se tem alergia (hipersensibilidade) ao paclitaxel ou a qualquer outro componente de TAXOL, em especial ao óleo de rícino polioxietilado.
se tiver muito poucos glóbulos brancos no sangue. O seu médico verificará isso através de amostras sanguíneas.
se estiver a amamentar.
se tiver uma infecção grave não controlada e o TAXOL for utilizado para tratar o Sarcoma de Kaposi.

Se algumas destas situações se aplicar a si, fale com o seu médico antes de iniciar o tratamento com TAXOL.

TAXOL não é recomendado para utilização em crianças (idade inferior a 18 anos).

Tome especial cuidado com TAXOL
Vão-lhe ser administrados outros medicamentos antes receber TAXOL para minimizar as reacções alérgicas.

Se tiver reacções alérgicas graves (por exemplo dificuldade em respirar, falta de ar, aperto no peito, diminuição da pressão arterial, tonturas, atordoamento, reacções cutâneas como erupção cutânea ou inchaço).
Se tiver febre, arrepios fortes, garganta inflamada ou úlceras na boca (sinais de depressão da medula óssea).
Se tiver dormência ou fraqueza nos braços e pernas (sinais de neuropatia periférica); pode ser necessária uma redução da dose de TAXOL.
Se tiver problemas hepáticos graves; neste caso a utilização de TAXOL não é recomendada.
Se tiver problemas de condução cardíaca.
Se desenvolver diarreia grave ou persistente, com febre e dor de estômago, durante, ou pouco após, o tratamento com TAXOL. O seu cólon poderá estar inflamado (colite pseudomembranosa).
Se tiver feito previamente radiação no peito (porque pode aumentar o risco de inflamação dos pulmões).
Se tiver a boca inflamada ou vermelha (sinais de mucosite) e estiver a ser tratado para o Sarcoma de Kaposi. Poderá necessitar de uma dose mais baixa.
Informe imediatamente o seu médico, se alguma destas situações se aplicar a si.

O TAXOL deve ser sempre administrado nas veias. A administração de TAXOL nas artérias pode causar inflamação das artérias e poderá ter dor, inchaço, vermelhidão e calor.

Ao utilizar TAXOL com outros medicamentos

Informe o seu médico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica. Tal deverá ser feito porque TAXOL ou o outro medicamento podem não ter o efeito esperado, ou poderá ser mais provável a ocorrência de um efeito secundário.

Interacção significa que medicamentos diferentes podem influenciar-se uns aos outros. A interacção pode ocorrer e o seu médico necessita de saber quando TAXOL for utilizado juntamente com:

cisplatina (para tratar o cancro): TAXOL tem de ser administrado antes da cisplatina. A sua função renal poderá necessitar de ser controlada mais frequentemente. doxorrubicina (para tratar o cancro): TAXOL tem de ser administrado 24 horas após a doxorrubicina, para evitar níveis elevados de doxorrubicina no seu organismo. efavirenz, nevirapina, ritonavir, nelfinavir ou outros inibidores da protease, que são tratamentos para o VIH. Pode ser necessário ajustar a dose de TAXOL. eritromicina, um antibiótico, fluoxetina, um antidepressivo ou gemfibrozil, utilizado para baixar o colesterol. Pode ser necessário reduzir a dose de TAXOL. rifampicina, um antibiótico utilizado para a tuberculose. Pode ser necessário aumentar a dose de TAXOL.
carbamazepina, fenitoína ou fenobarbital, utilizados para a epilepsia.

Gravidez e aleitamento
Informe o seu médico se estiver grávida ou pensar poder estar grávida antes de receber

  • tratamento com TAXOL. Se existir a possibilidade de engravidar, utilize um métodocontraceptivo eficaz e seguro durante o tratamento. TAXOL não deverá ser utilizado durante a gravidez, a menos que tal seja claramente necessário. Os doentes do sexo feminino e masculino em idade fértil, e/ou os seus parceiros devem utilizar métodos contraceptivos durante, pelo menos, 6 meses após o tratamento com paclitaxel. Os doentes do sexo masculino devem aconselhar-se quanto à criopreservação do esperma antes do tratamento com paclitaxel devido à possibilidade de infertilidade.

