Doença de Lyme (Syn.: doença de Lyme, borreliose de Lyme)

Doença de Lyme (Syn.: doença de Lyme, borreliose de Lyme)
Classificação Internacional (CID) A69.-
Sintomas Suores, Dor nas articulações, Pareses faciais, Dores musculares, Artrite de Lyme, Schwellungen am Knie, Ellenbogen, Sprung-, Handwurzel-, Zehen- und Kiefergelenken, Meningite, Perturbações dos órgãos sensoriais, Problemas cardíacos, Inflamação vascular
Possíveis causas Transmissão do agente patogénico através de uma picada de carraça
Possíveis factores de risco Estadia ao ar livre, Contacto com plantas próximas do solo

Noções básicas

O agente causador da doença de Lyme é a bactéria Borrelia burgdorferi. As bactérias são transmitidas aos humanos através de picadas de carraças.

Em 1975, foi observada pela primeira vez em Lyme (EUA) uma maior incidência de inflamação das articulações após picadas de carraças. Esta é também a origem do nome doença de Lyme. O agente patogénico Borrelia burgdorferi foi então descoberto por Wilhelm Burgdorfer em 1981.

A doença de Lyme progride em várias fases, que não ocorrem necessariamente em todos os que sofrem. Uma indicação é um avermelhamento notável da pele à volta da picada da carraça, que também cicatriza sem tratamento. Em casos graves e em fases posteriores, os músculos, articulações e nervos podem ser afectados, o que pode ter consequências permanentes. O tratamento mais eficaz é o tratamento precoce com antibióticos.

A doença de Lyme é mais comum em pessoas que passam muito tempo ao ar livre para trabalho ou lazer, por exemplo, trabalhadores florestais ou jardineiros. A maioria das picadas de carraças ocorre nos meses de Junho/Julho, mas a maioria das infecções ocorre normalmente entre Março e Outubro.

Causas

Os agentes patogénicos são principalmente transmitidos por carraças (Ixodes ricinus), raramente também por moscas-da-cavala. Segundo estudos realizados na Suíça e na Alemanha, foi detectada uma infecção de Borrelia em 2,6 a 5,6% das pessoas afectadas após uma picada de carraça. As bactérias vivem no intestino do carrapato. Como resultado, a transmissão leva de 6 a 48 horas (em contraste com a transmissão muito rápida dos agentes patogénicos TBE). Uma medida decisiva e preventiva aqui é a rápida remoção da carraça.

A transmissão directa de pessoa para pessoa não é conhecida, as pessoas infectadas não são, portanto, contagiosas. No entanto, uma doença durante a gravidez pode levar a danos na criança ou ao nado-morto.

Ilustração da bactéria da doença de Lyme

/ creative commons CC BY-ND 3.0 / www.medicalgraphics.de

Sintomas

Etapa 1: Infecção local

Após a transmissão do agente patogénico e um período de incubação normalmente de 5 a 29 dias, pode (mas não é necessário) ocorrer uma infecção local da pele. A vermelhidão migratória (eritema migrans) é um sinal característico de uma infecção de Borrelia, mas também há infecções que não mostram quaisquer sintomas cutâneos. O avermelhamento da pele com cerca de 5 cm de largura, em forma de anel, espalha-se à volta do local da mordedura e desaparece gradualmente por si só. Contudo, uma diminuição não é prova de cura porque o agente patogénico pode já ter-se espalhado.

A vermelhidão errante pode ser acompanhada por sintomas gerais não específicos, tais como uma sensação difusa de doença com fadiga e exaustão (também possível com sintomas gastrointestinais). Além disso, a chamada "gripe de Lyme" também pode ocorrer com febre, suor, dor de cabeça e dores nas articulações, mas sem tosse e frio.

Etapa 2: Espalhamento das bactérias

Se o patogénico na fase 1 não for eliminado pelo sistema imunitário ou por terapia com antibióticos, pode propagar-se por todo o corpo e, após um período de latência de cerca de 4 a 16 semanas, provocar o reaparecimento dos sintomas da doença. Os sintomas bastante difusos, semelhantes aos da gripe, tornam difícil um diagnóstico claro.

O agente patogénico de propagação pode instalar-se em todos os órgãos, articulações e músculos, bem como no sistema nervoso. Isto resulta numa variedade de sintomas graves: por exemplo, paralisia de um músculo facial (paresia facial), dores articulares e musculares errantes, e dores ardentes no local da injecção. Raramente, o cérebro e o sistema nervoso periférico são também afectados (neuro-borreliose). Nesta fase, o patogéneo não é facilmente reconhecido pelo próprio sistema imunitário do organismo e só com dificuldade pode ser erradicado, mesmo com antibióticos, porque já se instalou no tecido conjuntivo.