Informe o seu médico se estiver a amamentar. Interrompa o aleitamento se estiver a utilizar TAXOL. Não reinicie o aleitamento até que o seu médico lhe diga que o pode fazer.

Condução de veículos e utilização de máquinas
Este medicamento contém álcool. Consequentemente, poderá não ser aconselhável conduzir imediatamente após um ciclo de tratamento. Em todos os casos, não deverá conduzir se sentir tonturas ou se estiver inseguro.

Informações importantes sobre alguns componentes de TAXOL
TAXOL contém óleo de rícino (50 % de óleo de rícino polioxietilado) que pode causar reacções alérgicas graves. Se for alérgico ao óleo de rícino, fale com o seu médico antes de receber TAXOL.

TAXOL contém álcool (cerca de 50 % de etanol) ? cada mililitro de TAXOL inclui 0,396 g de álcool. Uma dose de TAXOL de 300 mg/50 ml contém 20 g de álcool, equivalente a 450 ml de cerveja ou a 175 ml de vinho.

Como é utilizado?

Para minimizar as reacções alérgicas, vão-lhe ser administrados outros medicamentos antes de receber TAXOL. Estes medicamentos podem ser administrados como comprimidos ou como perfusão numa veia, ou como ambos.
Irá receber TAXOL como gotas numa das veias (por perfusão intravenosa), através de um filtro incluído no sistema de perfusão. A administração de TAXOL é feita por um profissional de saúde. O profissional de saúde preparará a solução para perfusão antes da administração. A dose que irá receber também depende dos resultados das análises sanguíneas. Dependendo do tipo e gravidade do cancro irá receber TAXOL em monoterapia ou associado a um outro fármaco anticancerígeno.
TAXOL deve ser sempre administrado numa das veias durante um período de 3 ou 24 horas. Habitualmente é administrado cada 2 ou 3 semanas, a não ser que o seu médico decida de outro modo. O seu médico irá informá-lo sobre o número de ciclos de TAXOL que necessitará de receber.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico.

Se lhe for administrado mais TAXOL do que deveria
Não há nenhum antídoto conhecido para a sobredosagem com TAXOL. Irá receber tratamento para os sintomas.

Quais são os possíveis efeitos secundários?

Como todos os medicamentos, TAXOL pode causar efeitos secundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Informe imediatamente o seu médico se notar algum sinal de reacção alérgica. Estes sinais podem incluir um ou mais dos seguintes:
rubor,
reacções cutâneas,
prurido,
aperto no peito,
falta de ar ou dificuldade em respirar,
inchaço.
Todos estes sinais podem ser sinais de efeitos secundários graves.

Informe imediatamente o seu médico:

Se tiver febre, arrepios fortes, garganta inflamada ou úlceras na boca (sinais de depressão da medula óssea).
Se tiver dormência ou fraqueza nos braços e pernas (sinais de neuropatia periférica). Se desenvolver diarreia grave ou persistente, com febre e dores de estômago.

Efeitos secundários muito frequentes
É provável que estes afectem mais de 10 em cada 100 pessoas.
Reacções alérgicas ligeiras, tais como rubor, erupção cutânea e prurido Infecções: sobretudo infecção do aparelho respiratório superior e infecção das vias urinárias
Falta de ar
Garganta inflamada ou úlceras na boca, boca inflamada e vermelha, diarreia, sensação de doença ou doença (náuseas, vómitos)
Perda de cabelo
Dores musculares, cãibras, dor nas articulações
Febre, arrepios fortes, dor de cabeça, tonturas, cansaço, palidez, hemorragia, aparecimento de nódoas negras com mais facilidade do que é normal
Dormência, formigueiro ou fraqueza nos braços e pernas (todos sintomas de neuropatia periférica)
Os testes podem mostrar: redução da contagem de plaquetas, glóbulos brancos ou vermelhos, pressão arterial baixa

Efeitos secundários frequentes
É provável que estes afectem até 10 em cada 100 pessoas.
Alterações transitórias ligeiras nas unhas e na pele, reacções no local de injecção (inchaço local, dor e vermelhidão da pele)
Os exames podem mostrar: ritmo cardíaco mais lento, aumento acentuado dos níveis das enzimas hepáticas (fosfatase alcalina e AST - SGOT)

Efeitos secundários pouco frequentes
É provável que afectem até 10 em cada 1000 pessoas.
Choque devido a infecção (conhecido como ?choque séptico")
Palpitações, disfunção cardíaca (bloqueio AV), batimento cardíaco rápido, ataque cardíaco, dificuldade respiratória
Fadiga, transpiração, desmaio (síncope), reacções alérgicas significativas, flebite (inflamação de uma veia), inchaço da face, lábios, boca, língua ou garganta Dores nas costas, dores no peito, dor nas mãos e nos pés, arrepios, dor abdominal (barriga)
Os exames podem mostrar: aumento acentuado da bilirrubina (icterícia), pressão arterial elevada, coágulos sanguíneos

Efeitos secundários raros
É provável que afectem até 10 em cada 10.000 pessoas.
Poucos glóbulos brancos com febre e risco aumentado de infecção (neutropenia febril)

Afecção dos nervos com sensação de fraqueza nos músculos dos braços e pernas (neuropatia motora)
Falta de ar, embolismo pulmonar, fibrose pulmonar, pneumonia intersticial, dispneia, efusão pleural
Obstrução intestinal, perfuração intestinal, inflamação do cólon (colite isquémica), inflamação do pâncreas (pancreatite)
Prurido, erupção cutânea, vermelhidão cutânea (eritema)
Intoxicação do sangue (sépsis), peritonite
Pirexia, desidratação, astenia, edema, mal-estar
Reacções de hipersensibilidade graves e potencialmente fatais (reacções anafilácticas) Os exames podem indicar: aumento na creatinina sérica indicando compromisso da função renal

Efeitos secundários muito raros
É provável que afectem até 10 em cada 100.000 pessoas.
Batimento cardíaco rápido irregular (fibrilhação auricular, taquicardia supraventricular) Perturbação súbita nas células formadoras do sangue (leucemia mielóide aguda, síndrome mielodisplástica)
Perturbações visuais e/ou do nervo óptico (escotoma cintilante)
Perda ou redução da audição (ototoxicidade), zumbidos nos ouvidos (acufenos), vertigens
Tosse
Coágulo sanguíneo num vaso sanguíneo do abdómen e intestino (trombose mesentérica), inflamação do cólon por vezes com diarreia persistente grave (colite pseudomembranosa, colite neutropénica, inchaço (ascite), esofagite, obstipação Reacções de hipersensibilidade graves incluindo febre, vermelhidão da pele, dor nas articulações e/ou inflamação do olho (síndrome de Stevens-Johnson), descamação cutânea local (necrólise epidérmica), vermelhidão com pontos vermelhos (exudativos) irregulares (eritema multiforme), inflamação da pele com bolhas e descamação (dermatite exfoliativa), urticária, queda de unhas (doentes sob terapêutica devem usar protecção solar nas mãos e pés)
Perda de apetite (anorexia)
Reacções de hipersensibilidade graves e potencialmente fatais com choque (choque anafiláctico)
Perturbação da função hepática (necrose hepática, encefalopatia hepática (ambas com casos notificados de resultado fatal))
Estado confusional

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médico.

Como deve ser guardado?

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize TAXOL após o prazo de validade impresso na embalagem exterior e no frasco para injectáveis. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Antes da diluição de TAXOL:
Não conservar acima de 25°C
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.
A congelação não afecta os frascos para injectáveis antes da abertura de forma adversa.