Etapa 3: Infecção crónica

Se a infecção de Borrelia não for tratada a tempo, os sintomas podem reaparecer ou piorar progressivamente mesmo após meses a anos de períodos sem sintomas. Os efeitos tardios típicos são artrite Lyme com inchaço e dor no joelho, cotovelo, tornozelo, pulso, articulações dos dedos dos pés e da mandíbula.

Além disso, as alterações cutâneas ou neuroborreliose com dores nervosas, meningite, perturbações dos órgãos sensoriais, bem como problemas cardíacos, inflamação vascular e exaustão também persistem.

Diagnóstico

A presença de uma picada de carraça com vermelhidão errante é a indicação mais frequente de uma infecção. Em alguns laboratórios, é possível detectar bactérias Borrelia nas fases iniciais com uma cultura bacteriana.

Apenas 2-4 semanas após a infecção, os anticorpos contra Borrelia podem ser detectados por um teste de sangue, mas estes não indicam necessariamente apenas uma infecção aguda. Os anticorpos também estão presentes quando uma infecção foi combatida com sucesso pelo sistema imunitário e não estão presentes sintomas clínicos. No caso da neuro-borreliose, pode ser feita uma tentativa de examinar o líquido cefalorraquidiano para a bactéria.

Devido às diversas imagens de sintomas, outras doenças graves devem também ser excluídas por diagnósticos diferenciais, a fim de facilitar um diagnóstico preciso.

Terapia

A doença de Lyme também pode sarar completamente sem tratamento. No entanto, devido ao risco de cronificação e às graves consequências, é recomendado o tratamento com antibióticos.

Na primeira fase após a penetração do agente patogénico por uma picada de carraça, possivelmente com eritema migrante (vermelhidão errante), é mais fácil eliminar completamente a borrelia. Um curso de antibióticos durante cerca de duas semanas é suficiente na maioria dos casos. Nesta fase, a neuro-borreliose também cura em 95% dos casos sem consequências tardias.

Na segunda fase, o agente patogénico é muito mais difícil de eliminar. Passa rapidamente do sangue para o tecido conjuntivo, onde depois se agarra. Devido a isto, é necessária uma terapia antibiótica mais longa ao longo de um período de cerca de quatro semanas.

Antibióticos para terapia oral:

  • Doxiciclina
  • Amoxicilina
  • Cefuroximaxetil
  • Azitromicina

Antibióticos para terapia intravenosa:

  • Ceftriaxona
  • Cefotaxime
  • Penicilina G

Quanto tempo os antibióticos devem ser administrados e com que hipóteses de sucesso uma infecção na fase crónica pode ser curada com eles está a ser discutida internacionalmente.

Previsão

Numa fase inicial, a doença pode ser bem curada com antibióticos, mas as perspectivas pioram à medida que a fase avança, à medida que as queixas no sistema nervoso e articulações persistem. Mesmo após uma infecção por doença de Lyme, pode ocorrer uma nova infecção com os agentes patogénicos, uma vez que não existe uma imunidade fiável.

Doutor remove carrapato com pinça

/ andriano_cz / iStock

Prevenção

  • O uso de vestuário comprido e a utilização de repelentes eficazes de insectos podem prevenir picadas de carraças.
  • Em geral, recomenda-se a verificação do corpo à procura de carraças depois de passar tempo na relva alta e debaixo de arbustos.
  • Uma vez que a transmissão da bactéria Borrelia das carraças aos humanos demora muito tempo (6 - 48 horas), faz sentido remover as carraças que já se fixaram o mais rápida e suavemente possível. Pinças ou pinças e cartões especiais são adequados para este fim, com os quais o carrapato pode ser puxado lentamente e directamente para fora da pele. Deve-se ter o cuidado de não esmagar o carrapato.

Actualmente, não são aprovadas vacinações contra a doença de Lyme na Europa.

Medicamentos

Pesquise aqui a nossa extensa base de dados de medicamentos de A-Z, com efeitos e ingredientes.

Substâncias

Todas as substâncias activas com a sua aplicação, composição química e medicamentos em que estão contidas.

Doenças

Causas, sintomas e opções de tratamento para doenças e lesões comuns.

O conteúdo apresentado não substitui a bula original do medicamento, especialmente no que diz respeito à dosagem e efeito dos produtos individuais. Não podemos assumir qualquer responsabilidade pela exactidão dos dados, uma vez que os dados foram parcialmente convertidos automaticamente. Um médico deve ser sempre consultado para diagnósticos e outras questões de saúde. Mais informações sobre este tópico podem ser encontradas aqui.