Do ponto de vista microbiológico, o medicamento pode ser conservado após a abertura, no máximo, 28 dias a 25ºC. Outras condições e tempos de armazenagem durante a utilização são da responsabilidade do utilizador.

Após diluição de TAXOL:
Do ponto de vista microbiológico, o medicamento diluído deve ser utilizado de imediato. Se não for utilizado de imediato, conservar refrigerado (2 º C a 8 º C) durante não mais do que 24 horas, a não ser que a diluição tenha sido efectuada em condições assépticas validadas e controladas. Para mais detalhes sobre a estabilidade após a diluição, ver a secção para profissionais de saúde.

Mais informações

Qual a composição de TAXOL:
A substância activa é o paclitaxel.
Cada ml de concentrado contém 6 mg de paclitaxel.
Cada frasco para injectáveis contém 5; 16,7; 25 ou 50 ml (equivalente a 30, 100, 150 ou 300 mg de paclitaxel, respectivamente).
Os outros componentes são etanol (álcool) e óleo de rícino polioxietilado.

Qual o aspecto de TAXOL e conteúdo da embalagem
TAXOL 6 mg/ml concentrado para solução para perfusão é uma solução viscosa, límpida, incolor a ligeiramente amarela, que se apresenta em frascos para injectáveis contendo 5 ml, 16,7 ml, 25 ml e 50 ml de concentrado para diluição. Os frascos para injectáveis são acondicionados individualmente numa embalagem; estão também disponíveis caixas contendo 10 embalagens. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado:

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica Portuguesa, S.A.
Edifício Fernão de Magalhães, Quinta da Fonte, 2780-730 Paço de Arcos Portugal

Fabricante:

Bristol-Myers Squibb, S.r.l.
Via del Murillo, km 2,800 Sermoneta ? Latina
Itália

Este folheto foi aprovado pela última vez em

A informação que se segue destina-se apenas aos médicos e aos profissionais de saúde

Preparação das soluções para perfusão:

Os recipientes e os sistemas de perfusão utilizados com TAXOL têm de ser isentos de DEHP. Tal irá minimizar a exposição do doente ao plastificante DEHP [di-(2-etilhexil)ftalato], que pode ser deslocado dos recipientes ou sistemas de perfusão de PVC. O uso de filtros (por exemplo, IVEX-2), que incorporam a entrada e/ou saída de tubos PVC, não resultou na deslocação importante de DEHP.
Tal como com todos os medicamentos antineoplásicos, TAXOL deve ser manipulado com precaução. Utilize sempre luvas de protecção adequadas quando manipular frascos para injectáveis contendo paclitaxel. A diluição deve ser preparada em condições assépticas por pessoal qualificado, numa área especialmente destinada a esse fim. No caso de contacto com a pele, a área deve ser lavada com sabão e água. Caso entre em contacto com as membranas mucosas, estas devem ser exaustivamente irrigadas com bastante água.
Não deve ser utilizado o dispositivo Chemo-Dispensing Pin ou outro semelhante com espigões dado que pode causar o colapso da rolha do frasco para injectáveis, conduzindo a perda da integridade da esterilidade.

Etapa 1: Diluir o concentrado

Antes da administração, TAXOL tem de ser diluído com um dos seguintes solventes: cloreto de sódio a 0,9 %
dextrose a 5 %
dextrose a 5 % em cloreto de sódio a 0,9 %
dextrose a 5 % em solução de Ringer

A concentração final da perfusão de paclitaxel tem de ser entre 0,3 mg/ml e 1,2 mg/ml. Devem ser utilizados recipientes e sistemas de perfusão isentos de DEHP.

Após a diluição, as soluções podem mostrar turvação que se atribui ao veículo da formulação não sendo removida por filtração. Não foram observadas perdas significativas na potência após o fornecimento simulado da solução através de um sistema IV com um filtro inserido

Etapa 2: Administrar a perfusão

Premedicar todos os doentes com corticosteróides, antihistamínicos e antagonistas dos receptores H2 antes da administração.

TAXOL não deve voltar a ser administrado até que a contagem dos neutrófilos seja > 1.500/mm3 ( 1.000/mm3 para doentes com Sarcoma de Kaposi) e a contagem das plaquetas seja 100.000/mm3 ( 75.000/mm3 para doentes com Sarcoma de Kaposi).

Evitar a precipitação da solução para perfusão:
Utilizar logo que possível após a diluição
Evitar agitação e vibração excessivos e não mexer em excesso
Correr abundantemente os sistemas de perfusão antes da utilização
Verificar regularmente a aparência da perfusão e interromper a perfusão na presença de precipitado

Foi demonstrada estabilidade química e física, durante a utilização, da solução diluída a 5ºC e a 25ºC durante 7 dias quando diluída em solução de dextrose a 5 %, e durante 14 dias quando diluída em cloreto de sódio para injectáveis a 0,9 %. Do ponto de vista microbiológico, o medicamento diluído deve ser utilizado de imediato ou conservado de 2º C a 8 º C durante não mais do que 24 horas.

TAXOL tem de ser administrado através dum filtro inserido no sistema de administração, com uma membrana de microporosa < a 0,22 micrómetros. Têm de ser utilizados recipientes e sistemas de perfusão isentos de DEHP. O uso de filtros que incorporam uma curta entrada e/ou saída de tubos plastificados, não resultou numa deslocação significativa de DEHP.

Etapa 3: Eliminação

Os produtos não utilizados ou os resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências locais para manipulação de citotóxicos.

Posologia:

As doses recomendadas para a perfusão intravenosa de TAXOL são:

Indicação Posologia Intervalo entre os ciclos de TAXOL 3 semanas Primeira linha no carcinoma do ovário 135 mgm2 durante 24 horas, seguidos de 75 mgm2 de cisplatina ou 175 mgm2 durante 3 horas, seguidos de 75 mgm2 de cisplatina 175 mgm2 durante 3 horas 3 semanas Segunda linha no carcinoma do ovário

Adjuvante no carcinoma 175 mgm2 durante 3 horas após 3 semanas da mama terapêutica com antraciclina e ciclofosfamida AC 3 semanas 220 mgm2 durante 3 horas, 24 horas após doxorrubicina 50 mgm2 Primeira linha no carcinoma da mama com doxorrubicina 3 semanas Primeira linha no carcinoma da mama com trastuzumab 175 mgm2 durante 3 horas, após trastuzumab ver o RCM do trastuzumab 175 mgm2 durante 3 horas 3 semanas Segunda linha no carcinoma da mama 3 semanas 175 mgm2 durante 3 horas, seguidos de 80 mgm2 de cisplatina Carcinoma avançado das células não pequenas do pulmão 100 mgm2 durante 3 horas 2 semanas Sarcoma de Kaposi associado à SIDA

TAXOL não deve voltar a ser administrado até que a contagem dos neutrófilos seja > 1.500/mm3 ( 1.000/mm3 para doentes com Sarcoma de Kaposi) e a contagem das plaquetas seja 100.000/mm3 ( 75.000/mm3 para doentes com Sarcoma de Kaposi).

Os doentes com neutropenia grave (contagem de neutrófilos < 500/mm3 durante uma semana ou mais tempo) ou com neuropatia periférica grave devem receber uma redução de 20% (25% para doentes com Sarcoma de Kaposi) na dose nos ciclos subsequentes (ver Resumo das Características do Medicamento).

Não estão disponíveis dados adequados para recomendar alterações na posologia em doentes com insuficiências hepáticas ligeira a moderada. Os doentes com insuficiência hepática grave não devem ser tratados com TAXOL (ver Resumo das Características do Medicamento).

TAXOL não é recomendado em crianças com idade inferior a 18 anos devido à ausência de dados de segurança e eficácia.

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica Portuguesa, S.A.

O seu assistente pessoal de medicamentos

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.

This website is certified by Health On the Net Foundation. Click to verify.